Um Estado contra dois escritores

Por David Toscana

Boris Pasternak.

Boris Pasternak não viajou a Estocolmo em 1958 para receber o Prêmio Nobel de Literatura, horrorizado com a possibilidade de que o governo soviético, liderado por Nikita Khrushchov, não o permitisse voltar para sua terra natal. A mesma coisa aconteceu doze anos depois com Aleksandr Soljenítsyn , agora com uma União Soviética sob o comando de Leonid Brejnev.

Os dois escritores foram perseguidos e intimidados pela imprensa oficial, por colegas de classe ligados ao sistema, pelos serviços secretos, por funcionários comunistas, pelas gentes covardes.

Doutor Jivago, Um dia na vida de Ivan Denissovitch, O primeiro círculo, Pavilhão de cancerosos apresentavam a arte literária e a realidade através da pena de dois homens de espírito livre, o que significava ter uma visão crítica de seu mundo, seu governo, seu país, seus tempos e suas próprias experiências. Acima de tudo, esses romances exaltavam o indivíduo acima da massa. A enxurrada de insultos, ameaças e conselhos fraternais para que abandonassem o país não os levaram agir assim. Eram recomendações saídas de pequenas mentes simples e fanáticas que se sentem ameaçadas pelo pensamento livre.

A imprensa rotulou Pasternak de Judas, a União dos Escritores o expulsou de suas fileiras e Khrushchov disse que o autor de Jivago era pior que um porco, já que porcos não sujavam o lugar onde dormiam e comiam. Os covardes protegidos pelo poder tinham grande prazer em reafirmar os insultos. A coragem, por outro lado, estava do lado daqueles que na hora de escrever respeitavam suas consciências, não uma ideologia acomodatícia.

É por isso que o Prêmio Nobel foi oferecido a Soljenítsyn pela “força ética com a qual buscou as tradições indispensáveis da literatura russa”. Força ética. Tradições indispensáveis. Dois pares que causaram muitos exílios, trabalhos forçados e execuções naquele país.

Os órgãos oficiais denunciaram o prêmio como sacrilégio. Soljenítsyn foi acusado de falta de sentimento patriótico e falta de princípios morais.

As mentes inconsequentes costumam questionar: por que um escritor deseja permanecer no país que está criticando? Nem mesmo é necessário responder, porque mentes inconsequentes não entenderiam. A pátria de alguém é a pátria de alguém é a pátria de alguém.

As pressões e ataques dividiram a vida de Boris Pasternak, que morreria em 1960; mas ele esteve disposto a morrer muito antes, a partir do momento quando entregou o manuscrito que chegaria à editora Feltrinelli. “Eu o convido para minha execução”, disse ao homem que recebeu de suas mãos o romance.

Soljenítsyn foi um soldado corajoso durante a Segunda Guerra Mundial, depois passou oito anos torturantes em um campo de trabalhos forçados, que agora chamamos de gulag devido ao seu romance Arquipélago gulag, e fora da prisão ele superou um câncer que foi diagnosticado como mortal. Portanto, ele não era o homem para se encolher diante dos seus inimigos vociferantes ou outras ameaças de prisão ou mesmo confinamento em um hospício. “Leões a mim?”, deve ter pensado.

Na batalha entre a intimidação e a bizarrice, venceu o bizarrice. Com a derrota do poderoso governo soviético, ele não teve escolha a não ser forçar o escritor a embarcar em um avião e colocá-lo em Frankfurt.

Soljenítsyn passou vinte anos no exílio. Mas primeiro caiu o comunismo caiu. E ele foi capaz de retornar à sua terra natal e viver naquela nova Rússia.

Os anos se passaram. A literatura sobrevive, os panfletos morrem. Políticos e funcionários morrem, a arte e o universal permanecem. Hoje se sabe que os piores que os porcos, os carentes de patriotismo e sem princípios éticos, não eram os perseguidos, mas os perseguidores. E sempre deve ser assim. 


* Este texto é a tradução de “Un Estado contra dos escritores”, publicado aqui em Letras Libres

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desvio, de Juan Francisco Moretti

Biografia involuntária dos amantes, de João Tordo

Fernando Pessoa: empregado de escritório, ocultista, galáxia de escritores

Boletim Letras 360º #437

Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes

Pão de Açúcar, de Afonso Reis Cabral