Entre a cruz e a máscara. “O crime do padre Amaro” de Eça de Queirós


Por Flaviana Silva



O crime do padre Amaro foi publicado em 1876 e é situado em um contexto histórico no qual Portugal passa por grandes transformações; as informações chegam à capital de forma mais rápida através das relações com Paris e os jovens lusitanos se interessam cada vez mais pela comunicação, adotando novos pensamentos. Neste cenário, percebe-se que Eça de Queirós adotou em seu trabalho o objetivo de constituir pela escrita uma função social. Transmitindo a exposição de um cenário de problemas, seu realismo vem como uma apresentação do que ainda significava o grande atraso português, sobretudo aqueles lugares que se distanciam do grande centro; é este algum dos motivos que levam a obra a receber várias críticas no seu tempo, o que só mostra o seu valor em uma sociedade que até hoje se utiliza de múltiplos disfarces para as suas relações.

O espaço é apresentado de forma muito detalhada: o narrador utiliza de descrições para evidenciar onde se constitui as ações que permeiam a história; sua onisciência permite que tenhamos acesso aos personagens de uma forma que exponha suas intenções referente à conduta de cada um deles. A construção dos enlaces secundários permite uma visão esclarecida sobre a vida das pessoas colocadas em foco principal, e através de uma linguagem dotada de ironia que vamos acompanhando uma narrativa rica em críticas. Se fôssemos resumir o conteúdo da obra diríamos que é uma reunião de múltiplas revelações sobre a hipocrisia religiosa e também social.

A riqueza em detalhes serve ainda na apresentação dos conflitos sociais e religiosos da época de forma objetiva. A escolha do espaço onde a narrativa transcorre parece ter sido resultado da vivência do próprio Eça de Queirós em Leiria já que se mostram evidências disso na narrativa. A história é construída nesse lugar e essa colocação permite ao leitor uma formação de verossimilhança muito evidente, isto é, a possibilidade de uma visão muito detalhada dos ambientes a partir da leitura é algo que se apresenta de maneira interessante para o leitor. Observando a construção da obra a partir de uma visão geral é perceptível a presença significativa de uma carga cultural do interior português; viajamos para aquela cidade pequena através da leitura e percebemos os costumes, a religiosidade e a familiaridade com a vida das pessoas de maneira muito irônica. E nada aí é inocente: essas escolhas são realizadas com o propósito de levantar questões polêmicas sobre a hipocrisia social.

O enredo se refere a um enlace principal que ocorre entre um padre jovem chamado Amaro, recém-chegado em Leiria; ele ocupa posição de protagonista e é apresentado com um pároco que apesar de fazer parte do clero, tem desejos por mulheres desde a sua infância. Ao entrar na cidade, é levado pelo padre mestre Cônego Dias para a casa da senhora D. Joaneira, mãe de uma filha, que aos poucos se revela aos olhos do padre, bonita e desejada. Amélia. Essa aproximação de Amaro  com a moça, vai de olhares e situações, encontros com a vizinhança nos jantares corriqueiros na casa e da própria rotina diária. No decorrer da leitura acompanhamos várias situações que se tornam essenciais para o desfecho da história de Amaro e Amélia, é através da mudança de ambiente e das da relação dos diversos personagens na obra que percebemos uma construção bem definida da trama da narrativa, oferecendo uma leitura envolvente que transmite ao leitor curiosidades do início ao fim.

A obra é constituída por várias células narrativas secundárias que formam os enlaces da história, são personagens que representam tipos essenciais na composição do enredo; ou seja, a partir da leitura é notável uma religiosidade muito intensa, o pensamento de que o clero é dono do domínio maior é muito presente, o narrador destaca de maneira irônica que apesar deles serem participantes de uma vida aparentemente cristã vivem à margem dos bons valores pregados pela igreja.

Quando analisamos toda a construção do romance, notamos evidências do realismo em todos os detalhes. A fala de Eça de Queirós citada no trabalho de Wankler (2005 p. 14) e também por outras pesquisas, fala sobre a escola literária que se tornou representante deixando claro sua noção sobre esse aspecto literário. Segundo o escritor “O Romantismo era a apoteose do sentimento; o Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte que nos pinta a nossos olhos - para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenarmos o que houve de mau na sociedade.”* Com essa citação do próprio autor, podemos perceber que em sua obra O crime do Padre Amaro isso é muito enunciado, é através daquele contexto de pessoas moldadas por uma visão em que o clero era o dono da verdade que a narrativa evidencia essas ações cheias de má fé e indolências.

Algo que podemos considerar um diferencial na obra, o que ressalta sua riqueza literária, é que todas as questões que são abordadas através da leitura não são ultrapassadas, mas atuais, apesar da mudança de contexto, as questões aí suscitadas são válidas para direcionar nosso olhar para as relações humanas. No decorrer da narrativa percebe-se um lugar muito próprio de cada personagem, a visão que a maioria possui é dominada pelos padres, o narrador deixa bem claro que a falta de preservação dos valores religiosos não está apenas em Amaro mas na grande parte das personagens que são padres na história.

O final da obra carrega uma mensagem muito forte: evidencia que aquele que tem o poder também tem liberdade para agir de acordo com suas próprias vontades e sair impune. É como se Eça de Queirós representasse em sua obra um exemplo que não pode ser seguido. Entende-se que esse é o papel da literatura, promover uma mudança, inquietar o indivíduo através de reflexões sobre suas próprias condutas.

Concluindo a leitura é importante salientar que essa obra possui um valor significativo para a compreensão sobre as relações sociais em geral, já que revela várias problemáticas aí presentes. As ações que são escondidas para a sociedade e que estão presentes no cotidiano das personagens desse romance é algo próprio do ser humano. A colocação de um padre dominado pelos seus desejos carnais foi uma estratégia utilizada para revelar as máscaras e a hipocrisia da ordem social; através de O crime do padre Amaro, Eça nos coloca ante um espelho; revela-nos a imagem perigosa do que somos: seres entre o vivido e a aparência.

* WANKLER, Cátia Monteiro. “Apoteose do Sentimento versus Anatomia do Caráter, a Crítica ao Sentimentalismo em: O Crime do Padre Amaro e o Primo Basílio.” In:  Textos e Debates: Revista de Ciências Humanas da Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências Humanas, Boa Vista, v. 2, n. 9, dez. 2005, p.51-64.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão