Memorial do convento, de José Saramago

Por Pedro Fernandes



Acabei de reler e tenho obrigação de postar minhas reimpressões acerca desta grande obra da literatura em língua portuguesa. Falo de Memorial do convento, do escritor português José Saramago. O texto está em sua 33ª edição, publicada em 2007, no Brasil, pela editora Bertrand Brasil. Este título e Levantado do chão, enquanto todos os demais estão sob a publicação da Companhia das Letras. Uma suposta impressão sobre o mercado editorial: parece que a Bertrand tinha interesse, mas a outra editora atravessou-se no caminho e fez, certamente, uma boa escolha. Se o Memorial encontra-se no Brasil na edição em que se encontra (e o nosso país é não raras vezes acusado de ser um país de maus leitores) é prova de Saramago é, além de bom escritor, alguém que vende muito.

De fato, este livro assinala uma ruptura com o esquecimento em torno da obra do português. Basta uma pesquisa simples em torno de quem era José Saramago desde a publicação de seu primeiro romance, o Terra do pecado ou mesmo de Manual de pintura e caligrafia e pouco se encontrará de crítica sobre sua obra. O primeiro êxito será alcançado, evidentemente, com a chegada de Levantado do chão, mas, ainda não será este o romance de projeção. Resta, portanto, o Memorial; texto de um alto investimento criativo do escritor, é o livro que leva ser reconhecido no seu país (embora haja controvérsias sobre esse reconhecimento, o que não é novidade, as pérolas de casa só brilham na casa do vizinho), mas internacionalmente. Este é talvez seu romance mais traduzido no mundo. 

Trata-se de um texto memorável como já se é de esperar do escritor de Ensaio sobre a cegueira. Portando sua linguagem escorreita que margeia através da escrita os quatro pontos cardeais das páginas do livro, Memorial do convento é o retrato outro – apesar de um texto ficcional – da formação histórico-social portuguesa. Integra, portanto, o rol dos romances em que essa é uma temática inerente  como Levantado do chão, História do cerco de Lisboa O ano da morte de Ricardo Reis. 

Nele, além de se entrever um reengendrar da história oficial portuguesa, assiste-se também as raízes que viriam fundar outros grandes romances do escritor; digo isso porque vejo muitos materiais que serão retrabalhados em textos posteriores a este, qual seja o tema da visão: Blimunda, uma das personagens principais do romance, é a que tem o misterioso poder de ver o que está por debaixo da pele das pessoas. O que salta aos olhos do leitor de Memorial do convento é o aprimoramento sobre a construção de um narrador brilhante, polido no caráter da observação, sarcástico e irônico para com os fatos que vão se desenrolando ao longo da diegese.

O romance que a princípio se propõe narrar sobre a construção de um convento em Mafra, erguido depois de uma promessa do rei português para conseguir um herdeiro ao trono – coisa que desde que se casara vinha tentando – se dedica mesmo é a narrar a história daqueles que o construíram, representados, não apenas pelo acompanhamento do trabalho e os desmandos da Coroa sobre sua população, mas pelo trabalho de Baltasar. Essa personagem é um ex-combatente que foi mandado embora do front da Guerra de Sucessão depois de perder a mão e ela é uma das que vão trabalhar nas obras de fundação do convento. 

Mas, o Memorial não é somente a história de trabalhadores. O tema já bem desenvolvido em Levantado do chão, por exemplo, alcança outra dimensão neste romance: o da história de amor. Não de um amor impossível como eram os romances de seu tempo, mas um amor, que em silêncio subverte a ordem dominante: o amor entre esse soldado maneta e Blimunda. Um amor que, junto com a capacidade criativa de um padre, o brasileiro Bartolomeu de Gusmão, é capaz de colocar em órbita a primeira máquina a voar: uma passarola, erguida, ironicamente, pelas vontades das pessoas, um combustível trazido por Blimunda e sua capacidade de ver interior das pessoas.

O exercício de visitação da história não é, portanto, apenas um recontar, mas um problematizar a história, um provocar a dizer aquilo que ela oculta; tem lugar aqui, por exemplo, o destronamento do oficial pelo que poderia ser como é percebido pela elevação dos da margem e o rebaixamento das figuras da corte. Só este exercício é já suficiente para dizer que estamos diante de um grande romance. Mas, há mais. Muito mais. Que o leitor atento deve descobrir na leitura acurada da obra.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão