O estado do bosque, de José Tolentino Mendonça (Parte III)

Por Pedro Belo Clara.



Chegando à penúltima cena da peça que nos ocupou o discurso durante as últimas semanas, e recordando que a mesma tem por número o VI e por nome "Diálogo do sonho", testemunhamos a entrada da última personagem ainda não introduzida: O Destino. Que, a bem da verdade, é uma presença feminina, concepção essa muito provavelmente influenciada pelas lendas das Parcas (ou Moiras, segunda a mitologia grega), as três deusas tecedoras do destino humano.

Não estaremos diante de um novo solilóquio, pois a cena desenrola-se a par com John Wolf, regressado após a epifania existencial a que assistimos cenas atrás. No entanto, o episódio, acontecendo como num sonho, constitui uma espécie de “descida aos infernos” protagonizada por Wolf, o que poderá ser evidência que se estranhe tendo em conta a anterior cena onde entrou e tudo aquilo que aí aconteceu. É, portanto, natural conceber-se uma descida tal, vertiginosa e transformadora, antes de um momento de revelação; nunca o contrário. Mas, dispostos os sucedidos do modo que estão, poderemos aceitar o conteúdo da cena como uma espécie de teste que Wolf tem de ultrapassar – a derradeira tentação.

Iniciando-se no tom obscuro que é já seu apanágio, Wolf principia a cena em completa deambulação mental. Daí se retiram diversos momentos que, uma vez mais, irão instigar a meditação naquele que os acompanhar. Os mesmos, se os escutarmos e os sentirmos ribombar no âmago que nos assiste, revelar-se-ão ainda mais absolutos, ainda mais apurados, ainda mais lúcidos dentro da obscuridade que possam aparentar. Wolf ultrapassa o limiar conhecido e pisa os terrenos além-fronteira: «No escuro mais a fundo, no matagal espesso algo está mais vivo».

O discorrer prolonga-se:

«Nunca existiram viajantes, só existiu a viagem. Nunca demos um passo, a terra é que girou, a vida mudou de sítio (…). Nós somos fixos (…). Não existem navegadores: existe o mar. O mar que busca... Busca a viagem em nós»

Será quase caso para confessar a saudade já sentida pelo enigmático discurso de John Wolf... Não cativará ele a nossa admiração?

«(...) o mesmo escuro há milhões e milhões de anos ao nosso encontro... Nós não seguimos... somos seguidos... pelas estrelas?»

E é neste estado de decifração, onde Wolf apura os sentidos na tentativa de aclarar o que se lhe depara, que O Destino surge: «John Wolf... então és tu... és tu que arrastas inocentes para o bosque...». Desde logo se compreende como a nova personagem pode assumir o arquétipo de “demónio”, digamos assim, iniciando o seu discurso com a tentativa de minar a confiança de Wolf em seu trabalho e, por aí, ma opção de vida que assumiu – a base da sua existência. Compará-lo-á, inclusive, à aranha que aprisiona em sua teia os insectos que de alimento lhe servirão. Perante o sucedido, Wolf tentará se escapulir, evitando o encontro com possíveis verdades incómodas. Toda a insegurança da personagem é posta a descoberto.

O restante diálogo, algo longo, evolui na mesma toada, vincando sempre a intenção de O Destino levar John Wolf a admitir os seus reais motivos por conduzir pessoas até às profundezas do bosque em plena escuridão nocturna. A conclusão, ou a mera imposição, por parte do elemento tentador, da ideia que deseja sublinhar, é deveras interessante: «Julgas que não sei que é por vingança que levas os que vêem à escuridão... à tua escuridão, filho das trevas?». Concluindo, de seguida, o seu raciocínio com base num acontecimento da infância de Wolf, filho de um pai distante e de uma mãe que a cada dia se sentia mais só. Levada à loucura, a mãe correra na direcção de um bosque perto de sua casa, seguindo sabe-se lá que apelo oriundo de vozes que mais ninguém sabia escutar.

Será isso, afinal, que em cada um, e de cada vez que até eles viaja, John Wolf inconscientemente busca? Que espécie de guia, assim, será, levando outros para lugares que somente ele próprio anseia? É esta a base da tentação de O Destino, embora no término da cena se entenda o porquê de tudo isso: o ego da mulher de nome masculino sente-se ferido, e de igual modo intenta ferir John Wolf, baralhando os seus sentidos, levantando poeiras há muito assentes nas funduras do ser. A vingança que o acusa de engendrar é, no entanto, encabeçada pela própria delatora no auge do seu temor em perder o controlo que exerce sobre os Homens: «Eu avisei-te. Não rivalizes comigo». Isto levar-nos- á, a nós, leitores, a questionar muitas das assumpções que ao longo da cena foram sendo realizadas com base do discurso afiado de O Destino. Afinal, quem tem razão? A nova figura que surge para confundir Wolf ou o cego guia do bosque, libertador de Homens?

Ultrapassada a questão, eis que se nos depara o limiar da derradeira cena da obra que tem preenchido o nosso habitual espaço de discussão. Falamos da sétima – eterno número místico –, que invariavelmente só se poderia denominar de "Diálogo do bosque".

Finalmente em plena peregrinação pelo espaço mais falado ou subentendido em toda a peça, reúnem-se os elementos óbvios: os caminhantes Peter e Jacob e John Wolf, o guia. A cena desenrola-se de noite, ainda que Wolf disso não pareça fazer distinção, num instante, em primeiro momento, de espera. Aguardam Canopus, a estrela que lhes servirá de sinal de partida até às funduras do misterioso bosque. A referência astrológica, e de igual modo mitológica, não se despe de significado: o seu nome reevoca o piloto do navio de Menelau, quando este se lançou em busca de Helena de Troia. Referindo esta personagem, e sendo ela feminina, é possível que algumas das ideias antes expostas, quando debatida a cena a esta anterior, se reforcem no recurso a esta intencional alusão. Contudo, não é uma via exclusiva, a ser verdadeira. Wolf não procurará aqui a mãe perdida num bosque distante no limiar da demência. A sua condução de peregrinos faz-se de modo despojado e, por isso, destituído de intentos egóicos à percepção mais atenta, embora se possa aceitar que também o faça de forma a calcar um caminho semelhante àquele onde sua mãe se perdeu. Em acréscimo, conduz outros peregrinos ao âmago de si mesmos, até a Anunciação se tornar manifesta. Será expiação? Ou libertação? Para responder a essas questões entraríamos no frágil domínio da especulação, pelo que toda a reflexão deve simplesmente ser depositada nos braços de quem a quiser fomentar. O carácter é ambíguo. Que cada um, então, se por certezas se interessar, investigue por si e acalente a hipótese que lhe parecer mais clara.

Os princípios da cena desenrolam-se em ameno e circunstancial diálogo entre as personagens, todas as três, quase meta-linguístico em determinando momento. Muito levemente faz-se sentir a obscura linha de tom poético que Wolf em jeito espontâneo tão bem orquestra, linha essa que agora aparenta também estender-se às restantes personagens. Sinal fatídico, mas em luminoso sentido, que estão mais preparadas que nunca para concretizar a sua viagem? Certamente. É, no entanto, neste tom ora sereno ora brevemente poético que ambas dão conta do que afinal diante de si se desenrola, quando a dita estrela surge no céu nocturno:

Peter: Na região meridional do céu, o mundo parece abrir-se...
Jacob: Onde, onde?
John Wolf: Mais brilhante que o sol.
Jacob: É isso a terra que buscamos?
John Wolf: Em cada homem repete-se uma estrela, uma casa, um bosque.
Peter: Que estranho! Ainda não começámos a andar... a porta do bosque ainda não se abriu... e no entanto parece que já estamos a caminhar há muito tempo.
Jacob: Nada mudou, mas tudo é tão diferente...

É precisamente neste momento que a viagem se inicia. E os peregrinos sentem de pronto o apelo do que se manifesta diante de si, vibrando nas funduras de suas sequiosas almas:

Peter: Há como que uma esperança.
Jacob: Sinto-a. É um desejo de viver. Viver livre do nome. Livre do sangue. Livre da respiração.

«É a noite. É o bosque» – o chamamento surge, enfim. Um vazio, um nada anterior ao começo do mundo, a Origem em plena anunciação. Nada será como dantes. Como o poderia?

Jacob: (…) Faltam-me palavras para dizer o que vejo.

O entusiasmo é crescente nesta fase, e poderemos mesmo afirmar que o mesmo cresce de igual forma no leitor. As revelações sucedem-se em diálogos curtos, mas intensos. Deles, vamos acompanhando, como mudas testemunhas, o resultado das percepções de cada personagem perante a construção subtil da nova realidade (em especial daquelas que pela primeira vez peregrinam, pois Peter e Jacob assumem, a dada altura, o protagonismo da cena), uma revelação gradual acontecendo por intermédio de um suave movimento. E é Peter que alcança talvez a maior profundidade da significância de tudo aquilo, ainda que não se isente de dúvida: «É como um despertar. Há um despertar?».

De súbito, o acontecimento. Ei-lo, sem que ninguém o espere, embora para ele se tivessem aprontado há muito:

Jacob: Repara, repara... ali no verde argênteo do bosque...
Peter: Ressoa a luz.
John Wolf: Peter... Jacob... Digam apenas: Seguir-te-ei...

Na maior das renúncias reside a única revelação.

O restante ficará ao critério de cada um. Terá de o ser. A peça aqui se encerra, fazendo jus ao misticismo que a pauta desde o início. Não saímos da sala defraudados, certamente.



É deveras interessante explorar Tolentino no papel de dramaturgo. Conhecemos o seu traçado original e naturalmente transversal à maior parte da sua obra publicada. Porém, outros prismas se dão a conhecer e certos temas e aspectos aprofundam-se ou simplesmente adquirem um novo significado.

É curta a obra que retoma a herança de Perdoar Helena, o seu primeiro trabalho dentro do género (2005), não obstante as sete cenas que a erguem e o tempo de discussão que ocupou neste espaço de debate. Mas, como afirmámos em tantas ocasiões passadas, a substância que nela habita é esparsa e profunda, fértil em diversos caminhos de introspecção. O que certamente a enriquece e a torna um aprazível alvo de leitura – pelo menos para quem não teve a hipótese de a acompanhar presencialmente, no teatro. É verdade que as quebras do teor filosófico e enigmático do diálogo a aligeiram e, com isso, embora também sirva tal acto para auxiliar a caracterizar psicologica e comportamentalmente as personagens em causa, a peça absorve picos de uma certa inconstância que, de algum modo, tendem a diminuí-la. Felizmente, não são comuns. E, como dissemos, até se aceitam mediante o risco que propõem, ainda que se preferissem outros meios de concretizar a intenção da mesma abordagem.

Também as referências presentes em cada cena escasseiam, as que em trabalhos do género são habituais e fomentam aos olhos do leitor o enquadramento da cena e dos seus componentes. Eles existem, de facto, sempre que se sublinha uma fala que se quer murmurada ou uma reacção explicada, mas quase nada ficamos a saber sobre o espaço físico de cada cena, como se um enorme silêncio a rodeasse. Mesmo em pleno bosque nada se parece escutar, nem mesmo os sons naturais da noite que tomba sobre o lugar. Desconhecemos se essa omissão é propositada. Ou seja, se existiu no manuscrito da peça e se se removeu da versão impressa ou se nunca se pensou sequer esboçar tais referências. O silêncio que sugere proporciona uma ausência que eleva os próprios diálogos, como se surgissem dum vazio profundo. E tal efeito poderá muito bem ter sido intencional.

Tome-se o ponto de análise que se desejar, será facto indiscutível que diante de nós se apresenta uma obra em aparência breve e simples, mas que em si oculta riquezas ambíguas e fundas, prontas a serem descobertas. Não pelo lado intelectual do tema, mas pelo lado empírico, isto é, pela experiência directa, pela transposição do dito para a realidade pessoal de cada um. As palavras serão absorvidas, mas de pronto morrerão. São palavras, no fundo. Morrem a partir do momento em que são ditas ou escritas. Há, portanto, que ir para além delas. A obscuridade mística da obra é, por si só, um convite à realização de tal passo. Só assim o leitor poderá empreender a caminhada ao âmago do seu bosque, qual John Wolf reencarnado. Até que se depare com o que nunca julgou encontrar. E a derradeira das renúncias aconteça, enfim.

Ligações a esta post:
Leia a primeira parte deste texto aqui e a segunda aqui

***

Pedro Belo Clara é colunista do Letras in.verso e re.verso. Por decisão do editor do blog, nos textos aqui publicados preservamos a grafia original portuguesa. Nascido em Lisboa, Pedro é formado em Gestão Empresarial e pós-graduado em Comunicação de Marketing. Atualmente centrado em sua atividade de formador e de escritor, participou, com seus trabalhos literários, em exposições de pintura e em diversas coletâneas de poesia lusófona, tendo sido igualmente preletor de sessões literárias. Colaborador e membro de portais artísticos, assim como colunista de revistas e blogues literários, tanto portugueses como brasileiros, é autor dos livros A jornada da loucura (2010), Nova era (2011), Palavras de luz (2012) e O velho sábio das montanhas (2013) – sendo os dois primeiros de poesia. Outros trabalhos poderão ser igualmente encontrados no blogue pessoal do autor – Recortes do Real (artigos e crônicas diversas).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

As palavras interditas, de Eugénio de Andrade

O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez