Tentativas em torno da poesia de Ida Vitale

Por Pedro Fernandes

Ida Vitale.

As palavras são nômades; a má poesia as torna sedentárias.

O vasto universo da internet oferece algumas permissões. A minha curiosidade por encontrar nomes ainda guardados naquele instante meia-luz nasceu nos corredores de bibliotecas e se prolongou nos labirintos da web. E, por esses dias, pesquisava sobre importantes nomes de poetas da literatura latino-americana. O buscador me retornou uma variedade de figuras de alguma maneira conhecidas entre nós. Mas, uma me chamou a atenção. Dela, só encontrei de melhor segurança, alguns poucos poemas em língua portuguesa no excelente site do Antonio Miranda, nascido alguns anos antes deste pequeno blog que conduzo e que reúne uma rica variedade de trabalhos de poetas de várias partes do mundo.
 
Chama-se Ida Vitale. Nasceu no dia 2 de novembro de 1923, em Montevidéu. É poeta, tradutora, ensaísta, professora e crítica literária integrante da chamada Geração de 45 no seu país natal, da qual formam parte nomes como Juan Carlos Onetti, Carlos Maggi e Idea Vilariño; estudou Humanidades, dirigiu o jornal Época, codirigiu as revistas Clinamen e Maldoror.
 
Como muitos do seu tempo, padeceu os suplícios da Ditadura. Precisou se exilar no México em 1974 e foi quando conheceu Octavio Paz, levando-a a integrar as atividades na revista Vuelta. Neste país, foi professora, traduziu livros para o Fondo de Cultura Económica e escreveu para vários jornais de língua espanhola na América. O retorno ao Uruguai acontece em 1984. Cinco anos depois foi para os Estados Unidos. Estava casada com o também poeta Enrique Fierro (outro desconhecido nosso).
 
Dela, encontrei uma breve antologia preparada por Víctor Sosa para a Universidade Nacional Autônoma do México. Segundo ele, a obra de Ida Vitale “se apresenta como um corpo coerente na atual poesia latino-americana graças a uma dupla atitude crítica que coloca sob a lente da suspeita a linguagem e o mundo. A consciência de perda do mundo, de irreparável cisão entre Natureza e Homem [...] se vincula com a parte mais romântica, a qual ― ante a algaravia generalizada de uma civilização ébria de progresso ― dará testemunha dessa falha ― no sentido geológico e no sentido de equívoco”.*

No verbete da Academia Nacional de Letras do Uruguai se lê que Ida Vitale “se inscreve na tradição das vanguardas históricas latino-americanas, sua poesia indaga na alquimia da linguagem e estabelece um encontro entre uma exacerbada percepção sensorial de raiz simbolista, sempre atenta ao mundo natural, e a cristalização conceitual em seu perfil mais preciso.”
 
Em modo de exercício, busquei alguns pequenos poemas da antologia e verti para o português. Poderá servir ao menos para despertar do nosso pequeno umbigo e ver nosso entorno.
 
A PALAVRA
 
Expectantes palavras,
fabulosas em si,
promessas de sentidos possíveis,
airosas,
                aéreas,
                               airadas,
                                               ariadnas.
 
Um breve erro
torna-as ornamentais.
Sua indescritível objetividade
nos apaga.
 
 
RESÍDUO
 
Vida curta ou longa, tudo
o que vivemos se reduz
a um gris resíduo na memória.
 
Das antigas viagens ficam
as enigmáticas moedas
simulando falsos valores.
 
Da memória apenas sobe
um vago pó e um perfume
Talvez seja a poesia?
 
 
BORBOLETAS
 
Alto,
no pouco céu da rua,
duas borboletas amarelas brincam,
criam no serial do semáforo
um imprevisto espaço,
luz livre para o alto,
luz que ninguém viu,
a nada obriga.
Propõem a distração terrestre,
chamam para um lugar
― paralogismo ou paraíso? ― onde
certamente voltaríamos
para merecer um paraíso,
borboletas.


* O material referido está disponível aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quinze mulheres da literatura brasileira

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Desvio, de Juan Francisco Moretti

Nem todas as baleias voam, de Afonso Cruz

Dom Casmurro, de Machado de Assis

Essa gente, de Chico Buarque