Dom Quixote visto por Thomas Mann

Por Cecília Dreymüller

Dom Quixote e Sancho Pança, por Damião Martins (detalhe)

Travessia marítima com Dom Quixote é um ensaio esplêndido, ou melhor dizendo, folhetim esplêndido, escrito de forma agradável para as páginas literárias de um periódico de Zurique, em que Thomas Mann comenta suas impressões de leitura durante uma travessia pelo Atlântico. O texto possui inclusive algumas tintas novelescas quando se dedica às passagens sobre viajante escocês cuja conduta inapropriada – hospeda-se na primeira classe, mas desce a fim de socializar-se com os passageiros da terceira – choca com o sentido estrito de casta de Thomas Mann: “Alguém tem que saber a qual ambiente pertence”.

O que se apresenta como comentário improvisado do Quixote, estruturado ao modo de um diário de viagem, corresponde, não obstante – como descobriram os diários –, a um estudo minucioso do clássico e suas possíveis fontes, para o qual o ilustre viajante se documentou a fundo e consultou autoridades como o mitólogo Karl Kerényi.

Mais de um ano e meio entre o início da leitura e o seu término o que pensou da amável ficção lida foi trabalhada em dez dias. E em todo este tempo a ocupação com o Quixote influenciou direta e indiretamente no romance que escrevia em 1934, a terceira parte de sua tetralogia bíblica José e seus irmãos.

O resultado de suas pesquisas foi incluído no último livro que Thomas Mann publicou na Alemanha nazista, a compilação dos Ensaios sobre música, teatro e literatura que contém verdadeiras joias ensaísticas e quando já havia editado Travessia marítima com Dom Quixote.  

O marco narrativo do trânsito pelo oceano até um novo continente, de todo modo, veio muito a propósito para que o escritor alemão adentrasse na imensidão da obra cervantina. A vida à bordo do luxuoso transatlântico forma um cenário em contraste para sua aproximação brilhante e pessoal ao Quixote.

Thomas Mann ainda terá acrescido em cinquenta páginas a mais a riqueza do livro que tantos outros volumes monográficos não alcançaram com tanta precisão. É singular nesse sentido, por exemplo, a forma como compreende o Quixote como signo de nação que eleva a paródia melancólica e ridiculariza suas qualidades clássicas como a grandeza, o idealismo, a má generosidade.

O interesse especial do escritor é penetrar no trabalho de Cervantes, descobrir seus truques, explicar seus procedimentos nos quais encontra certo paralelismo com seu próprio exercício escritural. “Sua admiração pela criatura de sua própria imaginação cômica cresce constantemente ao longo da narração – este processo é talvez o mais fascinante de todo o romance, de fato, é inclusive um romance em si, e coincide com a crescente admiração ante a própria obra que estava concebida modestamente como robusta piada satírica, sem ideia do grau simbólico-humano que estava destinada a alcançar a figura do herói”.

Thomas Mann se pergunta pela legitimidade dos “brutais enganos” narrativos, desde um conceito literário mais rígido que é o de Cervantes; sublinha, com esquisita sensibilidade linguística, a dúvida dos românticos com La Mancha; e se encanta com o humor no gênero épico.

Da curiosidade profissional passa ao assombro e à admiração pela capacidade como a obra foi recebida no contexto de sua publicação e a se manteve ao longo do tempo como uma peça cada vez mais integrada ao universo literário.

Por fim, Mann acaba compondo mais que uma leitura sobre o livro de Cervantes, mas aprofunda sua tarefa humana e reaviva, assim, algumas tintas do curioso e monumental retrato de um dos maiores gênios de sempre. 


* Este texto é uma tradução livre para "Retrato teutón de Cervantes". A tradução de trechos do livro é a partir do original em espanhol.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão