A Caverna, de José Saramago

Por Pedro Fernandes


O escritor José Saramago no lançamento de A caverna no Brasil, em 2000. 


A caverna foi publicado em 2000. Vem, portanto, cercado pelo O homem duplicado (2002) e Todos os nomes (1997). É novamente um romance cuja narrativa traz o que a crítica literária tem chamado de fase da escrita que se volta para as questões em derredor do homem e do mundo contemporâneo, uma realidade fugidia, conforme bem assinalou o Comitê do Prêmio Nobel em 1998, quando da comunicação do prêmio ao escritor.

Trata-se do romance mais mal-quisto pela crítica. Esse livro e aquele outro de poemas, O ano de 1993 (1975). O que, a meu ver, conjuga-se como um grande equívoco. Todo escritor, é verdade, tem seus momentos mais felizes de criação e outros nem tanto; se a crítica quer-lhe mal é problema da crítica; sou dos que acreditam que o trabalho do criador deva ser respeitado e os problemas que existirem sobre a obra não sirvam de rebaixamento da sua figura.

No itinerário de leitura apaixonada da obra do escritor português este é o último livro da safra do Prêmio Nobel de Literatura que acabei de ler; há ainda muitos outros e que espero ter fôlego de comentar um a um para os leitores. Esta, afinal, é a tarefa  (para não dizer missão) de um leitor: falar sobre suas leituras para formar outros sujeitos que se interessem pela obra. E, antes mesmo de redigir melhor minha compreensão sobre o que li, já recomendo a leitura de A caverna.

Capa da edição brasileira de A caverna. Um romance
com enredo simples e reflexões muito contemporâneas e
profundas. Um legítimo Saramago.

É um romance com um enredo muito simples, mas com reflexões muito contemporâneas e profundas sobre o levante do capital e o massacre de nosso lugar enquanto figuras humanas. É a obra em que melhor se revela a posição marxista de José Saramago porque é uma crítica muito aberta sobre a perda da coletividade, o aumento do individualismo e a subordinação do homem ao consumo pelo consumo.

Trata-se de um retrato por aproximação do tão conhecido mito da caverna de Platão. O livro nasceu, segundo o próprio escritor em entrevistas da época, quando da sua viagem ao Brasil e do contato que teve com artesãos do barro numa dessas feiras montadas para turista ver, no Rio de Janeiro. Nele, os habitantes dessa releitura a Saramago do referido mito, estão imersos noutra caverna, mais contemporânea e corriqueira, tão corriqueira que certamente todos nós, de uma forma ou de outra, estamos encerrados nela: o Centro Comercial, alçado aqui à posição de uma alegoria sobre os simulacros da vida urbana e individualizada.

O Centro Comercial nada mais é do que um shopping center atrelado a um condomínio desses de luxo e mostra como uma espécie de lugar voltado para um modo de vida totalmente contraposto ao que leva a família Algor, desde já, um dos melhores núcleos de personagem criado por José Saramago; porque têm um laço de aproximação tão maternal, tão humano, que no mundo de hoje, chega a parecer ficção científica. Esse contato com os Algor (e agora vou buscar um apelo familiar que talvez tenha me tocado tanto) lembrou-me muito de minha primeira infância e adolescência, do convívio com meus pais e avós na labuta no campo em proveito de satisfazer a ganância do mercado. Com os Algor, meus pais, que já tentaram de tudo um pouco para ganhar a vida, também tiveram de vender sua pequena produção (não de cerâmica) mais agrícola para a cidade e, em grande parte das vezes, o interesse dos compradores sempre esteve preso ao interesse do bom produto por um preço muito inferior ao trabalho de cultivo.

Mas, flasbacks pessoais à parte, Cipriano Algor é um artesão do barro que mantém laços comerciais com o Centro, até o dia em que as pessoas deixam de fazer uso dos artefatos de barro em troca por outros mais sofisticados, herdeiros do combustível-motor do mundo, o plástico. O fim das atividades da olaria dos Algor faz, como muito é do conhecimento dos países que ainda padecem com os processos de urbanização, como o Brasil, a família mudar-se para o Centro em companhia da filha Marta, casada com Marçal, um guarda empregado do Centro.

Nesse percurso não se pode deixar de lado a presença de outra personagem que como aquela do livro brasileiro Vidas secas, de Graciliano Ramos, é tão importante quanto as personagens de acabo de falar: o cão Achado, protagonista por excelência dos fatos/sentimentos de toda narrativa.

Também por aproximação pode-se entender a ponto de dizer que o que Saramago quer com esse livro - o que sobressai como algo notável e comum a todos os outros romances do escritor (ao menos os que já li até agora) - é o entendimento por parte do leitor de que aquele mito de Platão nunca esteve tão em voga como contemporaneamente.

Essa reflexão que fazia enquanto lia o livro pude corroborar com uma fala do próprio escritor. Refiro-me ao documentário Janela da alma dos brasileiros João Jardim e Walter Carvalho que trata sobre o tema da visão a partir do depoimento de dezenove personalidades que têm alguma forma de problema visual; além de José Saramago, estão nesse grupo nomes com o querido Manoel de Barros.

É na comum e simples cena de comportamento zumbi, que notadamente marca os sujeitos diante das vitrines ou com futilidades outras por horas e horas nos shoppings centers, por exemplo, que Saramago depura seu olhar, pela lente do mito da caverna de Platão, para o entendimento de sua tese, a da fragmentação ou virtualização da sociedade e dos sujeitos pelo consumismo.

Essa aparente simples constatação é fundamental para entender o livro e para entender a preocupação ideológica do escritor português. Se bem repararmos essa constatação em torno d'A caverna é algo que se aplica a romances outros do escritor, como o notadamente Ensaio sobre a cegueira. A grande crise pela qual passa a sociedade é a de se prender em valores que cada vez mais torna o homem distante daquilo que o define como ser humano.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325