Boletim Letras 360º #239

Eis outra edição do Boletim Letras 360º. São as notícias copiadas do Letras no Facebook durante esta semana. A página alcançou agora a marca de 27 mil amigos. Novamente, só temos uma coisa a dizer: obrigado a todos!


Segunda-feira, 02/10

>>> Brasil: A moça do internato, de Nadiêjda Khvoshchínskaia é o primeiro texto da literatura russa a trazer uma personagem feminina com um discurso claro sobre a emancipação da mulher

Dentre as escritoras do século XIX que ajudaram a sedimentar a mulher como profissional de literatura e a agenciar representações de um feminino independente está Nadiêjda Khvoshchínskaia (1824-1889). A moça do internato é uma novela narrada em terceira pessoa, e estruturada em 13 capítulos. Liôlienka é uma jovem provinciana dos anos 1850 cuja vida muda ao conhecer Veritítsin, poeta e intelectual politicamente decadente que se torna seu vizinho. À adolescente, Veritítsin começa a apresentar leituras e visões de mundo que contestam os valores tradicionais, tais como a obrigatoriedade do casamento, o dia-a-dia na cidade, entre outras questões. Liôlienka se apaixona por ele, mas o poeta está interessado em outra mulher, Sofia Khmeliêvskaia.

>>> Espanha: Os leitores de língua espanhola recebem a edição de Historias, uma antologia com poemas inéditos do Prêmio Nobel de Literatura Juan Ramón Jiménez

Dos 61 textos que compõem a edição agora publicada pela Fundação José Manuel Lara, 27 são inéditos; são poemas escritos entre 1909 e 1912, uma época quando Juan Ramón começa a assumir seu destino como poeta. Esta é a etapa criativa mais produtiva e a mais triste da vida do escritor, de quando foi forçado voltar a Moguer depois da morte de seu pai e da ruína familiar. Juan Ramón se encontra ainda decepcionado com os ares modernistas de Madri. Situado entre a Geração de 1898 e a de 1927, e sem pertencer de um todo a a de 1914, o poeta se encontra exilado em nível criativo. Ainda assim são nesses anos que decide se dedicar à poesia. Nos textos de Historias, o poeta abandona as roupagens do modernismo e se dedica a um lirismo profundo — o que para a FJM é um ponto de conexão chave entre este trabalho e o seu mais famoso, o futuro Platero e eu. Aqui o espírito do poeta se abre ao entorno e ao sentimento, isto é, descobre que pode poetizar a realidade.

Terça-feira, 03/10

>>> Brasil: Livro recupera entrevista com um dos maiores escritores argentinos

Adolfo Bioy Casares nasceu em Buenos Aires no dia 15 de setembro de 1914. Segundo disse muitas vezes, preferia ignorar a existência de seus seis primeiros livros. Desde a publicação da memorável A invenção de Morel em 1940, até sua morte, na mesma cidade onde viveu, no dia 8 de março de 1999, foram quase sessenta anos de atividade dedicadas às letras; legou-nos uma obra narrativa riquíssima na variedade da criação, nas reflexões sutis e nos tantos matizes e detalhes que conformam o que não é possível de chamar se não de "boa literatura". Em "Sete conversas com Adolfo Bioy Casares, o leitor encontra um senhor que conversa e não um senhor que escreve. Páginas plenas de ideias inteligentes sobre diversos aspectos da literatura e dos segredos de sua criação, além, é claro, das muitas anedotas e chamativas confissões que lançam novas luzes sobre a personalidade do notável escritor. Editado entre os leitores de língua espanhola em 1999, a edição agora traduzida por Ana Flores sai pela Editora Penalux.

>>> Holanda: Chatbot conta a história de Anne Frank no Facebook

Distantes das famosas páginas do diário, os internautas poderão a partir de agora conversar com a Casa Museu Anne Frank através do Facebook por um chatbot que a instituição de Amsterdã lançou, primeiro para testes, desde março deste ano. O objetivo é o de levar a conhecer a história da célebre adolescente judia que morreu num campo de concentração durante os anos de horror do nazi-fascismo. “No mundo atual, a história de Anne Frank é mais relevante do que nunca”, afirmou o diretor do museu Ronald Leopold. Este se trata do primeiro chatbot no mundo para um museu. “Mais de 70 anos depois da guerra, a metade dos nossos visitantes têm menos de 30 anos, portanto é preciso encontrar novas maneiras de dar um contexto histórico fiável para criar uma conexão com a história”. Um chatbot é um programa de informática através do qual os usuários podem dialogar diretamente através do Facebook Massenger. Baseado na inteligência artificial, espera-se que o programa se aperfeiçoe a cada nova entrada dos usuários. Anne Frank, nascida na Alemanha em 12 de junho de 1929, deixou o país junto com a família em 1933 em fuga das tropas de Hitler. Tornaram-se clandestinos em 1942 num bunker por detrás de uma falsa biblioteca. Ficaram aí até agosto de 1944, quando foram descobertos e deportados. O diário de Anne Frank, que recentemente ganhou uma versão em HQ já foi traduzido para mais de seis dezenas de línguas.

Quarta-feira, 04/10

>>> Brasil: O novo romance de José Luiz Passos

A ideia proposta ao escritor era de um projeto que reunisse textos em domínio público que falassem do primeiro momento da República Velha (1889-1930), e que ajudassem a entender a ideia de República no Brasil. O livro faria uma ponte com o romance O marechal de costas. Mas dessa ideia inicial, de um ano atrás, acabou surgindo outro romance. Um romance em que o escritor manteve o título de “antologia”: Antologia fantástica da República brasileira. “Na Antologia o que quis mostrar foi uma sequência de tentativas frustradas de representação de nossos anseios políticos e momentos de profunda assimetria de poder entre grupos e cidadãos” — assim o escritor resume seu novo romance, espécie de baú em que gêneros literários se intercalam contando ao final uma só narrativa: a da nossa tumultuada República. Da Revolução Pernambucana à crise política que levou Temer ao poder em 2016. A edição é do Selo Suplemento Pernambuco.

>>> Inglaterra: A última carta de Dickens. Para o amigo Hans Christian Andersen

Ainda não foi aprofundado pelos especialistas qual o motivo do fim da amizade que uniu as duas referências da literatura do século XIX. Se foi depois de uma estadia de Andersen na casa de Dickens quando foi ir pelos ares a fraternidade dos dois. As suspeitas se mantém em torno desse episódio agora que os biógrafos dos dois tornaram pública uma carta assinada pelo escritor inglês que foi vendida por algo próximo a vinte mil reais. Nela se descreve alguns dos hábitos mais irritantes de quando foi seu convidado ao longo de cinco semanas. No convite, o autor de “Oliver Twist” chamava Andersen para passar algumas semanas do verão de 1857 na sua casa em Kent. Andersen, emocionado ante tal proposta, respondeu à carta assegurando que não lhe causaria nenhuma implicância durante sua estadia. Mas, o vitoriano não deixou de medir tais implicâncias. Na carta cujo destinatário era o então primeiro-ministro Lord John Russell, escreveu: “Falava francês como ‘Peter the Wild Boy’ (o menino selvagem alemão) e inglês como um de ‘Deaf and Dumb School’ (uma escola para surdos) [...] Não conseguia pronunciar o nome de seu próprio libro “The Improvisatore”, em italiano; e seu tradutor parece dar entender que não sabe falar dinamarquês. A origem da amizade dos dois remonta a junho de 1847 quando se conheceram num jantar na casa da condessa de Blessington. Andersen também não deixou de oferecer suas alfinetadas ao amigo. Depois de ir embora da casa de Dickens reclamou do frio excessivo na casa de Gad Hill Place e a ausência de alguém que lhe aparasse as barbas.

Quinta-feira, 05/10

>>> Suécia: O Prêmio Nobel 2017 foi para Kazuo Ishiguro

O escritor levou o prêmio porque "em seus romances de grande força emocional, revelou o abismo sob nossa sensação ilusória de conexão com o mundo". Ishiguro nasceu em Nagasaki, no Japão, em 1954, e mudou-se para a Inglaterra aos cinco anos de idade. É autor de oito livros (sete romances e uma coletânea de contos): cinco deles foram publicados no Brasil pela Companhia das Letras​: Os vestígios do dia (vencedor do Booker Prize de 1989), Não me abandone jamais, Quando éramos órfãos, Noturnos e O gigante enterrado, seu romance mais recente publicado em 2015. Saíram aqui ainda Um artista do mundo flutuanteO desconsolado e Uma pálida visão dos montes, pela Editora Rocco​, A obra de Ishiguro está traduzida para 50 idiomas.

>>> Brasil: Novos títulos de de Philip K. Dick ganham edição por aqui partir de 2018

A Alfaguara Brasil comprou os direitos de quatro títulos do escritor. A primeiras publicações a chegar às livrarias são A Maze of Death [Labirinto da morte], cuja tradução no Brasil data de meados dos anos oitenta, e Time out of Joint [Tempo desconjuntado]. O primeiro trata-se de um romance no qual mortes inexplicáveis acontecem entre colonizadores de um planeta desconhecido; porém, sem que saibam, estão todos perdidos nos confins do espaço, apenas matando tempo antes de morrer. O outro título, é a história de Ragle Gumm; a personagem tem uma vida calma e fácil até que, subitamente, começa, acontecer-lhe estranhas coisas de origem logicamente inexplicável.

>>> Brasil: Os leitores brasileiros têm novo contato com a obra da escritora portuguesa Patricia Portela

A coleção privada de Acácio Nobre é a próxima edição dentre os títulos já publicados no Brasil pela Dublinense Editora. Outros já presentes em seu catálogo são José Luis Peixoto, Gonçalo M. Tavares e David Machado. Em Portugal, o livro é apresentado como uma recolha, "ao longo de 16 anos, cartas, diários, testemunhos, maquetas de jogos e armadilhas de Acácio Nobre (1869?-1968), um construtor de puzzles geométricos visionário no século XIX que uma ditadura silenciou no século XX e (quase) eliminou de uma História que ainda assim influenciou, de forma subtil e anónima, introduzindo uma marca indelével e inevitável nos séculos vindouros, como o nosso". Antes deste título, Patricia já havia publicado por aqui, no âmbito da coleção "Novíssimos", da Editora LeYa, Para cima e não para norte.

Sexta-feira, 06/10

>>> Brasil: Um russo inédito por aqui, Friedrich Gorenstein

A tradução de Irineu Franco Perpetuo e Moissei Mountian apresenta Salmo, de 1975 do escritor russo. É uma trama fantástica baseada na passagem mítica do Anticristo pela URSS entre 1933 e 1973. Ao longo de 40 anos, o Anticristo é testemunha de momentos cruciais da história soviética, como a fome nos anos 1930, a invasão dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, a evacuação, o pós-guerra, a censura stalinista etc. Estruturado em cinco partes, a narrativa de Salmo aborda quatro grandes flagelos divinos: a fome, a espada, a luxúria e a doença, por meio de personagens vívidas e tocantes, como a jovem e melíflua Maria, nascida em uma pequena aldeia da Ucrânia, e Ánnuchka, da cidade de Rjév, que surgem em histórias cujas imagens impressionam pela força poética. Seguindo a tradição de autores como Thomas Mann em José e seus irmãos e Mikhail Bulgákov em Mestre e Margarida, Gorenstein utiliza passagens bíblicas como base de seu enredo, mas o faz a sua maneira: transporta-as diretamente para o século XX. O livro sai pela Editora Kalinka.

>>> Brasil: Há muito prometida, eis uma antologia que reúne a poesia completa do poeta Alberto da Cunha Melo

A notícia sobre esta edição data de meses depois da morte de Cunha Melo, ocorrida em outubro de 2007. Dez anos depois, a Editora Record apresenta Poesia completa. Surgido em 1966 com o livro Círculo cósmico Alberto da Cunha Melo, que experimentou relativo anonimato — devido, em parte, a sua modéstia excessiva enquanto escritor, noutra, às circunstâncias de produção e circulação da escrita no país, pouco favoráveis à instituição da literatura como prática social —, a antologia sai graças o extenso trabalho de sua companheira, Cláudia Cordeiro Tavares da Cunha Melo, quem organiza a edição e cuida do inventário criativo do poeta.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #292

O anel do general, de Selma Lagerlöf

Lydia, de Pedro Belo Clara

José Saramago, o ano de 1998

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais

“Por favor, ajuda-me, meu bom Deus, a ser uma boa escritora”

Uma mulher fantástica, de Sebástian Lelio

Madame Bovary: erotismo e sensualidade

Boletim Letras 360º #293