Boletim Letras 360º #269


Eis uma edição novinha com as informações que fizeram o mural do Letras no Facebook nesta semana. Por aqui, os que nos frequentam com certa assiduidade perceberão que fizemos pequenos e importantes ajustes na organização do blog. Sabe o que isso significa? Que aquele grande trabalho de revisão iniciado há cinco anos pode está próximo, se fecharmos a terceira e última etapa, do fim. Apesar de ser este um espaço, não cansamos de dizer, em contínuo reparo. Estamos aqui. Interaja conosco!

Brasil sedia colóquio alusivo aos 20 anos de entrega do Prêmio Nobel de Literatura a José Saramago. Mais detalhes ao longo deste Boletim.
  

Segunda-feira, 30/04

>>> Brasil: Uma caixa reúne três obras de Virginia Woolf

Mrs. Dalloway é considerada a obra-prima da escritora inglesa. Publicado originalmente em 1925, o romance descreve um dia na vida de Clarissa Dalloway, uma dama de nobre linhagem casada com um parlamentar conservador e mãe de uma adolescente. O mundo de Mrs. Dalloway — suas memórias, sonhos, arrependimentos e medos, na Londres do pós-Primeira Guerra — é evocado no famoso fluxo de consciência de Woolf, em uma linguagem lírica e pungente que fez deste título um dos mais importantes do século XX. A edição é tradução do poeta Mario Quintana tem apresentação da jornalista Marília Gabriela. O segundo título é Orlando, uma das histórias mais populares de Virginia Woolf. Com o dom de permanecer sempre jovem, a personagem empreende uma viagem por mais de três séculos, assumindo diversos papéis na sociedade inglesa: de um jovem membro da aristocracia elisabetana a uma mulher moderna dos anos 1920. A natureza do homem e da mulher, o amor, a vida em sociedade, a literatura, tudo é desnudado pela escritora inglesa com um humor fantástico. Publicado pela primeira vez em 1928, o livro foi um marco na literatura, e particularmente na escrita das mulheres e nos estudos de gênero. Esta edição conta com a tradução e a apresentação de Laura Alves. E, a terceira obra reunida na caixa é As ondas, um dos romances mais experimentais de Virginia Woolf e considerado uma das obras capitais da literatura do século XX, tanto pela originalidade quanto pela beleza fascinante de sua prosa poética. O livro é composto por uma sucessão de monólogos interiores de seis personagens, intercalados com breves descrições da natureza. Cada personagem exprime sua voz e se retira, em um movimento rítmico que evoca o fluxo e o refluxo das marés. Esta edição conta com a tradução da escritora Lya Luft, que transpôs com sucesso para a língua portuguesa toda a complexidade da narrativa de Virginia Woolf. A edição da Editora Nova Fronteira sai no final de maio.

>>> Brasil: A versão condensada de O arquipélago Gulag ganhará nova tradução 

No total são três volumes que já teve edição publicada em inglês, por exemplo. No Brasil, a obra-prima do escritor Aleksandr Soljenítsyn foi publicada nos anos 1970 - mas nunca uma versão integral. Os leitores continuarão desejando o improvável. O livro ganhará nova tradução e edição mas da versão que o próprio Soljenítsyn escreveu ao constatar que os leitores nunca chegavam a ler o terceiro livro. A obra é uma das mais conhecidas quando o assunto é a vida nos campos de trabalho forçado da União Soviética. Escrito clandestinamente de 1958 a 1967, o manuscrito chegou a ser descoberto pela KGB em 1973, na sequência da prisão de Elizabeth Voronskaïa, uma colaboradora de Soljenítsyn que o datilografava. Na sequência disso, o escritor que tinha sido galardoado com o Prêmio Nobel em 1970, decide publicar o livro no exterior. Uma primeira edição em russo é publicada em Paris ainda em 1973 e depois finalmente a edição francesa, no verão de 1974. Soljenítsyn fora entretanto preso, acusado de traição, despojado da nacionalidade soviética e enviado para o exílio, onde estará vinte anos, até ao seu regresso à Rússia em 1994. Para realizar O arquipélago, o escritor foi ajudado pelo testemunho de 227 sobreviventes dos campos do Gulag. O anúncio da nova tradução chega quando se passa o centenário de nascimento de Soljenítsyn. O livro deve sair entre 2019 e 2020 pela Editora Carambaia.

>>> Brasil: Uma antologia reúne contos de D. H. Lawrence

O cigano de outras histórias é o título que sai pela Editora Record; são textos que reúnem as principais características que o consagraram como um escritor polêmico e moderno para seu tempo: as questões da sexualidade, da figura feminina, do casamento, do adultério e os demais aspectos das relações interpessoais. A coletânea inclui seguintes contos: "As filhas do pastor", "O espinho na carne", "Um estilhaço de vitral", "O oficial prussiano" e "O cigano". Este último, que dá título ao livro, surpreende pela lucidez do ponto de vista do autor, ainda na década de 1920. É por meio da história da jovem Yvette, filha do vigário, oprimida pela avó e pelas tias e pressionada pelo homem que quer lhe desposar, que Lawrence questiona o posicionamento da sociedade. O desejo permeia todas as histórias, aparecendo como importante direcionamento na vida dos personagens. Mesmo escrita no início do século XX, a obra de D. H. Lawrence permanece atual e instigante. Antes desta edição a editora havia publicado, do escritor, a antologia Apenas uma mulher e outras histórias.

Terça-feira, 01/05

>>> Brasil: Evento marca os vinte anos do Prêmio Nobel de Literatura a José Saramago

Trata-se do 1º Colóquio de Estudos Saramaguianos. O evento acontece entre os dias 13 e 15 de junho de 2018, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Natal. A iniciativa é desenvolvida com parceria entre o Departamento de Comunicação Social da UFRN e o Grupo de Estudos sobre o Romance, do Departamento de Linguagens e Ciências Humanas da Universidade Federal Rural do Semi-Árido e conta com apoios da Revista de Estudos Saramaguianos e do Centro de Ciências Humanas Letras e Artes da UFRN. A importância deste encontro é a de estabelecer diálogos, propiciar o intercâmbio de experiências de leituras e perspetivas em vistas de contribuir para a tessitura de um momento fundamental na sobrevida do escritor — e igualmente para seus leitores, que encontram no seu universo ficcional e nas suas provocações, peças fundamentais para a postura de desassossegados ante esta realidade fugidia porque complexa e cujos meandros cobram de nós o necessário debate. A coordenação da proposta são dos professores doutores e pesquisadores na obra de José Saramago, Pedro Fernandes de Oliveira Neto e Maria do Socorro Furtado Veloso. Todas as informações estão disponíveis aqui

>>> França: Vai a leilão um lote de cartas que Marcel Proust escreveu para o seu primeiro amante

Trata-se de um grande leilão da Sotheby's: ao todo 70 lotes de manuscritos, cartas e livros do escritor francês que pertenciam à coleção de Marie-Claude Mantel, bisneta de Proust. Os destaques nesse conjunto de papéis são: 138 cartas do editor do autor de Em busca do tempo perdido, Gaston Gallimard, em que se pode ter uma visão da estratégia editorial para a publicação de sua obra-prima durante uma década; um rascunho inédito de uma parte de No caminho de Swann que supõe ser um dos últimos do tipo que permanecia em coleções privadas — o restante encontra-se na Biblioteca Nacional da França; a primeira edição de uma tradução que Proust realizou da obra de Ruskin; e um conjunto de missivas que escreveu para o seu primeiro amante, Reinaldo Hahn, figura importante nos salões de moda de Paris. "Quero que estejas aqui todo o tempo, mas como um Deus disfarçado, a quem nenhum mortal reconheceria". São 10 cartas em que se pode ler passagens como estas.

Quarta-feira, 02/05

>>> Brasil: Ganhará tradução por aqui a biografia sobre a Mary Wollstonecraft e sua filha Mary Shelley

Romantic Outlaws: The Extraordinary Lives of Mary Wollstonecraft & Mary Shelley sairá pela Darkside. A biografia de Charlotte Gordon discorre sobre Wollstonecraft, uma das pioneiras do feminismo que publicou comentários políticos que respondiam a pensadores homens, escreveu romances e livros infantis que questionavam a ordem sexual e de gênero, além de defender os direitos das mulheres num livro que ficou reconhecido entre o pensamento feminista, Reivindicação dos Direitos da Mulher. Mary Shelley foi autora de Frankestein, obra que abriu na literatura uma série diversa de outras possibilidade de representação ao que depois ficaria conhecido como ficção científica.

>>> Brasil: Nas livrarias, livro de dissidente coreano

Em 2017, falamos aqui sobre a edição de A acusação. Histórias proibidas vindas da Coreia do Norte, assinado por Bandi. O livro, editado pela Biblioteca Azul, selo da Globo Livros já está nas livrarias. Foi escrito, relembramos, por um anônimo conhecido apenas pelo seu pseudônimo que ainda vive na Coreia do Norte. São sete contos descritos como impactantes, ambientados na década de 1990, que retratam o verdadeiro cotidiano de homens e mulheres comuns enfrentando os horrores da vida sob os regimes totalitários de Kim Il-sung e Kim Jong-il. A obra saiu em partes clandestinamente do país e já agora publicada em mais de dezenove idiomas. São textos nos lembram que a humanidade é capaz de manter a esperança mesmo nas circunstâncias mais desesperadoras – e que a busca pela liberdade de expressão tem um poder muito maior do que aquele dos que tentam reprimi-la. "Este livro enfatiza o valor de uma sociedade aberta na qual muitas vozes podem ser ouvidas, não apenas uma única voz autoritária", disse Margaret Atwood.

Quinta-feira, 03/05

>>> Brasil: De Balzac a Jane Eyre. A nova coleção de clássicos da Editora Nova Fronteira

À extensa lista dos clássicos de ouro, em reedição desde 2017, e que acompanhamos algumas nesta página, além às várias caixas com tiragem especial, a editora apresenta agora um novo projeto em parceria com a Amazon: a Biblioteca Áurea. A primeira leva de títulos já está disponível; são quatro: O vermelho e o negro, de Stendhal, tradução de Souza Júnior e Casemiro Fernandes; Jane Eyre, de Charlotte Brontë, com tradução de Sodré Viana; O homem sem qualidades, de Robert Musil, tradução de Lya Luft e Carlos Abbenseth; e Código dos homens honestos, de Honoré de Balzac, com tradução de Léa Novaes.

>>> Brasil: Os espíritos falam com Victor Hugo

Pela primeira vez a transcrição de quatro cadernos em que Victor Hugo, sua família e seus amigos descreveram as sessões espíritas das quais participaram na ilha de Jersey, entre 1853 e 1855 ganha edição no Brasil. Escritor consagrado e político atuante, o autor de Os miseráveis se exilara na ilha britânica após o golpe de Estado de Napoleão Bonaparte. Manifestam-se, por meio de diálogos, poemas e até mesmo de uma peça de teatro, mais de uma centena de espíritos – como os de Dante, Shakespeare, Molière, Voltaire, Jesus e Maomé. As conversas com os espíritos falam sobre a condição humana, o crime e a punição, o sofrimento e a morte, o destino da alma, a vida no além, a importância do amor e do perdão. A edição reúne pela primeira vez a maior parte dos escritos de Jersey, muitos deles inéditos e descobertos recentemente. Documento essencial para compreender a obra de Hugo posterior ao exílio. O livro das mesas sai pela editora Três Estrelas.

Sexta-feira, 04/05

>>> Suécia: 2018 sem Prêmio Nobel de Literatura

A Academia Sueca anunciou a decisão nesta sexta, 4 mai '18, depois da extensa polêmica envolvendo assédio sexual e vazamento de informações sigilosas sobre o certame há pelo menos uma década. As denúncias levaram um grupo de membros da comissão responsável pelo prêmio à renúncia. A última vez que o prêmio foi suspenso foi em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial. Esta é a maior crise na instituição desde sua criação, em 1901; todas as ocasiões de suspensão do prêmio foram relacionadas às grandes guerras (além de 1943, 1914, 1918, 1940, 1941 e 1942) ou pela falta de consenso do júri em relação ao 'candidato adequado' (em 1915, 1919, 1925, 1926, 1927, 1936 e 1949) e,nestes casos, sempre o nome do ganhador foi anunciado no ano seguinte. Em 2019, então, teremos dois galardoados.

>>> Brasil: Todo teatro de Hilda Hilst começa a ser publicado no início do segundo semestre de 2018

Os livros saem pela Editora L± ao todo serão quatro volumes apresentados em duas partes; em junho saem os dois primeiros: O verdugo e A morte do patriarca mais As aves da noite O visitante; depois, ainda sem previsão, saem O rato no muro O auto da barca de Camiri mais A empresa, O novo sistema. A apresentação geral das obras fica por conta da escritora e jornalista Leusa Araujo.


.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #298

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

João Cabral olha Joan Miró

José Saramago, o ano de 1998

O projeto é escrever. Um perfil de Mario Levrero

A vida e a arte de Sylvia Plath

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia e desordem