Gonçalo M. Tavares





Nascido em 1970, Gonçalo M. Tavares começou a publicar apenas em 2002, mas já obteve várias distinções (Prêmio José Saramago em 2005, Prêmio Ler/Millennium BCP 2004, Grande Prêmio de Conto Associação Portuguesa de Escritores Camilo Castelo Branco, Prêmio Portugal Telecom 2007, Prêmio Internazionale Trieste 2008,  e Prêmio Belgrado Poesia 2009, na Sérvia); logo, se as premiações atestam a boa qualidade de um escritor não há mais o que ser dito dele. Soma-se a esta leva de títulos as bênçãos do Prêmio Nobel de Literatura José Saramago quem lhe outorgou o prêmio máximo no futuro para Gonçalo M. Tavares. Se isso se cumprirá não sabemos; mas que o gajo português anda em caminhos, ah sim, anda. 

Os livros de Gonçalo M. Tavares estão publicados em mais de 35 países e em mais 160 traduções entre romances, conto, teatro, poesia, ensaio e uma série de gêneros outros que serviram/servem à peças de teatro, dança, peças radiofônicas, curtas-metragens e objetos de artes plásticas, dança, vídeo de arte, ópera, performances, projetos de arquitetura, teses acadêmicas etc. Ao todo são mais de 30 livros, entre eles Aprender a rezar na era da técnica, JerusalémViagem à Índia, Matteo perdeu o emprego e a coleção O Bairro em que ficcionaliza nomes da literatura universal

Alguma vez a crítica terá dito que Gonçalo M. Tavares vale por uma literatura inteira. E é verdade: sua obra não se fecha nas fronteiras já estabelecidas dos gêneros literários. É um canteiro de experimentações, mas sem fazer da literatura arte pela arte. Seu grande interesse tem sido (e tem conseguido cumprir) reiterar o lugar da literatura como espaço onde se é possível pensar o sujeito e sua relação com o mundo. E isso não é tarefa dada a escritores comuns interessados tão somente no entretenimento gratuito, nos experimentalismos sem fundamentação, na repetição dos fadados exercícios de linguagem.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Torquato Neto, exercício de liberdade

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Tirza, de Arnon Grunberg

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268