Um mistério a mais para a obra de William Shakespeare



A biblioteca de Saint-Omer, no norte da França, descobriu tem poucos dias que albergava, sem que ninguém tivesse dado conta em 400 anos, um exemplar de um dos livros mais importantes e valiosos da  história da cultura ocidental: um First Folio, como é chamado a primeira edição das obras de Shakespeare. A identificação desta cópia, até agora desconhecida, será um motivo de celebração nacional entre os estudiosos da obra do bardo inglês. A descoberta volta a colocar no centro do debate o livro publicado em 1623 e que reúne 36 das 38 obras conhecidas do dramaturgo e como tudo que rodeia sua biografia, é uma obra que está cercada de perguntas até então sem respostas.

Nunca foi encontrado nenhum manuscrito original de Shakespeare - apenas 14 palavras que julgam os especialistas foram escritas por seu próprio punho; dessas, seis são assinaturas em que, cada uma apresenta seu nome escrito de uma maneira diferente. Da mesma maneira também existem poucas imagens verdadeiras do escritor, uma delas é a que serve de capa às edições do First Folio. “Não sabemos se deixou alguma vez o Reino Unido. Não sabemos quem foram seus amigos nem como se divertia. Sua sexualidade é um mistério insondável. Só sabemos com certeza sobre um pequeno número de dias de sua vida e onde esteve. E não temos nenhum documento sobre suas andanças durante os oito anos cruciais em que deixou sua mulher e seus três filhos em Stratford e se converteu num dramaturgo em Londres”, escreve Bill Bryson no seu ensaio Shakespeare.

Ainda assim, não temos dúvidas: nenhuma obra literária terá sido estudada com tanta dedicação como a sua: “Sua obra contém 138.198 vírgulas e 15.785 pontos de interrogação; seus personagens falam de amor 2.259 vezes e o de ódio apenas 226. Deixou-nos 884.647 palavras que formam 31.959 diálogos em 118.406 versos” - reforça Bryson com dados que presumem e sustentam essa ideia de ser o mais estudado. E tudo isso, o mistério de sua vida e a certeza de sua genialidade, só chegou até nós graças a uma edição como a que agora foi encontrada na França.

Mas, voltemos à impossibilidade de dizer que as coisas estejam de um todo esclarecidas em torno do First Folio. Os atores John Heminge e Henry Condell o publicaram pela primeira vez sete anos depois da morte de Shakespeare com um prólogo de Ben Jonson ao preço alto de uma libra, o equivalente a mais de 6 mil reais. Começa o mistério já pela quantidade de exemplares impressos: a conta gira em entre 700 e 1000; também não se sabe quantos deles resistiram até nós: a conta aqui está entre 220 e 240 porque alguns exemplares estão muito estragados e a numeração está um tanto comprometida além de os pesquisadores manterem em aberto um debate sobre o que é ou não um First Folio. O que sabe com certeza é que o quanto vale aproximadamente um exemplar desses agora: já pagaram mais de 12 milhões de reais por um exemplar num leilão realizado pela Sotheby’s em 2006.

“Ao incorporar a lista de atores demonstra que não foi só uma celebração literária, mas também teatral. Talvez tenha se convertido em tema de discussão entre Shakespeare e seus colegas antes de sua morte e é possível que alguns textos que fizeram parte da transcrição tenham sido corrigidos pelo próprio dramaturgo. Seja como for, a maior parte dos títulos estão escritos por Ralph Crane, um amanuense profissional que com frequência trabalhou para as companhias de teatro”, lembra o historiador britânico Peter Ackroyd em Shakespeare, a biografia.

Até então, além dos sonetos, apenas tinham sido publicadas 16 obras de Shakespeare e de forma muito irregular; em grande parte transcrições do que se declamava no teatro sem o controle do autor, o que era relativamente normal para época dado que as peças eram para ser vistas e escutadas e não ser editadas como hoje são a grande maioria dos roteiros. Graças ao First Folio se conhecem hoje os textos de MacbethA tempestade ou Julio Cesar. Ou seja, é graças a essa edição que Shakespeare é Shakespeare e não apenas mais um dramaturgo da era isabelina.

Quatrocentos anos depois de tudo isso, o bibliotecário Remy Cordonnier encontrou o livro enquanto buscava materiais para uma exposição com o livro. Sabe-se que neste 2014 assinala-se os 450 anos de Shakespeare; a exposição seria alusiva a efemeridade. Bem, a biblioteca onde Remy fez a pesquisa foi uma das mais importantes da Europa na Idade Média e alberga inumeráveis tesouros como um exemplar da Bíblia de Gutenberg. Depois de notar que a edição ora encontrada muito se parecia com as descrições das edições raras da obra shakespeariana, o bibliotecário buscou ajuda a Eric Rasmussen, um pesquisador estadunidense especializado na obra do bardo inglês, que viajou até a cidade francesa e, depois de algum tempo de análise, pode constatar que, sim, Remy havia encontrado um exemplar das edições raríssimas de Shakespeare.

A descoberta de agora vai muito além de ser apenas mais um número dos primeiros fólios disponíveis, de 220 a 221 (ou 240 a 241); do modo como eram impressos os livros naquela época, século XVII, cada cópia acaba por ser única. A biblioteca Folger de Washington é a instituição que alberga a maior coleção do mundo desta edição (uma de cada três das que se preservam). Mas, o que surpreende são as variações de um exemplar para outro. E por isso a falta que faz os primeiros fólios é muita. É necessário ter todos eles juntos para num cruzamento de dados poder alcançar o conhecimento mais próximo da obra de Shakespeare. Tarefa ainda muito distante. Ou, se alguma coisa serve de consolo aos estudiosos, a descoberta de mais um exemplar é apenas mais um passo no interior de um mistério que parece nunca ter fim.


Ligações a este post:

* texto escrito a partir de "Un nuevo Primer Folio agranda el misterio de William Shakespeare", de Guillermo Altares para El país 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin