Los Angeles - cidade proibida, de Curtis Hanson



Um detetive de moral duvidosa (Kevin Spacey), sempre disposto a vender informações a quem pagar mais. Outro, de atributos físicos avantajados (Rusell Crowe), está habituado a conseguir informações por meio de violência. Um terceiro policial (Guy Pearce) é o oposto: honesto e idealista. Há ainda uma loira estonteante, fatal e misteriosa (Kim Basinger). Quatro pontas que sustentam uma trama repleta de reviravoltas e detalhes obscuros elucidados apenas no final, embalada por trilha sonora do cancioneiro norte-americano. Parece até um daqueles noir do cinema clássico americano estrelados por Humphrey Bogart, mas Los Angeles - cidade proibida é de 1997.

Dirigido por Curtis Hanson e inspirado no romance homônimo de James Ellroy, autor também de Dália negra (base para o longa de Brian De Palma) e papa da literatura policial contemporânea, o filme chamou atenção por seu gostinho de naftalina e por lembrar aos cinéfilos que Hollywood já foi espaço para tramas inteligentes e imprevistas, diálogos espirituosos e grandes atuações, mais do que efeitos especiais mirabolantes. Destaque para o roteiro, para a reconstrução dos cenários e da atmosfera da década de 1950 e para o choque provocado pelos temperamentos distintos dos três policiais, cada um com sua maneira de resolver os problemas. Los Angeles - cidade proibida foi indicado a nove Oscar em 1998. Ganhou apenas os de Roteiro Adaptado e de Atriz Coadjuvante (para Basinger, que levou ainda o Globo de Ouro na mesma categoria). Havia, naquele ano, um fenômeno chamado Titanic.

* Revista Bravo!, 2007, p. 103.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath