Neocristianismo

Por Pedro Fernandes


Não faz muito tempo que têm as religiões, cito as mais conhecidas, a dos católicos e dos evangélicos, tomado certo rumo que me espanta. Enquanto eu e muitos outros acreditávamos numa falência dos credos em detrimento da expansão de outro mal, o capitalismo, o que tem acontecido é que tais religiões têm é se expandido. Refizeram seus discursos (entre aspas, porque ainda dizem o meso de sempre, só que agora numa via mais pop, entretanto, não menos ludibriante) e se alastraram feito rastilho de pólvora, infestando todas as vias, as concretas e as imaginarias. De início o Rádio e a TV, agora a Internet, a cada esquina há de ter alguém se esgoelando, comprando almas, fazendo leiloes de salvação, pactuando com pombas divinas, encomendando-se a Deus a ao Diabo se aquele demora com a satisfação. São showmissas, showcultos, milagres, curas e curas, banzeis a torto e a direito, virtuais.

Ainda mais recente, depois da grande debanda de fieis do catolicismo para as milhares de facções da igreja evangélica, (porque agora é assim, as pessoas todas feito carneirinhos, quando o Deus daquela já não obra mais tantos milagres como o desta são levadas para onde prometem o Rio de Janeiro embandeirado) assistimos a invasão doutra via: a da música. Se antes tínhamos alguns insossos padres cantores cantando romanticamente os feitos do Senhor, agora temos todos os estilos de padres e ou de pastores: românticos ainda vivem, (afinal tai uma coisa que não tem pós-modernismo que dê jeito) mas temos os forrozeiros, os funkeiros, os bregas, os axés, os pagodeiros, os pop-rock com direito a metaleiro e tudo, enfim, tem para todos os gostos.

Isso, no entanto, constitui hoje um simples ramo bestial daquilo que as religiões sempre foram, mas agora o são mais descaradamente, shopping centers a céu aberto e com as bênçãos divinas que o Jesus não mais vive para andar às catas de vendilhões nos templos. Movimentam uma economia que não negocia somente pardas almas, indulgencias, e vagas no céu, mas negocia, troca e vende desde as Sagradas Escrituras – de capa rosa choque e com florzinhas para as meninas e com outros frus-frus para os meninos, o que faz a Bíblia nunca deixar o topo dos Best-Sellers desde que inventada – até imóveis em redutos ou guetos só para quem quer se desligar por completo da profanação e aditarem já aqui na Terra as delícias do paraíso.

Com isso permanecem expandindo entre a cabeça de milhões de desmiolados a discórdia, a ganância e guerra, fruto de seus discursos falaciosos e ricamente preconceituosos. As igrejas católica e evangélica dizem que recebem a todos. Isso não é mentira, mas trata melhor aqueles que tenham farto dízimo e que não sejam gays, pagãos, prostitutas, drogados, sem religião, etc. Se tiver o dízimo farto, pode até negociar, mas ainda assim, se for gay, por exemplo, tem de sair aos quatro cantos dizendo que deixou de ser, e por aí vai.

Todos esses movimentos que arrastam multidões só conseguidas no show dos Rolling Stones em Copacabana, 2007, no carnaval de Salvador e na Festa do Boi de Parintins, carregam e renovam o dote de preconceitos e apartheid que entra século e sai século permanece, adquirindo novas forças, novas roupagens e segue causando o mesmo mal de sempre: o de depenar a liberdade humana. Me parece que, o Jesus de que elas falam, não entendia fé como o que elas professam. Toda forma de fé merece respeito, é verdade, menos as que usam de má fé travestidas da benevolência de Deus para mandar ao diabo todos os que não seguirem seus dogmas. Isso, ambas as igrejas têm feito a granel. Digo com mais certas letras porque isso é público e notório aos que ainda restam um pouco de juízo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Os segredos da Senhora Wilde

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea