Boletim Letras 360 #62

Em estúdio, o jovem Orson Welles em pose de hamletiando, de shakespereando. No decorrer do boletim, ouça áudios do cineasta lendo a obra de William Shakespeare

Depois de uma semana quase toda dedicada ao ofício de contribuir para avivar o aniversário de 450 anos de nascimento de William Shakespeare, a maior efemeridade de 2014, certamente, chegamos a mais um fim de semana e carregados daquilo que foi matéria em nossa página no Facebook; muita novidade sobre a obra e o bardo inglês também. Todas as honras, no entanto, são merecidas (muito merecidas!), afinal, Shakespeare é Shakespeare.


Segunda-feira, 22/04

>>> Colômbia: Gabriel García Márquez deixou inédito

Trata-se de um romance inacabado, segundo informou o diretor da divisão literária da editora Penguin Random House, Claudio López Lamadrid, também editor do escritor. O livro tem como título Em agosto nos vemos e sua publicação depende agora dos herdeiros do escritor. "Gabo estava a ponto de finalizar, mas não terminou por ser muito perfeccionista", afirmou Lamadrid. "Vinha sendo custoso terminar a obra e ele decidiu que ainda não era o momento de editar."

>>> Inglaterra: No mundo inteiro Hamlet

“To be or not to be” (Ser ou não ser), a expressão mais conhecida da língua inglesa, poderá ser ouvida a partir do dia 23 de abril, nos quatro cantos do mundo. Isso graças a uma aventura teatral sem precedentes conduzida pela companhia da Globe Theatre. O evento assinala a passagem dos 450 anos de nascimento do autor de Hamlet. São 205 países a receber uma breve encenação do texto do dramaturgo inglês. De avião, trem, barco, ônibus e outros meios de transporte menos convencionais uma equipe de 12 atores e quatro técnicos montará um cenário portátil em vários lugares, desde o ultramoderno Centro Nacional de Artes Cênicas de Pequim, a anfiteatros romanos, a praça central de Marrakesh... Uma produção pequena, mas de grandes ambições: ampliar a internacionalização da obra de Shakespeare.

>>> Portugal: 23ª edição da Revista Blimunda recupera discurso de José Saramago proferido na década de 1990

Numa data tão simbólica para Portugal, a Blimunda não poderia ficar alheia ao aniversário de 40 anos do 25 de Abril. Neste mês a revista dedica boa parte dos seus conteúdo à celebração da Revolução dos Cravos. Do acervo de Vasco Gonçalves, em depósito na Fundação José Saramago, recuperam-se 15 cartazes do 25 de Abril, acompanhados por frases de 15 convidados, de diferentes países, sobre o significado desse momento histórico. Sara Figueiredo Costa escreve sobre Os Rapazes dos tanques, de Alfredo Cunha e Adelino Gomes, um precioso registro da manhã em que a democracia renasceu. Há ainda espaço para "A Hora da Revolução: vinte anos depois", um texto escrito por Eduardo Lourenço em 1994, inédito em português, e para "O sabor da palavra Liberdade", discurso proferido por José Saramago em 1990. Na seção Infantil e Juvenil, o 25 de Abril está em destaque com um mosaico de obras revolucionárias publicadas antes de 1974. Andreia Brites conversa com as três editoras independentes que este ano marcaram presença na Feira do Livro Infantil de Bolonha com espaço próprio. A abrir este número, num dos poucos textos sem referência ao 25 de Abril, Sara Figueiredo Costa publica as suas impressões sobre a terceira edição do festival literário Rota das Letras, em Macau. Para baixar a edição, aqui.


Terça-feira, 22/04

>>> Brasil: Livro de Van Gogh ganha tradução para o português

As mais de seiscentas cartas que o pintor Vincent Van Gogh escreveu para seu irmão Theo, quem lhe prestou ajuda e apoio financeiro durante muito tempo é a fonte para O pássaro enjaulado, conto que a Editora Zahar publica em 2015. O texto conta a sua confusão emocional e de sua decisão a fim de encontrar um caminho que mudaria em definitivo sua vida.

>>> Brasil: Carlos Drummond de Andrade de todas as formas

Se julgarmos pelas vendas da sua obra, ele é um dos poetas mais lidos do Brasil. No país, há várias formas de contato com sua literatura. Depois do trabalho de reedição da Editora Record, a Companhia das Letras deu pulso a extensa publicação do conjunto de textos de Drummond. Isso ao mesmo tempo em que a Cosac Naify publicava textos inéditos, outros há muito fora de mercado e compilava uma antologia que reunia toda sua obra poética dos 10 primeiros livros no volume Poesia 1930-1962 – Edição critica. A Cia. ainda organizou parte de sua poesia num box. Agora, a editora Best Bolso apresenta no mesmo formato, mas em formato de bolso, a seleção de poemas que Carlos Drummond de Andrade publicou pela José Olympio em 1969. Originalmente a antologia trazia 10 livros de poesia; agora são 23 livros de poesia compilados em 3 volumes, que trazem títulos fundamentais para a literatura brasileira como Alguma poesia, A rosa do povo, Sentimento do mundo, Amar se aprende amando e Corpo. Ao todo são mais de 1 300 páginas.


Quarta-feira, 23/04

>>> Brasil: Inéditos de Samuel Beckett serão publicados em breve

“Echo’s Bones”, conto inédito de Samuel Beckett publicado na Inglaterra recentemente (cf. divulgamos aqui) chega ao Brasil ainda neste semestre pela Biblioteca Azul, da Globo Livros. Além do conto, o livro virá com introdução de Mark Nixon, um dos principais nomes que estudam a obra de Beckett. Traduzido como “Ossos do eco”, o texto foi escrito para integrar a coletânea More pricks than kicks, (outro título que a Globo Livros publica ainda este ano).

>>> Brasil: Companhia das Letras apresenta inéditos de Jane Austen e Charlotte Brontë

À primeira vista, Jane Austen e Charlotte Brontë parecem radicalmente opostas. Austen representa a elegância e a proporção neoclássica, parodiando excessos literários e criticando as fraquezas humanas. Brontë, por sua vez, imprime em sua escrita toda a paixão e a extravagância do espírito romântico, não raro com forte influência da fantasia. Numa época em que a literatura popular era considerada perigosa para a mente das jovens, a erudição precoce, a originalidade e a liberdade de espírito aproximam essas duas autoras. Ambas tinham como personagens centrais mulheres, sendo responsáveis pelos retratos mais marcantes de lealdade e dedicação feminina da literatura inglesa. E ambas constroem as suas heroínas como produtos do condicionamento feminino da época, cujas expectativas sociais eram muito restritas.  Austen e Brontë tiveram uma produção bastante fértil na juventude. Juvenília reúne textos que encontram uma espécie de equilíbrio no conflito entre a moral individual e social, criando heroínas complexas que se destacam por sua coragem e independência. O livro chega às livrarias até o fim de abril de 2014.

>>> Estados Unidos: Ouça Orson Welles lendo William Shakespeare

Antes de dirigir Cidadão Kane Welles já era famoso – um enfant terrible do rádio. É clássica a história acerca da adaptação de A guerra dos mundos, de HG Wells por ter aterrorizado a população estadunidense em 1938.  Durante o final da década de 1930, Welles e seu parceiro de produção John Houseman produziu uma série de trabalhos para a Broadway. A mais famosa dessas produções foi uma adaptação de 1937 de Júlio César, de William Shakespeare. Welles vestiu o elenco em trajes modernos; soldados foram equipados para parecerem nazistas. Apresentado num momento em que o poder de Hitler estava crescendo, a produção sacudiu o público americano e consagrou Welles. Mas, além disso, Welles adaptou muitos textos para o rádio. O Internet Archive postou muitas dessas gravações on-line, que você pode ouvir gratuitamente. A seleção inclui performances de Hamlet, Romeu e Julieta, Ricardo III, Macbeth e, é claro, Júlio César, entre outras. Na maioria dos casos, essas gravações - juntamente com algumas fotos de set são os únicos documentos deixados dessas produções inovadoras de Welles. Basta ir aqui


Quinta-feira, 24/04

>>> Brasil: Um dia para Jorge de Lima

A criação do Dia Jorge de Lima (a ser celebrado todo dia 23 de abril, data de nascimento do poeta) é uma ideia proposta por um grupo de admiradores do poeta, entre eles Claufe Rodrigues, Cacá Diegues, Maurício Melo Jr., Carlito Lima, Homero Fonseca, Mano Melo, Chico de Assis, Paulo Poeta, Ricardo Cabús, Claudio Willer, José Inácio Vieira de Melo e Mônica Montone.

