Moacyr Scliar



Moacyr Scliar de Porto Alegre. Formado em medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi professor visitante na Brown University e na Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

A literatura entra na sua vida desde seu batismo: Moacyr vem da personagem homônima filho da dor em Iracema, de José de Alencar. Se os nomes carregam parte do destino das pessoas, conforme acreditava o escritor, aí está a base de tudo. Seu primeiro livro publicado data de 1962. Histórias de médico em formação é um livro de contos baseados em sua experiência como estudante. Seis anos mais tarde é publicado o livro que Scliar, tem considerado com sua primeira obra literária, o também livro de contos, O carnaval dos animais.

Escritor polígrafo, a obra de Scliar é vasta: perfaz um conjunto de mais setenta livros traduzidos em mais de vinte países e produções  em vários gêneros: romance, conto, ensaio, crônica, ficção infanto-juvenil. Além do que, foi escritor assíduo para a imprensa brasileira em jornais com o Zero Hora e Folha de São Paulo.

Na página do escritor na Academia Brasileira de Letras, onde Scliar era membro desde 2003, Luiz Antônio Assis Brasil assim define a obra do escritor gaúcho: "Cada leitor da obra do Scliar tem seu gênero preferido. Mas todos reconhecem nele, acima de tudo, seja na ficção, no ensaio ou na crônica, um estilo altamente humanista, que o torna dono de valores universais".

Entre suas obras mais importantes estão os seus contos e os romances O ciclo das águas, A estranha nação de Rafael Mendes, O exército de um homem só e O centauro no jardim, este incluído no rol dos 100 melhores livros de temática judaica dos últimos 200 anos, feita pelo National Yiddish Book Center nos Estados Unidos.

O escritor morreu em 27 de fevereiro de 2014.


* Texto atualizado em 27 de fevereiro de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286

J. P. Donleavy: Um safado em Dublin

O Estrangeiro, de Albert Camus