Boletim Letras 360º #258

Amigos, que acompanham o divulgam o trabalho do Letras in.verso e re.verso, somos só agradecimentos; nossa página no Facebook alcançou esta semana os 70 mil amigos. Será que chegamos aos 100 no fim de 2018? Será? Ansiosos. Bom, a seguir estão as notícias que esta semana circularam por lá; vejamos.

Tomas Tranströmer. Pela primeira vez obra do poeta Prêmio Nobel de Literatura ganha edição no Brasil.


Segunda-feira, 12/02

>>> Estados Unidos: Um software de caçar plágios de estudantes encontra uma possível fonte para peças de William Shakespeare

Os pesquisadores estadunidenses Denis McCarthy e June Schlueter publicam um estudo que aponta um manuscrito nunca publicado de finais do século XVI como fonte para Ricardo III, Henrique V, Macbeth e outras oito peças de Shakespeare. Para chegar a estas conclusões utilizaram um programa muito popular entre pesquisadores universitários para buscar plágios: o software WCopufind. A fonte é A Brief Discourse of the Rebellion and Rebels, de George North. O professor emérito da Universidade de Chicago e editor da obra de Shakespeare, David Bebington, considera esta descoberta uma revelação. Michael Witmore, diretor da Biblioteca Folger Shakespeare em Washington também se mostra entusiasta com a descoberta. É mesmo raro encontrar novas fontes para a obra do bardo; em 1977, o investigador Kenneth Muir encontrou uma fonte para O mercador de Veneza com uma só palavra – "insculp". Há uma grande quantidade de trabalhos do gênero em andamento. Jonathan Hope, professor de Literatura da Universidade de Strathclyde, Glasgow, trabalha no maior projeto sobre as fontes criativas do bardo. O projeto é conduzido pela Folger Shakespeare Library, instituição que possui a maior coleção das obras impressas do inglês.

>>> Brasil: Outra escritora portuguesa entre os nomes de 2018 nas livrarias brasileiras: Isabela Figueiredo.

Muito recentemente a editora Todavia publicou Karen, da ganhadora do Prêmio Oceanos 2017 Ana Teresa Pereira; agora, é a vez de Isabela Figueiredo. A casa apresenta A gorda. Sucesso em Portugal, o romance é uma poderosa sátira a respeito de autoimagem e preconceito. Maria Luísa, a protagonista deste romance tão engraçado quanto cruel, é uma moça inteligente, boa aluna, voluntariosa e dona de uma forte personalidade. Porém, ela é gorda. E inapelavelmente gorda. Essa característica física a incomoda de tal maneira que parece colocar todo o resto em xeque: sua relação com o mundo, sua vida sentimental (a relação complicada com David, seu primeiro amor), sua postura diante dos fatos. Adolescente, sofre e aguenta em resignado silêncio as piadas e os insultos de companheiros de escola. Divertido, cruel e desabusado.

Terça-feira, 13/02

>>> Brasil: Uma antologia com poemas de Ernst Jandl chega às livrarias brasileiras até o fim do semestre

Eu nunca fui ao Brasil é uma seleção de poemas do poeta membro do grupo de Viena que levou adiante, nos anos 1950, as experiências das vanguardas com seus versos experimentais. Foi um dos precursores da poesia concreta e experimental no pós-Modernismo, ricamente influenciado pelas vanguardas Modernas, como o dadaísmo e a poesia sonora. Os poemas do livro são retirados de quatro obras de Jandl: Laut und Luise, Ottos mops hopst, Idyllen e Vom vom zum zum. A tradução é de Myriam Ávila e o livro sai pela editora Relicário.

>>> Brasil: Publicada nova obra de Serguei Dovlátov

O ofício é uma novela em duas partes na qual o cultuado escritor russo descreve com impagável (auto) ironia "as peripécias de seus manuscritos" — sua biografia literária — em dois momentos da vida: na União Soviética e nos Estados Unidos, após ter emigrado, em 1978. Na primeira parte, "O livro invisível", escrita entre 1975 e 1976, retrata as tentativas frustradas de publicação do jovem escritor na URSS, onde prevalecia uma burocracia ilógica e absurda. Em "O jornal invisível" (1984/85), Dovlátov narra o início de sua vida nos EEUU, os quiproquós de um jornal russo nova-iorquino, e o começo de seu reconhecimento como escritor. A segunda parte do livro mostra, de forma hilária, o estranhamento do refugiado soviético por entre os arranha-céus de Nova Iorque. A tradução de Daniela Mountian e Yulia Mikaelyan sai pela editora Kalinka.

Quarta-feira, 14/02

>>> Brasil: Uma nova antologia com poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

Ela é uma das principais poetas portuguesas do século XX. Teve uma carreira literária marcada pelo classicismo formal de suas composições e pela ação política — nas décadas de 60 e 70, participou ativamente da resistência ao regime salazarista, elegeu-se deputada e escreveu poemas de sentido político explícito. Esta antologia agora apresentada pela Companhia das Letras foi organizada pelo também poeta Eucanaã Ferraz e inclui poemas de todos os seus livros, desde o de estreia, Poesia (1944), até as últimas obras, como Mar (2001), passando por Coral (1950), Grades (1970), Dual (1972) e Musa (1994). É a segunda publicação do gênero apresentada por esta casa editorial que há muito havia editado uma antologia então organizada por Vilma Arêas. A edição chega às livrarias na primeira semana de abril; a editora Tinta da China publicará a obra poética completa ainda em 2018.

>>> Brasil: A última parte do romance em que Mia Couto acompanha a figura do imperador Gugunhana 

O bebedor de horizontes que retrata a saga final do imperador moçambicano que o derradeiro grande governante de um império na África no século XIX. Neste último volume da trilogia, os prisioneiros do oficial Mouzinho de Albuquerque embarcam no cais de Zimakaze em um barco que parte em direção ao posto de Languene. De lá, irão seguir para o estuário do Limpopo e então iniciar a viagem marítima que conduzirá os africanos capturados para um distante e eterno exílio, em uma das ilhas dos Açores. Com a comitiva segue Imani Nsambe, jovem negra que estudou numa missão católica e serve como intérprete entre os nativos e as autoridades portuguesas. Imani está grávida do sargento português Germano de Melo, alocado em outra parte de Moçambique. A tradutora narra os trágicos acontecimentos do final do império de Gaza, que se alternam no romance com as cartas do sargento. A edição é da Companhia das Letras.

>>> Áustria: O testamento de uma secretária é o elemento central da rocambolesca história de um desenho de Gustav Klimt que acaba de vir a luz depois de desaparecido do museu da cidade austríaca de Linz há meio século

A obra Os deitados foi localizada depois da morte em dezembro do ano passado de uma antiga secretária do museu. Em seu testamento ela deixou determinado que o desenho seria devolvido à cidade de Linz. A história começa em 1951 quando a peça mais três quadros de Egon Schiele foram cedidos por sua proprietária à então Nova Galeria de Linz. Em 1990, os herdeiros fizeram a primeira tentativa fracassada de recuperar as obras; mas em 2006, ante uma nova demanda pela devolução, o museu constatou que as peças ainda estavam desaparecidas e não se sabia como nem quando isso havia ocorrido. Daí, começou uma batalha judicial que envolveu várias instâncias do Supremo Tribunal que resultou em indenizações aos herdeiros das peças na soma de 10,11 milhões de dólares; desse valor, 9,2 correspondiam à tela Cidade morta, de Schiele, apesar das dúvidas de alguns especialistas sobre a autenticidade da obra. O testamento explica que quando a documentação dos empréstimos não fora realizada corretamente; o diretor do museu, então, pediu silêncio sobre o tema e ao que parece pagou esse silêncio à secretária com o desenho agora reaparecido. O desenho agora será elemento importante de uma exposição sobre o centenário da morte do artista. Os três quadros de Schiele, artista que também chega em 2018 aos cem anos da sua morte, ainda estão desaparecidos. Desde 2012 a cidade de Linz oferece uma recompensa de 6,1 mil dólares por pistas que ajudem a recuperar as obras.