>>> Brasil: Novo título de Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira

Depois do sucesso com o romance de estreia As visitas que hoje estamos, o escritor foi parar na Companhia das Letras. E pelo selo infantil publica O amor pega feito um bocejo, história de um menino e sua tia-avó gagá. O livro é publicado no segundo semestre deste ano.

>>> Brasil: O teatro de Gertrude Stein chega às livrarias

Gertrude Stein é autora de poemas, textos de ficção e peças teatrais. As produções desse último gênero, no entanto, é ainda muito pouco conhecida no Brasil, onde a maior parte das peças criadas por ela jamais foi encenada, ou sequer havia sido traduzida até muito pouco tempo atrás. Para preencher essa lacuna, tanto nos palcos como nas estantes, a editora Iluminuras acaba de lançar o livro O que você está olhando – Teatro (1913-1920), reunião de 18 peças de Stein, pela primeira vez traduzidas para o português. O trabalho ficou sob a responsabilidade das pesquisadoras Luci Collin, doutora em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês pela Universidade de São Paulo (USP) e professora do Departamento de Letras Estrangeiras Mo­­­­dernas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e Dirce Waltrick do Amarante, doutora em Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde também é docente dos cursos de Artes Cênicas e do programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução.

>>> Brasil: William Shakespeare on-line (e em português)

A cena cultural brasileira tem acompanhado as celebrações pelos 450 anos de William Shakespeare. Em Curitiba, por exemplo, um grupo de professores, alunos e técnicos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) lançaram um projeto de pesquisa e memória digital sobre a obra do bardo inglês. O Shakespeare Digital Brasil é uma reunião de textos, vídeos e podcasts que nasce com a proposta ambiciosa de ser o mais completo portal sobre o universo shakespeariano no país. Uma ideia que surgiu quando a professora Liana de Camargo Leão, da graduação e pós-graduação em Letras na UFPR, sentiu uma demanda crescente de alunos, professores e do meio teatral por informações sobre Shakespeare e quis trazer uma visão brasileira para o tema universal. Liana detém uma ampla pesquisa sobre o bardo e atua como editora do site Global Shakespeare, projeto colaborativo com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos. Entre os colaboradores, nomes importantes do teatro nacional, como Fernanda Montenegro, Maitê Proença, Diogo Vilela e Marco Nanini, cujas participações em vídeo são um “convite sedutor” para que a obra de Shakespeare seja mais frequentemente lida e melhor compreendida no Brasil. Todo o conteúdo do site foi desenvolvido em parceria com a equipe da UFPR TV, que vai “veicular os programas e depoimentos em formato de drops de cinco minutos, distribuídos nas redes de tevê universitárias federais”, explica o diretor da UFPR TV, Carlos Rocha. Para acesso basta ir em aqui.

Sexta-feira, 25/04

>>> Estados Unidos: O pequeno príncipe em 3D

Clássico entre adultos e crianças, o livro de Saint-Exupéry ganhará um longa de animação em 3D no próximo ano. Com data de lançamento prevista para 7 de outubro de 2015, na França, o filme será dirigido por Mark Osborne, mesmo diretor da consagrada animação Kung Fu Panda. Para dar vozes aos personagens um grande elenco já foi escalado, entre ele, James Franco e Benicio Del Toro. Porém, ainda não foi divulgado o papel de cada ator.

>>> Brasil: Livro inédito de João Paulo Cuenca vai virar filme

Já havíamos comentado por aqui sobre o novo título que está sendo escrito por Cuenca – A morte de J.P. Cuenca. O próprio é quem dirige e assina o roteiro do filme baseado no livro. A obra é inspirada em fato real, a morte de um homem que tinha o mesmo nome do escritor.  Enquanto escrevia o romance, Cuenca também fazia a conversão para o roteiro. As filmagens já começaram. Por enquanto, o filme não tem data de estreia. Já o livro, será lançado depois da Copa e durante a Flipesta Literária Internacional de Paraty (Flip), que neste ano, será entre os dias 30 de julho e 3 de agosto.

 ..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter