Jack London, vozes do além



Se o gênio saísse da lâmpada e nos desse a possibilidade de pedir estes três desejos que só ele pode conceder, cada um teria seguramente ao menos um ente muito querido, desses que nos marcam com sua partida, com quem gostaríamos de trocar as últimas palavras, os últimos olhares, antes do adeus. É esse impulso o que nos leva, ante uma perda importante, à sua fotografia, sua última mensagem de telefone, ou qualquer coisa que signifique um rastro seu.

No último filme de Ariel Rotter, Luz incidente, com fortes toques autobiográficos, Luisa (Erica Rivas) cheira com intensidade a camisa de seu companheiro recém-falecido para tentar reter através do cheiro que deixou aí algo dele. Volta ao lugar do acidente para buscar, entre outros restos dispersos, algo sem o qual não pode continuar respirando, nem seguir adiante. Eram os anos 1970. Hoje recorremos à técnica na procura desses restos dispersos.

No último dia 22 de novembro passaram-se 100 anos da morte do romancista Jack London – efemeridade pouco lembrada; obras suas, reconhecidas, como Caninos brancos (1906) e O chamado da floresta (1903) seguem alimentando a imaginação de incontáveis gerações de leitores. Em 2001, chegou ao Brasil uma reedição de uma antologia de contos que contêm relatos marcados pelas experiências do escritor em Klondike, Canadá, onde esteve na busca do ouro, e outros mais contestatórios, que, reafirmam-no entre um desses contadores de história já quase peça rara na atualidade.

Um programa dedicado à ciência, da emissora italiana Rai Ter marcou a data do centenário lembrando o trabalho pioneiro do físico Carl Haber, quem juntamente com o biógrafo do autor de Caninos brancos, Alex Kershaw, passou três anos na elaboração de um projeto cujo interesse é revelar a voz do escritor a partir das gravações que haviam sido realizadas em 1915: London utilizava um aparelho que podemos dizer ser uma espécie de gravador de voz: composto, então, por um cilindro de cera, onde registrava suas cartas que depois eram transcritas por um datilógrafo.

A gravação recuperada reproduz a resposta do escritor ao poeta Max Ehrmann, quem lhe perguntava, em carta anterior, se o que contava no livro O andarilho das estrelas sobre as condições nas prisões estadunidenses eram verdade. O escritor que vagou pelos Estados Unidos no início do século passado, foi aventureiro em busca de ouro no Canadá, correspondente de guerra, caçador de focas na Sibéria, marinheiro, esteve várias vezes preso tanto por suas vigorosas ideias socialistas como por sua condição de transeunte sem emprego e sem residência fixa, respondeu o que agora se pode ouvir muito bem:

“Querido Max Ehrmann:

Só uma rápida carta, antes de partir para o Havaí. Só quero lhe contar que tudo relativo às prisões da Califórnia no romance O andarilho das estrelas é verdade. Ed. Morell é um homem de verdade, e Edward Morell é seu nome verdadeiro. Tinha uma sentença de cinquenta anos e passou cinco deles numa solitária, como descrevi. Há dois anos Jake Oppenheimer foi executado na Califórnia por assalto e resistência à autoridade. Só posso repetir que o que descrevi é corriqueiro na Califórnia até o ano de 1913. Não sei o que aconteceu depois disso.

Se alguma vez chegar a ler um livro meu intitulado A estrada, em que dou algumas pistas sobre minhas experiências, poderá observar que no centro penitenciário do condado de Erie, em Buffalo, Nova York, preferi não dar grandes detalhes de boa parte do pior que vi. O que encontrei ali era impublicável, quase impensável. Ainda estou intrigado por saber de que maneira pude afetá-lo à maneira como tratei a situação de Cristo em Jerusalém”.

Sua voz parece vinda do além. Algo que teria sido perfeitamente verossímil para os pais de Jack que eram praticantes do espiritismo. No programa é possível, além de ouvi-lo, compreender melhor sobre as referências que dão forma ao conto “Acender um fogo” e ao filme Na natureza selvagem, em que o ator Sean Penn recupera, como diretor, uma história real que poderia ter sido, precisamente, a de uma personagem de London, ou a dele mesmo.

Ligações a esta post:
>>> No Youtube está disponível a primeira frase da carta a Max Ehrmann




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter