Um dia depois do Dia D, um pouco mais sobre Carlos Drummond de Andrade

Por Pedro Fernandes

Carlos Drummond de Andrade em Ouro Preto.


Em 2008, quando eu concluí o curso “A constituição do moderno texto poético”, feito com o Prof. Dr. Derivaldo Santos, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, escrevi um pequeno texto cujo o título era “A marca regionalista como constituinte do moderno texto poético: um estudo do poema ‘Episódio’, de Carlos Drummond de Andrade”. 

Neste texto que agora compartilho por aqui, discuto como alguns elementos do interior de Minas Gerais, terra do poeta, aparecem refigurados no interior de muitos de seus poemas; no caso em análise, a ênfase, claro está, recai sobre “Episódio”, poema incluído em A rosa do povo, um dos livros de Carlos Drummond de Andrade que aparece na minha lista dos mais queridos.

Este texto, com sua simplicidade e suas faltas, chegou a ser apresentado durante o 1.º Colóquio Nacional de Linguagem e Discurso (CONLID), realizado em 2008, em Mossoró. E foi publicado neste mesmo ano nas atas do referido evento.

Um dia pós-Dia D, a data criada pelo Instituto Moreira Salles (IMS) para assinalar o aniversário de Carlos Drummond de Andrade, me junto às celebrações e reproduzo aqui, para os leitores de Letras in.verso e re.verso o texto de 2008; Dia de Drummond, convenhamos, é todo o dia. O texto está aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Desvio, de Juan Francisco Moretti

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

Quando Tchekhov saiu à procura do inferno

O mulato, de Aluísio Azevedo

Boletim Letras 360º #425