Toda a poesia, de Paulo Leminski

Paulo Leminski. Foto: Dico Kremer



Paulo Leminski. Não é necessário revirar muito a web para ler e saber sobre o poeta nem é preciso ir muito longe também para encontrar um verso, uma frase, um poema, qualquer coisa que seja de sua autoria. Confirma-se hoje o que há muito nunca se suspeitou: Leminski está já entre os grandes poetas brasileiros. Dizemos isso porque o escritor foi apresentado na cena literária como sendo fazedor de uma literatura menor, isso ao lado de nomes como Ana Cristina Cesar, Chacal, Cacaso, entre outros.

O grupo, entretanto, contribuiu para ‘desinfetar’ o lugar do poema no Brasil. É que, mesmo depois da virada modernista quando a poesia ganhou outras feições e saiu do lugar do empolado, que fazer verso ainda era coisa de ‘iluminado’; a poema ainda era o texto dado para poucos e sua circulação feita em espaços próprios. Noutras palavras, despojou-se o verso, mas o poema permaneceu de paletó e gravata – estamos pensando aqui em nomes como o de Carlos Drummond de Andrade. Então, os marginais reinventaram o lugar do poema; era de bom tom levar o poema qualquer parte, já que é em qualquer parte está a poesia, como sondou o próprio Cacaso numa de suas entrevistas.

O resultado da empreitada parece surtir efeito somente hoje; o poema marginal, caído nas graças do grande público, se firma como o mais lido, comentado e compartilhado na web. Se o mimeógrafo foi no seu tempo o grande símbolo de reprodução para distribuição da poesia nesses lugares não convencionais, agora, em tempos de crise do papel, por toda política ambientalista, e o modismos dos espaços virtuais, o computador vai se firmando como o suporte contemporâneo para expansão da política marginal e tem servido mesmo como base descentralizadora do fazer poético. A febre Leminski é, portanto, algo não gratuito. Talvez porque só agora lhe deram ouvidos podem ver-ler a grandiosidade do que os poetas dessa geração fizeram. No caso do poeta de Curitiba, o verso curto, o poema brincalhão, zombeteiro, o trocadilho que desestabiliza o sentido da palavra, ou mesmo o comedimento de outra boa parte das vezes têm servido como contribuição para que sua obra tenha caído no gosto popular.



Marcando esse reconhecimento é que chega às livrarias até o fim de fevereiro, um catatau, que não é romance de mesmo nome escrito por ele, mas uma antologia com mais de 600 poemas de Paulo Leminski, já intitulada Toda poesia e anunciada pela mídia como um dos grandes acontecimentos literários de 2013 no Brasil. Não apenas pela popularidade do poeta, mas a obra vem oxigenar o mercado livreiro sobre poesia que vem bem das pernas há certo tempo. Talvez seja mesmo exagero – esse nunca foi mesmo um mercado de grandes consumidores – mas estamos nos referindo a qualidade do que se publica. Há muita coisa medíocre sendo vendida como poesia de primeira estirpe e, logo, o Toda poesia será cumprirá esse papel, mais uma vez, de revitalização. É fato ainda que boa parte da obra de Leminski já estava há certo tempo fora de catálogo e traz ampliações para alguns títulos, como por exemplo, a reinserção de alguns poemas que ficaram de fora da última edição de Caprichos & relaxos.

Alguns dos títulos que integram o novo livro têm muito do que não chegou ao grande público como é o caso dos poemas de Quarenta clics em Curitiba, livro editado artesanalmente e com pequena tiragem nos fins da década de 1970 que são apresentados ao lado de trabalhos póstumos, mas que também não tiveram o reconhecimento devido, como Winterverno, de 2011. E como tem sido comum às edições contemporâneas, em que o texto do autor parece ser insuficiente se se apresentar sozinho, Toda poesia vem com ensaios de Caetano Veloso, comentando a livro de 1983, Caprichos & relaxos, de Wilson Bueno, Haroldo de Campos, José Miguel Wisnik e o ensaio também de 1983, da Leyla Perrone-Moisés, “Leminski, o samurai malandro” em versão revista sete anos depois pela estudiosa. O texto de apresentação é assinado por Alice Ruiz, viúva do poeta, que relembra a trajetória do poeta.

Ligações a este post:
>>> Pela celebração do 14 de março de 2010 (quando a única rede social que o Letras dispunha era o Orkut) estivemos por todo dia publicando versos de Leminski, os quais, ainda bem, transcrevemos para o blog em dois posts - aqui e aqui.
>>> Na página do Letras no Facebook temos organizado um álbum com 'tiradas' do poeta, para ver, ler e compartilhar, aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Uma foto, Salinger!