Americano, de Mathieu Demy

Por Pedro Fernandes


Às vezes achamos que há talento de sobra numa única pessoa, enquanto outras, coitadas, não têm recurso sequer para inventar a própria assinatura. Mathieu Demy é um exemplo do primeiro grupo. Quando assisti a este Americano sabia que ele era o ator principal do filme, mas, perdoe-me as circunstâncias e o tempo, só dei a conhecer que é também o diretor, quando fui fazer algumas pesquisas na web sobre sua pessoa. Evidente que todo seu talento nasce da convivência e da educação que recebeu, afinal ele é filho de ninguém menos que Jacques Demy e Adgnès Varda, dois importantes nomes da cinematografia francesa e foi nos trabalhos dos pais em que Demy apareceu pela primeira vez.

Americano é seu primeiro trabalho na direção. Duplo trabalho, na verdade, que agora já sabemos, a personagem principal, que domina integralmente as cenas de toda a narrativa, é também o próprio Mathieu. A personagem por ele vivida é Martin, que recebe, logo no início da trama, o comunicado da morte da mãe, que vivia na Califórnia, Estados Unidos. Ido para Paris ainda criança numa circunstância que o impede de lembrar que era realmente sua mãe, a volta ao lugar de nascimento não será apenas para resolver questões de funeral e herança, mas um retorno para se descobrir quem é Martin, o que ele realmente herdou de traço psicológico da mãe e quem foi esta que lhe permitiu sua ida sem mais nem menos para longe dela.

Poderá, a primeira vista, ser encarado como um filme que dá contas da impossibilidade de inconclusão do sujeito, esse elemento constantemente atravessado de subjetividades alheias e, afinal, Americano é uma narrativa sobre identidade, a perda, a busca, a sua constante refacção  ou reinvenção de si, mas aprendemos com Martin, é a impossibilidade de sabermos, afinal, quem o outro, essa categoria tão importante, porque é ela que, diretamente, nos direciona a saber que somos.

A descoberta de que o seu vazio de filho foi ocupado por outra criança – que a lembrança aos poucos o faz recordar – filha de imigrantes mexicanos, fará Martin, deixar tudo na Califórnia para buscar no México, saber dessa personagem cuja única coisa que sabe dela é seu nome. Ao encontrar-se com Lola, uma dançarina e garota de programa numa boate em Tijuana, ele pagará caro e maus bocados para descobrir o que procura: a identidade alheia não só da mãe, mas da própria Lola e, como já citei, a sua própria identidade.

Mathieu Demy é extremamente feliz na condução do enredo, muito bem acabado. Resultado primeiro de sua paixão verdadeira pelo que faz, certamente, porque o trajeto empreendido por Martin, a personagem que interpreta, é dado somente àqueles que têm a crença na vida e é capaz de mergulhar nas linhas sem começo nem fim do destino. O jogo aqui é para aqueles que sabem que não há nada a perder, nem mesmo a vida, que esta é uma dádiva sobre qual devemos buscar o controle integral. E o que não mata, a enriquece.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325