Quinta-feira, 15/02

>>> Brasil: O poeta sueco e Nobel de Literatura Tomas Tranströmer chega pela primeira vez ao Brasil com o livro Mares do Leste

Mesmo após ter sofrido um derrame que afetou a sua fala e parte dos movimentos, Tranströmer continuou escrevendo e tocando piano apenas com a mão esquerda. Seus versos trazem à tona a poética da interrupção, mesclando ritmos secretos, metáforas originais, imprevisibilidades e simplicidade cotidiana. Tranströmer foi o poeta mais querido em seu país e mais reconhecido internacionalmente, tendo seus poemas traduzidos em mais de 60 idiomas. Mares do Leste dá início à publicação da obra completa de Tranströmer no Brasil. A tradução feita por Márcia Sá Cavalcante Schuback, direta do sueco, sai pela Editora Âyiné.

>>> Portugal: Morreu a escritora Natália Nunes

Nasceu em Lisboa no dia 18 de novembro de 1921. Destacou-se nas letras através de romances como Autobiografia de uma mulher romântica e Vénus turbulenta, mas também como dramaturga e ensaísta, e construiu uma das mais vastas obras, como contista, na literatura portuguesa, com títulos como Ao menos um hipopótamo, As velhas senhoras, Louca por sapatos. Resistente antifascista, durante os anos de ditadura, membro da direção da Sociedade Portuguesa de Escritores, foi presa pela PIDE, polícia política do regime. Sua estreia como escritora se deu em 1952, com Horas vivas: memórias da minha infância; vivia então em Coimbra, onde fez o curso de Bibliotecária-Arquivista, depois da licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas na Universidade de Lisboa. Além de escritora, também foi tradutora, ao trazer para o português obras de Dostoiévski, Tolstói, Balzac, entre outros. Natália foi casada com o poeta António Gedeão. A escritora morreu no último dia 13 de fevereiro em Ericeira.

>>> Estados Unidos: Morte no Nilo será a próxima adaptação de Agatha Christie para o cinema

Após Assassinato no Expresso do Oriente, a Twentieth Century Fox anunciou que vai produzir mais uma adaptação de Agatha Christie. O roteirista que cuidou da versão de 2017, Michael Green foi confirmado no projeto. Morte no Nilo é uma das obras mais famosas de Agatha Christie, um mistério envolvendo amor, ciúme e traição ambientados no Egito. Na trama, a jovem herdeira Linnet Ridgeway parece conseguir tudo o que quer. No entanto, quando rouba o noivo de sua melhor amiga e se casa com ele sem pensar duas vezes, talvez Linnet esteja indo longe demais. Em sua viagem de lua-de-mel num cruzeiro pelo rio Nilo, no Egito, o casal apaixonado se depara com uma série de antagonistas interessados em sua fortuna e em provocar sua infelicidade. Então Linnet é encontrada morta, com um tiro na cabeça. O detetive Hercule Poirot, que por acaso também estava no navio, entra em ação para tentar montar mais esse quebra-cabeça. Assassinato no Expresso do Oriente foi o primeiro filme de Poirot sob a tutela do diretor Kenneth Branagh. A outra adaptação chegará aos cinemas em novembro de 2019.

Sexta-feira, 16/02

>>> Brasil: Em 2017 falamos sobre o trabalho da Companhia das Letras em reeditar a obra do Marquês de Sade; o primeiro título chegou: Os 120 dias de Sodoma

A tradução de Rosa Freire d'Aguiar para a principal obra de Sade e o mais conhecido e inigualável registro da literatura pornográfica sai pelo selo Penguin. Neste romance perturbador, quatro amigos se isolam em um castelo na Floresta Negra para ouvir de quatro alcoviteiras histórias de sua vida nos bordéis e as taras de seus clientes. Para encenarem esta experiência sadomasoquista da qual ninguém sairá imune, os libertinos contam com as esposas, filhas e um séquito de jovens, todos obrigados a se submeter às paixões ali descritas. Escrito em 1785 durante uma temporada de prisão na Bastilha, este escandaloso relato permaneceria clandestino até 1904, ano de sua primeira publicação. Nem a perseguição de seu autor, nem sua censura sistemática foram suficientes para conter a avassaladora influência que tal catálogo de perversões teve sobre incontáveis leitores ao longo dos dois séculos seguintes, entre eles Roland Barthes, Simone de Beauvoir, Theodor Adorno e Samuel Beckett. Esta edição inclui um posfácio de Eliane Robert Moraes, que levanta uma questão mais do que pertinente: estaríamos nós, enfim, prontos para ler um dos livros mais controversos de todos os tempos?

>>> Inglaterra: O mais importante prêmio literário de língua inglesa celebra 50 anos de existência e para assinalar a data, foi criado o Golden Prize, que será atribuído à melhor obra de ficção das últimas 5 décadas

Numa primeira fase, um júri (composto pelo escritor e editor Robert McCrum, o poeta Lemn SissayMBE, a romancista Kamila Shamsie, o também romancista Simon Mayo e a poeta Hollie McNish) irá ler todas os romances que venceram o Man Booker e escolher aqueles que, na sua opinião, são os melhores de cada década. Os cinco finalistas, que serão anunciados a 26 de maio no Hay Festival, irão depois competir numa votação aberta ao público, que irá decorrer no site do prêmio. Os leitores terão até 25 de junho para votarem na sua obra favorita. O vencedor do Golden Prize será depois anunciado a 8 de julho, durante o festival que pretende celebrar os 50 anos do Man Booker, no Southbank Centre, em Londres.

>>> Brasil: O discurso de recepção do Prêmio Nobel de Literatura de Kazuo Ishiguro ganha edição em livro 

Minha noite no século XX e outros pequenos avanços sai pela Companhia das Letras em abril. O discurso de Ishiguro transmite uma poderosa mensagem de respeito às diferenças ao percorrer a própria história e, com ela, a do século XX. Ao revelar o impacto que a leitura de Em busca do tempo perdido teve em sua formação, Ishiguro assume o recurso de Proust como princípio compositivo de seu discurso e coloca lado a lado memórias distantes e eventos recentes, numa colagem em que as semelhanças abolem fronteiras de tempo, espaço e linguagem e fazem transparecer uma brilhante síntese do projeto literário do autor. Rememorando desde a relação com o Japão de sua infância e as lembranças da terra à qual levou décadas para voltar até uma visita a Auschwitz, destila uma poderosa reflexão sobre memória e esquecimento, sobre o dever de preservarmos o passado e a tarefa — nem sempre fácil — de seguirmos adiante e preservarmos o futuro. A tradução é de Antônio Xerxenesky.

>>> Brasil: Lincoln no limbo é a tradução do livro ganhador do Prêmio Man Booker Prize de 2017; e chega às livrarias brasileiras na segunda semana de março

Em 1862, em meio à Guerra Civil Americana, morre, aos onze anos de idade, Willie Lincoln, filho do lendário presidente Abraham Lincoln. A tragédia leva a um luto desesperado o homem que daria fim à escravidão nos Estados Unidos. Com a morte do filho ainda na infância, o presidente mais importante da história da democracia vê seu mundo desmoronar. Em plena Guerra Civil, esquece o país em conflito para lamentar, no limite da loucura, essa perda. Noite após noite, dirige-se à capela do cemitério para abraçar o cadáver do jovem Willie. A partir desse acontecimento histórico, o escritor George Saunders rejeita as convenções literárias realistas e compõe uma narrativa passada no além. Lá, acompanhamos a jornada do jovem Willie, incapaz de aceitar que está morto. Um romance surpreendente, que reinventa o gênero de forma radical. Alternando registro metafísico e documentos históricos e sem medo de abraçar o experimentalismo, Saunders coloca em movimento questões existenciais, históricas e políticas e cria uma obra absolutamente única no cenário contemporâneo. A tradução é Jorio Dauster e sai pela Companhia das Letras.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #298

João Cabral olha Joan Miró

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

José Saramago, o ano de 1998

A vida e a arte de Sylvia Plath

A poesia de Guimarães Rosa

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia e desordem

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais