Um ensaio compila os gênios da erudição

Por Álex Vicente



 
O que é um polímata? O dicionário define o termo, derivado do grego, como uma pessoa “com grandes conhecimentos em diversas matérias científicas ou humanísticas”. O grande historiador cultural Peter Burke oferece em seu novo ensaio, O polímata (Editora Unesp, 2020), uma descrição muito mais detalhada para entender quais foram os “monstros da erudição” que conseguiram oferecer contribuições simultâneas em diversos campos, de Leonardo da Vinci a Susan Sontag. “Para ser um polímata, é preciso ter um sentido de curiosidade maior que o restante das pessoas e um bom sentido da analogia, a amplitude suficiente de olhar para acreditar que as soluções que alguém encontra numa área do saber servirão para outra”, registra em entrevista o professor emérito de história cultural depois de ter sido professor no prestigiado Emmanuel College por quatro décadas.
 
A lista feita por Burke em seu livro alcança cinco centenas de nomes, de Comenius a Oliver Sacks, passando por Alberto Magno, John Dee, Newton, Jefferson, Humboldt, Pascal, Montesquieu, Voltaire, Marx ou George Eliot. O autor considera que a história nem sempre os trataram merecidamente. Na era da especialização acadêmica, tem dominado certa reticência em admitir que existiram personalidades que romperam as regras do conhecimento fragmentado que reina no presente e conseguiram expandir as fronteiras do saber. “Personalidades com múltiplos interesses, de Leibniz a Borges, são recordadas por apenas uma de suas diferentes facetas. É mais fácil lembrar o passado de uma maneira que se acomode ao presente”, sustenta Burke, que não considera que ele próprio se ajuste à definição de polímata, apesar dos seus conhecimentos diversos em história, filosofia, sociologia, antropologia, economia e política. “Mas não sei nada sobre ciência, sou terrivelmente ignorante nesse campo”, se desculpa. “Se sou um polímata, é num sentido muito light”.
 
Ainda assim, seu ensaio pode ser lido em chave autobiográfica, como uma apologia da interdisciplinaridade, que terá sido, durante uma longa e brilhante trajetória acadêmica de seis décadas, sua maneira de apreender a vida intelectual. Sendo um historiador do século vinte, Burke deixou Oxford, onde havia se formado no lendário St. John’s College, para trabalhar como professor em Sussex, onde abriu uma das new universities estabelecidas depois da Segunda Guerra Mundial, com liberdade para oferecer um novo tipo de aprendizagem multidisciplinar. Em 2003, essa universidade decidiu adotar um currículo mais tradicional, separado em profissões. “Fizeram isso porque diziam que os bons estudantes não queriam estudar aí. Com o tempo, apareceu uma geração pragmática que se preocupava com encontrar um trabalho”, explica o historiador. “Entendo os tempos de crise e, talvez, acredito que se equivocam: as empresas continuam buscando indivíduos com grande flexibilidade intelectual”.
 
O próprio Burke acabou deixando Sussex no final dos anos 1970 para se fixar em Cambridge, com um plano de estudos muito mais conservador, mas ministrou seus seminários em nove faculdades diferentes, até se aposentar em 2004, quando a internet já havia alterado definitivamente nosso acesso á informação. Esse processo se acelerou desde então, o que o preocupa. “Talvez estejamos perdendo a capacidade de ler à moda antiga, de maneira linear, do começo ao fim”, aponta. “Sei que pessoas que afirmam que, apesar de adorar a tecnologia, estão preocupadas com os seus efeitos no cérebro humano. Se isso se generaliza, teremos um problema.” Quando deixa o seu gabinete, forrado com tapeçaria em tom celeste e extremamente british, sempre perde alguns minutos conversando com estudantes que jogam crocket num claustro saído de um oscarizável drama histórico. Perguntamos se detecta neles uma menor capacidade intelectual que a sua. “Sigo tendo conversas muito interessantes com eles e não acredito que padeçam algum mal. Mas sim penso que exista perdas ligadas às ganâncias da tecnologia atualmente…”
 
A internet pode ser a invenção perfeita para que o mundo se converta num polímata. Na verdade, seu livro sugere que pode provocar uma overdose de informação que, paradoxalmente, nos torne mais ignorantes, como já aconteceu depois da invenção da imprensa. “Existe uma tentação de o intelectual ser cada vez mais preguiçoso, de recorrer ao Google ou à Siri a todo tempo. É muito prático conhecer a distância entre Londres e Edimburgo num par de segundos. Agora, se todo mundo se firma nessa posição, quem começará a medir os quilômetros? Quem sentirá o incentivo de se converter em acadêmico ou em polímata?” Burke espera que seu livro não seja “uma elegia ao polímata”, mesmo preocupado que acabe se tornando esse o caso.
 
Peter Burke não comete o mesmo erro que tantos outros antes dele, que nos séculos passados disseram, como relata em seu livro, que o tempo da grande erudição terminaria com suas mortes? “Na verdade, estou aberto à ideia de que exista algum entre nós, mas não me ocorre nenhum nascido depois de 1960”. Em seu livro, o mais jovem dos quinhentos polímatas citados, todos mortos, é o paleontólogo, biólogo, geólogo e historiador Stephen J. Gould, nascido em 1941. Embora, no último minuto, Burke decidiu acrescentar um apêndice com alguns vivos. “Fui advertido por minha companheira que, se não fizesse isso, ia ganhar muitos inimigos”, sorri.
 
Entre eles, surpreende a presença de muitas mulheres que se firmaram a partir dos estudos de gênero, como Judith Butler, Gayatri Spivak ou Julia Mitchell, que vive na esquina próxima; todas elas são exemplos de interdisciplinaridade contemporânea. Não são as primeiras eruditas que aparecem no livro, mesmo que não sejam muitas, visto que foram excluídas durante muito tempo do mundo acadêmico (ou marginalizadas, no melhor dos casos): o autor cita Hildegard von Bingen, Margaret Cavendish, Margarida da Suécia, Sor Inés Juana de la Cruz ou Madame de Staël.
 
O ensaio aponta ainda as falhas trágicas destes heróis intelectuais. Em primeiro lugar, a chamada síndrome de Leonardo, ou a incapacidade de concluir uma investigação, ao ter a mente dispersa em diferentes campos do saber. E, em segundo, certa arrogância, que Burke detecta em George Steiner ou em Foucault, quem seu amigo Carlo Ginzburg apelidou certa vez de “charlatão”, tal como Isaiah Berlin fez com Derrida. “Contudo, prefiro a arrogância do conhecimento a ignorância”, joga. A esse tema dedicará seu próprio ensaio, uma história cultural da indigência intelectual, previsto para 2023. “É um assunto que sempre fez parte do que somos e que continua tendo um grande futuro pela frente”, conclui.
 
* Este texto é a tradução livre de “Qué une a Leonardo da Vinci y a Susan Sontag: un ensayo recopila a los genios de la erudición”, publicado aqui, no jornal El País.
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os nomes que fizeram o nome Saramago

Sartre e a recusa do Prêmio Nobel de Literatura

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Boletim Letras 360º #491

Os desenhos de Bukowski

Os filhos de Eros: homossexualidade militar na Grécia Clássica