Só dez por cento é mentira




Há várias maneiras sérias de não dizer nada
mas só a poesia é verdadeira

Manoel de Barros


Apresentado no Festival de Cinema do Rio de Janeiro Só dez por cento é mentira roteirizado e dirigido por Pedro Cezar é um original mergulho cinematográfico na biografia inventada e nos versos fantásticos do poeta sulmatogrossense Manoel de Barros.

Na sinopse de apresentação do filme – elogiado pela crítica e premiado várias vezes em festivais como II Festival Paulínia de Cinema 2009 e o V Fest Cine Goiânia 2009 – entende-se que seja este um videodocumentário que “ultrapassa as fronteiras convencionais do registro documental. Utiliza uma linguagem visual inventiva, emprega dramaturgia, cria recursos ficcionais e propõe representações gráficas alusivas ao universo extraordinário do poeta”.

O filme se constrói alternando sequências de entrevistas inéditas do escritor, versos de sua obra e depoimentos de “leitores contagiados” por sua literatura compondo, desse modo, um painel revelador da linguagem do poeta, considerado o mais inovador em língua portuguesa.

Pela verve da poética de Manuel de Barros os produtores procuram resignificar as “desimportâncias” biográficas e a personalidade “escalena” do poeta, ao pontuar o filme com momentos de breves testemunhos ao fundo.

Com 97 anos, Manoel de Barros, já publicou mais de 20 livros e atualmente endossa uma lista que vem sendo pensada pela União Brasileira dos Escritores (UBE) como um dos possíveis indicados para indicação ao Prêmio Nobel de Literatura 2013.

O documentário pode ser visto integralmente no canal do Letras in.verso e re.verso no Youtube, aqui.

Comentários

Lou Salomé disse…
É bem verdade que a poesia escreve direito por linhas...curtas! :)

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Angela Carter, a primazia de subverter

O túmulo de Oscar Wilde

História da menina perdida, de Elena Ferrante

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin