A pedagogia em tempos de ódio

Por Rafael Kafka



Soube que o Movimento Escola sem Partido ganhou na justiça o direito de anular o critério do ENEM na correção das redações do certame o qual zera todas as composições que firam os Direitos Humanos. Com o choque, vi-me novamente com meus 17 anos tentando a prova pela primeira vez e lendo os critérios da redação, que naquele ano tinha o tema do poder transformador da leitura. Quando olhei a parte que falava da redação não poder ferir os Direitos Humanos, tive uma reação de repulsa, nada comparada a nenhuma das reações que hoje pululam nas redes sociais, mas ainda assim muito curiosa para o meu eu de hoje.

Fui criado com muita influência dos programas sensacionalistas, principalmente depois que a faixa de desenhos do SBT, no começo da tarde, passou a ser trocada por novelas mexicanas das mais insuportáveis, as quais levaram minha família a cultivarem programas com jornalistas sem formação intelectual alguma pregando a limpeza da população pobre sob a forma de jargões como “bandido bom, bandido morto”. Todo dia eu ouvia um ataque contra o segmento dos Direitos Humanos e passei a imaginar esse ramo do direito como um monte de caras que surgia do nada e atrapalhava a polícia de fazer o seu trabalho no sentido de proteger a sociedade.

Quando li essa expressão na prova do ENEM, pensei que estava diante de um empecilho forte no sentido de tirar uma nota boa, pois teria de defender algo que me soava então muito absurdo. Afinal, eu teria de defender bandidos se quisesse tirar uma nota boa. Ao pegar a nota da redação, na qual eu pensava que tiraria uma nota próxima de mil, vi uma nota extremamente baixa que cujos motivos levei anos para entender. Naquele momento, provavelmente, eu pensei que tudo era culpa dos malditos Direitos Humanos, pois não consegui defender bandidos dentro de uma prova de redação com o pomposo tema sobre o poder de transformação da leitura.

Logo eu, jovem cidadão de bem pobre e falido que usava a literatura como válvula de escape tirar uma nota daquelas era um desrespeito. Hoje em dia, provavelmente vociferaria sobre o quanto a esquerda estava me cerceando, mesmo sem entender muito bem o que era esquerda naquele período. Demorei anos a entender o que é esquerda e a me tornar um cidadão à esquerda e demorei um período considerável também para entender que eu na verdade não sabia o que eram os tais Direitos Humanos e muito menos pegaria uma nota decente na prova de redação sem uma solução para um problema apresentado, algo muito importante para um texto redacional desse certame.

Pois se eu falava do poder transformador de leitura, havia ali também um problema implícito: o da falta de acesso à leitura por muitos adultos e jovens. A minha proposta de intervenção respeitando os Direitos Humanos poderia ser algo no caminho na defesa da construção de maiores espaços de leitura, bem como na valorização dos profissionais dessa área, assim como uma maior possibilidade de distribuição de edições baratas de livros ao público mais humilde. Tais propostas respeitam os Direitos Humanos ao garantirem aos jovens e adultos o acesso à educação formal e informal, bem como ao prazer do texto, algo tão negado às camadas mais pobres.

Demorei muito tempo para entender que direitos humanos são os direitos mais básicos que qualquer pessoa pode e deve ter: comida, saneamento, água potável, moradia, escola, saúde e arte. Direitos humanos quando representados pelos caras sensacionalistas da televisão na verdade são uma metonímia, uma parte representante de um todo, um má-fé descabida de quem está a serviço da guerra às drogas, por exemplo.  “Defender bandidos” na verdade é a deturpação de uma atividade que visa garantir a todos, inclusive a um condenado, os direitos básicos mencionados acima, como condições humanas em espaços onde deve haver ressocialização e não uma imitação de masmorras antigas feitas para apodrecimento de pessoas.

Agora imaginemos um cenário não tão difícil assim de ser imaginado: adolescentes e jovens querem entrar nas universidades mais concorridas do país. Os seus hábitos de leitura são muito limitados, quase sempre regidos por vídeos do Youtube ou textos rasos de redes sociais. Sua escrita é pobre e eles vivem levando bomba em provas de redação na escola e falham diversas vezes no Exame Nacional. Ao mesmo tempo, temos uma mídia que é herança da ditadura militar no tocante ao discurso criminalizador da esquerda brasileira e tudo o que há de errado no país se torna culpa da esquerda. Por osmose, tudo o que soa como defesa social e coletivização, seja de terras ou de representatividade, vira uma bandeira de esquerda – ou, pior, uma bandeira comunista – entrando nesse bolo os Direitos Humanos. Esse jovem, em especial se for homem de masculinidade bem frágil e afirmada a brados histéricos com vocabulário chulo, provavelmente verá a prova do ENEM como um grande antro de pensamento esquerdista quando na verdade ali há debates os quais devem estar além e aquém de qualquer rótulo espectral político.

Lembremos que países comunistas mataram judeus e homossexuais, bem como diversos países capitalistas o fazem até hoje por meio de discursos conservadores que se propagam sem oposição forte de governos tidos como liberais e laicos. Lembremos que grupos de esquerda, como as FARC, cometem estupros e tortura, assim como os Estados terroristas que enfrentam. Talvez eu seja acusado de relativismo nesse ponto, mas o que quero afirmar é que direitos humanos são algo que não são de esquerda ou de direita. Um pensador de esquerda pode defender um programa de renda mínima para garantir ao pobre o mínimo necessário para ter o que comer e vestir, enquanto o de direita pode ver nisso uma forma de aquecer o mercado e de gerar um novo empreendimento: o bem social pode e deve ser visto por cada um dos espectros, inclusive discutindo estratégias que quebrem a ortodoxia dos dois lados no sentido de se criar um estado de coisas mais justo – pois sei que liberais de verdade não culpa o Estado em si pelo que há de ruim e sim o corporativismo que esmaga inclusive pequenas empresas.

Assim, o que ficou evidente em pensar novamente em mim com meus 17 anos fazendo aquela prova é que a falta de conhecimento de um conceito pode levar a muitos problemas sérios, bárbaros.  A crimes mesmo. De repente, agora comecem a pulular nas redações jovens defendendo atrocidades terríveis, os quais podem e devem ser denunciados a órgãos competentes. Mas mais do que isso, o apoio que o Movimento Escola sem Partido – que sabemos muito bem ter partido (s) – mostra como o desconhecimento de noções básicas de direitos humanos está prejudicando a ordem social por meio do pensamento reacionário o qual recrudesce a cada momento. Tal pensamento é formado por pessoas que sabem do que estão falando, mas se aproveitam de seres que não têm noção da profundidade dos debates e acabam, por medo, raiva, reproduzindo fascismo e senso comum.

A pedagogia se mostra cada vez mais necessária em nossos tempos. Os discursos provocadores na forma de arte e esclarecedores na forma de visões objetivamente postas são uma meta constante para quem busca, por meio da reflexão, a criação de um meio social menos hostil ao debate e à diferença. A demonização da esquerda e de qualquer pauta que soe de esquerda, quando deveria ser humanista, é culpa de um sistema educacional e midiático o qual ainda reproduz muitos discursos vazios com o intuito de gerar certezas prontas e temores. Somente com a desconstrução de conceitos tão enraizados em nosso cotidiano é que absurdos como o de ontem e a repulsa sentida por mim aos meus 17 anos, já um grande leitor, podem não ter tanta força dentro de nosso modo de vida em sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter