Carlos Drummond de Andrade e o cinema

Cineteatro Glória, em Belo Horizonte, 1929. Depois que foi para BH, na década de 30 Drummond esteve aí várias vezes e anotou no seu diário o título dos filmes assistidos. Foto: Acervo do Museu Histórico Abílio Barreto

"só quem assistiu à infância do cinema no Brasil pode avaliar o que era essa magia dominical das fitas francesas e italianas, sonho da semana inteira."
Drummond, Tempo vida poesia


Não seria o primeiro certamente que teve atração pela sétima arte. No catálogo da exposição José Saramago – a consistência dos sonhos, organizada por Fernando Gómez Aguillera, há uma lista expressa de filmes que o escritor português assistiu e anotou o feito. Foi olhando para essa galeria bem particular que decidi por procurar sobre a relação de Carlos Drummond de Andrade com o cinema. Outro princípio também é o fato de o próprio poeta ter atuado num documentário dirigido por Fernando Sabino e David Neves, em 1972, O fazendeiro do ar, título que faz menção ao título homônimo de uma obra de Drummond publicada em 1954, Fazendeiro do ar e poesia até agora.

Os registros da relação do poeta mineiro com a sétima arte estão em muitas das suas crônicas. Lê-se a sua admiração num texto do gênero, publicado em 1955, dedicado a Greta Garbo e poema mesmo para atriz, publicado na sua obra póstuma Farewell. Carlitos, as antigas salas de exibição, que o próprio frequentou desde a infância. O hobby se manteve mesmo quando foi para Belo Horizonte, nos anos 30, e, como Saramago, fez notas de alguns dos filmes que assistiu.

Mas, além da proximidade como telespectador e ator, a obra do poeta foi não uma vez, mas duas, três, quatro vezes posta nas telas. Sem contar, evidentemente, os vários curta-documentários produzidos por emissoras de TV. 

Destaques para O padre e a moça, adaptação do poema narrativo de Lição de coisas. O filme é de Joaquim Pedro de Andrade e foi produzido em 1966. Depois O vestido, finalizado em 2004, sob direção de Paulo Thiago. O filme tem por base o poema de A rosa do povo, “O caso do vestido”. Destaque também para os documentários O amor natural, de Heddy Honigmann, e Poeta de sete faces também de Paulo Thiago.

O Letras elaborou um folder com informações básicas sobre esses quatro filmes, reunindo imagens e os poemas base para as produções.




***

No canal do Letras no Youtube os leitores podem conferir dois vídeos: o curta documentário Drummond, testemunho da experiência humana, dirigido por Maria de Andrade. O vídeo faz um apanhado da trajetória biográfica de Drummond, suas múltiplas faces (como cronista, contista e poeta). O outro é curta documentário O fazendeiro do ar, citado no início deste post e produzido por Fernando Sabino e David Neves. Aqui, o poeta faz papel de si próprio, na sua relação com o Rio de Janeiro, na sua saudade de Minas, por entre as pilastras do Ministério da Educação, onde trabalhou como chefe de gabinete do ministro Gustavo Capanema.


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath