Novamente, Ferreira Gullar



O poeta Ferreira Gullar em seu escritório em Copacabana. Foto de Tomás Rangel para o Portal Saraiva



Segundo nota publicada no mês de setembro deste ano na coluna Gente Boa, e de que se agora tomei conhecimento, enquanto fazia uma ronda pela internet para um post sobre o poeta maranhense, Ferreira Gullar entregou, por esta época, a Maria Amélia Mello, da editora José Olympio, os originais de O homem como invenção de si mesmo. Provavelmente este será o seu próximo livro; trata-se de um monólogo em um ato.

Em julho, o poeta, em seu apartamento em Copacabana, Rio de Janeiro, deu uma entrevista para Bruno Dorigatti e Ramon Mello do Portal Saraiva. Na entrevista, Ferreira Gullar volta a São Luís, sua terra natal e relembra sua infância; fala do contato com a poesia, da busca pela subversão linguística, do Poema enterrado, dos anos de exílio e do momento atual, aos 80 anos, ganhador do Prêmio Camões e em ainda em pleno vapor nas suas atividades. Os vídeos a seguir são de duas entrevistas que o poeta deu ao Portal Saraiva - estão publicados na página em que se pode ler o texto dos jornalistas e ainda ver e ler um inédito do poeta (Aqui).






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

O Estrangeiro, de Albert Camus

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Incêndio de This Is Us e Manchester à Beira-Mar na poesia brasileira