Algumas reflexões acerca dos momentos pós-permanentes trágicos da sociedade brasileira - Momento II: A redução da maioridade penal

Por Pedro Fernandes


O alarido provocado pelo sensacionalismo midiático em torno da morte do garoto João Hélio foi tamanho que, logo em seguida, a sociedade brasileira acordou com outra discussão: a redução da maioridade penal. Não sei o porquê. Não haveria nenhum momento para essa discussão pós o fato João Hélio porque ao que me consta não havia nenhum menor no volante do carro envolvido na tragédia, apenas um jovem de dezessete anos no banco traseiro.

O fato é que a carência por assuntos do tipo "sensacionalista", e esse pode se tornar se não discuti-lo com cautela, fez com que a mídia focalizasse no lado mais fraco dos envolvidos no assassinato, o menor.

Falar em redução da maioridade penal no Brasil é algo que foge completamente da racionalidade nossa. O sistema penal brasileiro é bom; parece-me, pelo pouco conhecimento que tenho acerca, avançado em várias questões. O foco que deveríamos estar preocupados agora em discutir abertamente não seria reduzir para dezesseis anos a responsabilidade criminal dos sujeitos e sim o uso de estratégias para cumprir com o que já foi feito em termos de legislação. A impunidade talvez seja o maior erro de tudo o que já fizemos: a lei é muito rígida para alguns, enquanto para outros branda o suficiente para serem criminosos à vontade.

A desculpa de um adolescente de dezesseis anos ser responsável pelos crimes porque já tem capacidade de voto é falha, espalhafatosa, sensacionalista e infundada.  Primeiro, o voto aos dezesseis anos é facultativo; segundo, a grande maioria dos adolescentes dessa faixa etária não vivem por aí praticando crimes a torto e a direito, muitos entram no crime porque esse é ainda o mais fácil caminho para adquirir status e dinheiro numa sociedade voltada para esses valores. Assim fracassa a ideia de que reduzindo a maioridade estaríamos reduzindo a criminalidade: o jovem de dezesseis anos não entra no mundo do crime porque quer ser criminoso, deveríamos assim punir as demais faixas etárias que vêm antes dessa, a criminalidade seria, pois, algo genético.

Outro argumento: os países que fizeram a redução da maioridade não perceberam ainda, e olhe que já faz certo tempo, esta diferença vertiginosa e significativa da criminalidade como parece pintar a mídia. E, levando-se em consideração nosso "Brasilis" chego a concordar que poderia sim, inicialmente, haver uma insignificante redução nos números do crime, mas a continuar com um código penal passível de interpretações das mais absurdas como é o nosso, flexível e cheio de mordomias, com leis fabricadas pelo dinheiro e pela cara do bandido era estar formando criminosos especialistas na arte de matar, o que futuramente configuraria num alarmante aumento dessa estatística.

Levaríamos em condição certo tipo de discussão acerca em qualquer outra época futura, menos agora. Ainda não é o momento adequado, somos, parece e ainda temos muito a amadurecer para concretizar idéias como essa. Aprová-la agora seria estarmos mais uma vez querendo parecer moderninhos perante os outros países e criando mais uma daquelas medidas paliativas, não pensadas e que não levam a lugar nenhum. A necessidade que urge é apenas a do fazer valer: falar nisso, cadê os ladrões do dinheiro público, ein? E os ladrões de galinha, alguém sabe onde estão?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea