Frantz, de François Ozon

Por Pedro Fernandes



A beleza de Frantz não está na impecável fotografia preto e branco. Não está na narrativa seguramente bem construída e marcada por um controle extremo do caudal de emoções tão variado quanto pesado. Nem no drama dos sentimentos que carregam suas personagens. Está na terrível atualidade dos sentimentos aí evocados. Terrível porque sendo um filme que trata das cicatrizes da Primeira Guerra Mundial era de esperarmos que boa parte delas já tivesse sido superada de um todo tantos anos depois. Mas, tantos anos depois e ainda passado outra guerra de maior proporção, a intolerância entre povos, raças e culturas – para citar o principal dos sentimentos presentes nesta obra – parece ainda ser a mesma; ou ainda pior, se consideramos que mesmo o passado de proporções catastróficas não parece ter servido de lição.

Frantz é o nome de um jovem alemão que seduzido pelo discurso patriótico e heroico premente no seu tempo – incutido pela propaganda militar e pelo incentivo do pai – vai para o front. Como muitos jovens soldados que vão à guerra, deixa para trás, ou adia, todo um projeto de vida e sonhos que, no seu caso, é interrompido; Frantz morre num dos combates em território francês. Sua morte e a de muitos outros combatentes funciona como contínuo alimento ao ódio entre nações, o combustível, portanto, para a manutenção da matança de ambos os lados do conflito e para o cultivo de uma sorte diversa de intolerâncias.

Assim, todo pós-guerra se sustenta por pelo menos duas questões: o que faz um país quando não está em guerra, isto é, como recompor as feições sociais de antes de instaurada a preocupação contínua pela sobrevivência; e como desfazer as intolerâncias que são sempre pequenos focos de resistência capazes de perdurar as raízes do confronto noutra esfera mas curtidas pelo mesmo ódio que sustinha a guerra e por isso mesmo pode ser um fator favorável a novos desenlaces de mesma proporção dramática.

É o solo minado do pós-guerra onde pisa a narrativa do filme de François Ozon. A chegada do ex-combatente francês Adrien ao vilarejo onde viveu o amigo morto no front é o mote no qual a história se apoia. Na clara homenagem que o cineasta francês presta ao filme estadunidense de Ernst Lubitsch, Não matarás, é a mesma linha dessa narrativa que aí se preserva, isto é, a da peça francesa escrita por Maurice Rostand, texto primeiro que antecede as leituras cinematográficas. A partir da descoberta do jovem, no túmulo de Frantz, uma série de segredos serão paulatinamente revelados, sendo que um dos primeiros (e principal) enfrentamentos que ele precisará vencer são os magoados e endurecidos sentimentos da família do alemão.

É interessante de sublinhar a maneira como essas barreiras individuais da intolerância são cedidas: Adrien, do inimigo que sobreviveu a morte sobre a vida de Frantz, aos poucos se torna uma possibilidade de retorno à vida passada, de quando o alemão estava vivo. Assim, os da família de Frantz são convencidos de que o francês se não substitui o filho morto é uma projeção daquilo que seria se vivo estivesse. Agora, essa ilusão restauradora é dada através de um corte ficcional, porque o francês tem consigo todos os motivos para que o ódio mortal dos alemães pelos franceses tenha sentido.

Aqui, Ozon segue a máxima de que, em condições de frágeis linhas de restabelecimento da paz, a ilusão (não a mentira) é uma necessidade. Não apenas isso – mas que, nenhuma relação se mantém se não adoçada pelo colorido da ficção. E esta vida possível é exatamente mostrada dessa maneira em Frantz, em cores. A produção trabalha exatamente com duas palhetas de cores no intuito de deixar clara essa percepção, como usa da variável de enquadramentos. Isto é, este é um filme interessado em compreender como a narrativa influencia na estrutura e na forma – um tratamento que reafirma a posição de um cineasta atento ao processo criativo e as implicâncias dos efeitos suscitados pela narrativa no espectador. Frantz propõe que as verdades são sempre muito caras e ressalta a importância da ficção no alisamento das ásperas fronteiras.

O tema da guerra, apesar de não ser o assunto direto da narrativa, está em toda parte: no luto da família de Frantz, no espírito perturbado de Adrien, nas discussões entre os membros do grupo patriótico do qual faz parte o pai de Frantz – um forte adendo das fagulhas que resistiram dentro e fora da Alemanha pós-Primeira Guerra e mais tarde se tornaram favoráveis ao levante dos nacionalismos desbragados, dos fascismos e da era sombria e de aguda intolerância que daria na Segunda Guerra Mundial e no nazismo, este mal do qual não foi possível ser expurgado de um todo depois de 1945. Eis mais tons de como Frantz, apesar de se referir a um contexto específico, é assustadoramente próximo de nosso tempo.

E a mensagem – se o espectador buscar encontrará muitas mais que esta – é a de que a intolerância e o ódio gratuito não levam a lugar algum. Se o confronto pode servir de um divertimento para os que estão no comando da situação, essa brincadeira de mau-gosto se constrói da dor irreparável dos que perdem seus entes queridos e da miséria de uma gente que em nada tem com os confrontos. Frantz é uma linha a mais no extenso discurso antibelicista cujo fim não pode chegar porque o conflito é uma das fatalidades autoimpostas pela raça humana. Ozon se utiliza das implicâncias individuais do conflito reafirmando, assim, o poder avassalador e o vazio das guerras e o perigo dos ódios gratuitos.

Nesse sentido, Frantz é uma narrativa que nos ensina a necessidade de superar as chagas mais vergonhosas que nos iguala por baixo à mesma selvageria do bárbaro que tanto o espírito da razão soube criticar, debochar e recusar. Se não formos capazes de fazer isso pelos vivos, que ao menos possamos fazer pelos mortos, estes que, tal como Frantz, movem todas as existências dos vivos porque nos cobram a necessidade de não morrerem outra vez quando nos acusamos dos mesmos ódios e nos matamos pelas mesmas barbaridades.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Sete pontos da filosofia da composição de Edgar Allan Poe

Boletim Letras 360º #285

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286