Da ternura

Por Guilherme Mazzafera

Jean-Michel Basquiat


Perdura a ternura?  Ou esvai-se, oblíqua, no meneio do relâmpago?

Há pessoas que a perdem pelo caminho, sobrando, quem sabe, esmigalhado resíduo, como no rufião de Drummond. Seria ela, ternura, disposição anímica?

Terno: aquele que inspira afetos ou que porta, no corpo, uma tristeza esgarça, desvanecida?

Terno: vestimenta rígida, compulsória em casamentos e velórios, nos quais se vela a disposição pública de sentimentos. Rigor mortis aeternus.

Em verdade vos digo, sem ternos não haveria carpideiras.  Suit up, diz obsessivamente um personagem de How I met your mother. Suit, verbo, traz em si o fole da adequação – juntas de bois em uníssono? –, mas, em outro, o clamor por justiça. É querela, contenda com o eternizado desencanto do mundo.

Ternura – Tenrura: simples inversão de sons, mas que enrola a língua, dizendo em volteios do que é fresco, viçoso, mas também delicado. A ternura, quando emerge, é tenra. Mas há algo de ter-ror em ten-ro, na maciez da carne jovem, estilada pelo garfo sedento.

Terno é, ainda, tríade que harmoniza vozes com distâncias e pontos de fuga distintos.

Armemos o desenho do acorde:

Tônica (G)

“Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens ?”, pergunta um Guimarães Rosa devassador de zoológicos europeus, indagador da alteridade animal, do Burrinho Pedrês ao onceiro-onça sobrinho do Iauaretê. Mas há, ainda, um outro Rosa, menos transfigurado, em textos-ensaio nos quais a dúvida sobre a demarcação de fronteiras do outro é convertida em matéria expressiva. No seu truncado colóquio com o vaqueiro Mariano, o desejo de dar voz ao outro, sob a constante suspeição do silenciamento, torna-se entrave constitutivo: “A verdadeira parte, por quanto tenhas, das tuas passagens, por nenhum modo poderás transmitir-me. O que a laranjeira não ensina ao limoeiro e que um boi não consegue dizer a outro boi.” A ternura nasce do interdito? Nasce, talvez, gesto composto, do reconhecimento do que, no outro, é intratável: “Também as estórias não se desprendem apenas do narrador, sim o performam; narrar é resistir”.

Terça (B)

Manuel Bandeira, poeta da ternura, evoca-a como imagem possível do que escapa ao homem, não tanto “da vida que podia ter sido e que não foi”, mas como empatia subterrânea, elevada à voz, “pelos poemas que não consegui realizar”. O sumo de que sua obra é símbolo fala daquele grande coração, transverberado pelo amor das pequenas coisas preci(o)sas: a estatuazinha de gesso, vincada pela vida; o porquinho da índia, namorada primeira. Mas fala, também, de grandes e irredutíveis coisas: o imenso boi morto, pervagado pelos arrulhos do rio; o cacto feraz, dissolvendo, em queda altiva, a precariedade do mundo organizado.

Quinta justa (D)

Há, ainda, a profunda ternura de Dom Quixote que é, no limite, amor precípuo pelo próprio gesto ficcional, capaz de enxergar no outro o que ele poderia ter sido em seu âmago, e não aquilo que o mundo amesquinhara. Na segunda parte do romance, o potencial criador da ficção, o próprio engenhoso cavaleiro, é revertido em gozo sádico do outro, leitor da primeira parte e que agora estende a lona para escarnecer do próprio ficcionista do ideal. Ao desencantar-se e, daí, morrer, há em Dom Quixote uma permuta, da ternura por sua prima má, a cordura, em sua acomodação à prudência e à sensatez. A ternura é, ainda, disparate, esconjuros de nigromantes.

A ternura, plasmada em narrativa, é, hoje, resistência. Cabe enternecer a palavra, multiplicando-a, mas desabonando sua rigidez de dicionário. Mesmo no mais desencantado dos escritores há amor pela vida: seus laivos. [Acrescentemos uma décima primeira, levemente dissonante, C] O próprio Brás Cubas, defunto autor, expedia capítulos para este mundo. Ameaça o leitor com piparotes, repreende-lhe a frivolidade e acusa-o de defeito supremo do livro. Mas nunca o esquece.
Toquemos o acorde: G B D C

Ternura é sutura: enlace esmaecido entre o eu e o outro que, provocado pelo que é vivo, ricocheteia sangue, aquarelando a cicatriz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325