Novamente, Ferreira Gullar



O poeta Ferreira Gullar em seu escritório em Copacabana. Foto de Tomás Rangel para o Portal Saraiva



Segundo nota publicada no mês de setembro deste ano na coluna Gente Boa, e de que se agora tomei conhecimento, enquanto fazia uma ronda pela internet para um post sobre o poeta maranhense, Ferreira Gullar entregou, por esta época, a Maria Amélia Mello, da editora José Olympio, os originais de O homem como invenção de si mesmo. Provavelmente este será o seu próximo livro; trata-se de um monólogo em um ato.

Em julho, o poeta, em seu apartamento em Copacabana, Rio de Janeiro, deu uma entrevista para Bruno Dorigatti e Ramon Mello do Portal Saraiva. Na entrevista, Ferreira Gullar volta a São Luís, sua terra natal e relembra sua infância; fala do contato com a poesia, da busca pela subversão linguística, do Poema enterrado, dos anos de exílio e do momento atual, aos 80 anos, ganhador do Prêmio Camões e em ainda em pleno vapor nas suas atividades. Os vídeos a seguir são de duas entrevistas que o poeta deu ao Portal Saraiva - estão publicados na página em que se pode ler o texto dos jornalistas e ainda ver e ler um inédito do poeta (Aqui).






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Poesia e metalinguagem em A palavra algo, de Luci Collin

Sagarana: meandros de uma estreia

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #329

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Sete escritoras italianas além de Elena Ferrante que você precisa conhecer