Adeus, minha rainha, de Beonît Jacquot




Maria Antonieta ocupa para a história francesa posição semelhante à de Cleópatra na história universal. Não pelo modo de vida que levou as duas personagens, mas pela fama que alcançaram a partir do poder que acumularam. Se podemos destacar duas características em comum a elas decidamos pelo luxo e a extravagância. Tanto uma como a outra já tiveram suas biografias imortalizadas para o cinema. A rainha francesa, por exemplo, teve um filme em 2006, escrito e dirigido por Sofia Coppola com Kirsten Dunst no papel principal. Aqui, encontramos ainda com a princesa recém-chegada da Áustria para se casar o príncipe francês Luis XVI como parte de um acordo entre os dois países – coisa comum na época para as monarquias.

Agora, em 2011, Beonît Jacquot volta aos tempos áureos (quer dizer não tão áureos e já saberemos o porquê) para reforçar a imagem complexa da figura histórica. Se, no filme de Sofia, a vida de luxo e de festas da princesa no universo distante de Paris, em Versalhes, não deixava ver o que lá fora se formava, o motim que em todos os livros de história encontramos com o nome de Queda da Bastilha, precursor da Revolução Francesa, no filme de Beonît estamos no apogeu da revolta. Adeus, minha rainha concentra-se nos quatro dias depois do evento de 14 de julho de 1789. Mas, é bom que se diga que, assim como na produção de 2006, agora, não é o episódio histórico o centro da atenção do cineasta, mas sim, novamente, a vida pregressa da rainha no princípio de seu calvário que terminaria com sua execução mais tarde – reivindicação dos revoltosos.

Também não alcançamos até este momento trágico, afinal, o interesse mesmo de Benoît está em seguir alguns amores levianos da não menos vida leviana da figura histórica. Aliás, se repararmos bem Maria Antonieta ocupa várias vezes a mesma posição que outras personagens ocupam na trama – principalmente quando somos colocados diante Agathe Sidonie Laborde, uma das vassalas que tem por função ser leitora para rainha. É pelo ângulo dessa personagem e do restante da criadagem que a narrativa se desenvolve.



Desconfiada da relação entre a rainha e a duquesa Gabrielle de Polignac, Laborde desenvolve pela ama uma paixão secreta que, na medida em que a trama avança é que vamos, primeiro, sabendo da confirmação das desconfianças suas, depois, compreendendo a esteira de planos idealizados e não realizados para nutrir seu interesse amoroso por Antonieta. O amor de Laborde nunca chegará ao sonhado pela personagem, como nada nesse território conseguirá se desenvolver o suficiente. O filme não se compromete. Não faz afirmações categóricas. Prefere preservar a desconfiança como elemento que sustém o olhar de vê tudo à distância. Tudo sempre para na alcovitice de algum criado ou no triste hábito da vigilância. Versalhes tem olhos e ouvidos que bisbilhota tudo por trás de portas, pelas expressões do observado e o que vemos é um extenso jogo de suposições muito bem desenhado.

A grande estratégia do filme, ver as personagens de um fato histórico pela via do olhar comum, integralmente preservado do princípio ao fim da trama é muito acertada. Como é também acertada o jogo irônico que escapa de algumas situações. Por exemplo, Laborde, sempre que está sempre em corrida para encontrar-se com a rainha, tropeça e cai pelo menos duas vezes, numa clara alusão à “capenguice” do amor irrealizado; o encontro de planejamento da fuga da duquesa muito bem encenado pelas atrizes num jogo de cumplicidade que só atiça os rumores de uma corte sobressaltada; ou, ainda enquanto tudo em Versalhes desaba – uns saem a roubar o máximo que podem para fugir dignamente mesmo sabendo que poderão ser pegos lá fora, outros desmaiam quando dão com seu nome estampado na lista de execuções – o confidente de Laborde, numa expressão bem brasileira, não está nem aí, chuta o pau da barraca, bebe todas, como se demonstrasse nessa atitude uma alforria do falso moralismo a que estavam há tempos condenados os franceses.

Parte da crítica terá considerado o filme demais cansativo. Há em alguns casos uma rapidez desnecessária e noutros uma morosidade igualmente desnecessária; as atuações se constroem muito teatralizadas e o triângulo amoroso não se desenvolve o suficiente. Todas as considerações do tipo são muito óbvias: as ações que têm maior morosidade são aqueles em que justamente está em jogo o amor entre as três mulheres, denotando o real interesse do diretor: atiçar suspeitas e curiosidades. As que seguem em rapidez são as que têm relação mais próxima com o evento histórico, como vimos, apenas pano de fundo da trama. A teatralização das atuações não se manifesta de uma ponta a outra da narrativa, mas nas cenas cujo foco é a corte, reproduzindo na urdidura do filme a própria forma de vida no Estado monárquico. E, por fim, o não-desenvolvimento do triângulo amoroso está relacionado diretamente com o que aquilo que vimos comentando – não se tem prova documental para justificar mais esse capricho de Maria Antonieta e o Benoît achou por bem ficar no terreno das suposições. Afinal, tudo são ficções, mas o que custa se deixar permitir aos tons realistas. E ficou bem da forma que foi feito. Que, em Adeus, minha rainha, nada se mostra, tudo está no território do velado.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter