Assim caminha a humanidade, de George Stevens





Saga retrata contraste de valores no Texas e registra o terceiro e último desempenho de James Dean

Assim caminha a humanidade é o terceiro título da série de George Stevens que retrata a formação da sociedade americana (os anteriores são Um lugar ao Sol, de 1951 e Os brutos também amam, de 1953). O filme de 1956 acompanha a vida de um grande proprietário de terras e criador de gado do Texas, Jordan Benedict (Rock Hudson), e de sua esposa, Leslie Benedict (Elizabeth Taylor), ao longo de mais de 20 anos, passando pelo nascimento de seus filhos e de seus primeiros netos.

Como no livro de Edna Ferber, no qual foi baseado, a descrição da vida da família texana reflete, em paralelo, a história do governo, da economia e moral locais. Assim, ao fazer o retrato do fazendeiro poderoso, conta-se como se deu o crescimento do petróleo como centro da economia do estado. Também são discutidos os valores tradicionais do protagonista contrapostos, em geral, aos da esposa, originária do leste americano. Entre eles, o lugar público da mulher na sociedade, a importância da hereditariedade nas relações de poder e a declarada discriminação contra os imigrantes mexicanos. Logo que foi às telas, a revista Time o considerou o filme mais contundente contra a intolerância racial da história do cinema. Enquanto o resto dos Estados Unidos o público aclamou a obra, no Texas houve diversas manifestações de repúdio, e a autora do romance, Edna Ferber, chegou a receber ameaças de morte.

Em entrevista recente, George Stevens Jr, filho do diretor, que participou das filmagens, ressaltou o fato de que os valores texanos discutidos ainda são vigentes,o que faz do filme ainda mais interessante para o expectador contemporâneo, em particular por George W Bush, presidente dos Estados Unidos, ser originário desse estado.

* Revista Bravo!, 2007, p.55

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Os segredos da Senhora Wilde

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea