Boletim Letras 360º #219

Aproveitamos a ocasião em que falaremos sobre a reedição de dois novos títulos da obra de Lima Barreto para dizer que estamos com chamada aberta para a recepção de textos sobre o escritor e sua literatura. Os interessados devem fazer sua proposta até o dia 31 de maio. Leia mais aqui. E, ainda estão abertas as inscrições para concorrer a um exemplar de Contos reunidos, de Dostoiévski. O sorteio acontecerá quando confirmarmos a 200ª inscrição. Para participar da brincadeira basta pedir entrada no Grupo do Letras in.verso e re.verso no Facebook. Outros bons motivos de fazer parte deste espaço é poder melhor interagir com leitores de várias partes do globo e ficar por dentro das publicações do blog sempre em primeira-mão.



Segunda-feira, 15/05

>>> Brasil: O mais recente romance de Haruki Murakami sairá por aqui em 2018

A edição de Killing Commendatore sairá, como na original, em dois volumes. O interesse da Alfaguara Brasil é publicar o primeiro ainda em dezembro do próximo ano, quando o livro chega às livrarias nos Estados Unidos. A obra foi publicada no Japão em fevereiro. Nessa ocasião, a editora havia revelado apenas o título e nada mais. Mas, segundo o Asahi Shimbun, Kunio Nakamura, e dono do Rokujigen, café que virou ponto de encontro dos fãs da obra do escritor japonês, o novo livro é: "Numa palavra, é o best hits album”. E acrescenta: “Imagens que só o Haruki consegue revelar e que só podem ser encontradas através do seu trabalho. É um tesouro de metáforas. Eu recomendo-o mesmo para leitores que nunca leram o autor, porque o romance desenvolve-se numa forma muito suave e ritmada". A narrativa de Killing Commendatore acompanha "um artista de retratos que é desconhecido e que se muda do seu condomínio em Tóquio para uma casa antiga nos arredores de Odawara, uma cidade japonesa localizada na província de Kanagawa, isto depois da sua esposa pedir o divórcio. Entre muitas questões que a personagem principal enfrenta, uma delas é o sentido de uma pintura que encontra no sótão assim como o passado de um homem com um nome estranho e que o artista acaba por conhecer".

>>> Brasil: O último grito, um romance sobre as ameaças e contradições do século digital

O mais recente livro de Thomas Pynchon, volta ao tempo de meses antes do ataque terrorista contra as Torres Gêmeas. A simpática Maxine, uma especialista em fraudes fiscais, é contratada por um documentarista para investigar as movimentações suspeitas de uma start-up. A trilha do dinheiro desviado parece levar a Gabriel Ice, misterioso investidor que anda interessado em comprar o código-fonte do DeepArcher, um novo videogame que transforma a deep web numa realidade virtual habitável. Todas as pistas levam a mais pistas, e os desdobramentos incluem o financiamento secreto de terroristas, contrabando de sorvete russo proibido e os meandros do mundo nerd da virada do milênio. Meio história de detetive, meio cyberpunk, híbrido de comédia familiar e thriller sobre terrorismo, O último grito é apresentado como um romance inesquecível, obra máxima de um dos escritores mais cultuados do nosso tempo. A edição é da Companhia das Letras.

Terça-feira, 16/05

>>> Brasil: No ano de Lima Barreto, duas novas reedições da obra do escritor

Sai pela conceituada Editora Carambaia Numa e a Ninfa e Os bruzundangas. O primeiro romance foi em 1915 como folhetim pelo jornal A Noite, no Rio de Janeiro e reproduz de forma crítica o clima em que se deu o governo do marechal Hermes da Fonseca, retratado pela personagem Bentes. Já o segundo, uma de suas obras mais conhecidas, é uma sátira da vida brasileira nos primeiros anos da Primeira República; Bruzundanga é um país fictício, onde havia, tal como nesse contexto, diversos problemas sociais, econômicos e culturais, entre os quais os títulos acadêmicos possuídos pelos ricos que eram não mais que pseudo-eruditos.

>>> Brasil: Nova edição para Os miseráveis, de Victor Hugo sai pela Penguin / Companhia

Do catálogo da extinta Cosac Naify este talvez tenha sido o título que mais deu retornos para a editora. Uma pesquisa em sebos levará o leitor a encontrar pelo menos quatro edições com trabalho estético e gráfico diferenciados: uma caixa com dois volumes em tamanho tradicional, outra em tamanho de bolso e mais outras duas em tamanho tradicional, capa dura e num só volume. Agora, a tradução de Frederico Ozanam Pessoa de Barros com apresentação de Renato Janine Ribeiro ganha outra roupagem e é mais um título da antiga editora que reaparece para os leitores. Considerado a obra-prima de Victor Hugo, este romance se desdobra em muitos: é uma história de injustiça e heroísmo, mas também uma ode ao amor e também um panorama político e social da Paris do século XIX. Pela história de Jean Valjean, que ficou anos preso por roubar um pão para alimentar sua família e que sai da prisão determinado a deixar para trás seu passado criminoso, conhecemos a fundo a capital francesa e seu povo, o verdadeiro protagonista. Na via crucis que é o romance sobre a vida de Valjean, são retraçadas as misérias cotidianas e os dias de glória do povo francês, que fez das ruas seu campo de batalha e das barricadas a única proteção possível contra a violência cometida pela lei. Ah, a nova edição traz todo conteúdo num só volume!

>>> Brasil: Uma nova editora. A Artes & Ecos apresenta-se como um espaço para edição de livros de poesia, ensaios sobre arte e psicanálise

Foram apresentados os quatro primeiros títulos da casa. Todos de poesia, conciliando autores experientes com destaques mais jovens. Ricardo Silvestrin e Celso Gutfreind publicaram respectivamente Prêt-à-Porter e Tesouro secundário, enquanto Cristian Verardi marca sua estreia literária com O Diabo belisca meus calcanhares, e Lucas Krüger lança seu segundo livro, Homenagem à nuvem. A editora não pretende oferecer seus títulos em livrarias, mas diretamente aos leitores pela internet através do site arteseecos.com.br

Quarta-feira, 17/05

>>> Brasil: Três livros de Jorge Luis Borges num só. O Martín Fierro, Para as seis cordas & Evaristo Carriego

O Borges que emerge das páginas destes três livros é um escritor profundamente embrenhado na memória cultural argentina. Escrito em 1953, o primeiro título traz uma fina análise do poema homônimo, composto no século XIX por José Hernández e considerado obra fundadora da literatura de seu país. O segundo livro data de 1965, e nele Borges lida com a milonga, forma poética e musical precursora do tango, calcada na tradição dos cantores populares. Já em Evaristo Carriego, concluído em 1930, Borges discute a obra do poeta, a quem conheceu pessoalmente e que se confunde com o bairro de Palermo, em Buenos Aires, onde Carriego passou a maior parte da vida. A edição chega ao Brasil no âmbito da organização de sua obra completa do escritor argentino pela Companhia das Letras e da publicação pela mesma casa editorial de uma ambiciosa enciclopédia sobre Borges (cf. noticiamos por aqui).

>>> Brasil: Duas obras de Yasunari Kawabata ganham reedição

Saem pela Editora Estação Liberdade, O som da montanha e Mil tsurus. No primeiro encontramos a história de Shingo Ogata, quem a cada dia trava novos confrontos com a memória que desvanece. Preocupado com a decadência moral de seus descendentes, divide-se entre a difícil função de chefe de família e o clamor da beleza que o traga a todo instante para paisagens que estão além de seu convívio com os homens. Ao lado de O país das neves também editado pela Estação Liberdade e a segunda obra ora reeditada, este romance forma a chamada "trilogia dos sentimentos humanos", citada pela Academia Sueca na ocasião da entrega do prêmio Nobel de Literatura a Kawabata. A presente obra constitui um exercício estilístico de rara felicidade: resultado da busca de vida inteira pela depuração total da arte romanesca, a simplicidade do narrar aqui se apresenta plena, suave, homogênea. Mil tsurus foi publicado originalmente em capítulos por revistas japonesas entre os anos de 1949 e 1951, período de reconstrução de um Japão devastado pela Segunda Guerra. Nesse contexto em que a sociedade japonesa se reestruturava e também se abria para o Ocidente, Kawabata resgata valores tradicionais de seu país, fazendo da cerimônia do chá o pano de fundo para a história aí contada. Kikuji Mitani é um jovem que, durante uma cerimônia do chá, reencontra duas antigas amantes de seu falecido pai, Chikako Kurimoto e a viúva Ota, e de repente se vê profundamente envolvido com elas. Enquanto Chikako tenta arranjar um casamento para Kikuji, este inicia um inesperado romance com a senhora Ota, que por sua vez tem uma filha chamada Fumiko, de quem Kikuji também irá se aproximar. Mas há ainda Yukiko, a delicada jovem pretendente a se casar com Kikuji, personagem que representa serenidade num ambiente repleto de ressentimentos e intrigas. Não é por acaso que a moça é descrita usando um lenço de seda ilustrado com tsurus, ave que simboliza nobreza e felicidade na tradição japonesa. Nessa história em que o passado, através da figura do pai do protagonista, desperta sentimentos em conflito, Kawabata demonstra, mais uma vez, seu profundo conhecimento da antiga cultura de seu país e enaltece a importância da arte oriental, representada nas cerâmicas seculares do ritual do chá e nas alegorias singelas dos elementos tradicionais de seu país. Ao mesmo tempo em que discorre sobre a permanência da arte no decorrer dos séculos, sobrevivendo a gerações, o autor nos mostra o lado efêmero da vida e das relações humanas.

Quinta-feira, 18/05

>>> Brasil: Um texto quase desconhecido do poeta modernista escrito em alemão ganha tradução pela primeira vez para o português

Rassenbildung und Rassenpolitik in Brasilien ("Formação e política racial do Brasil") está nas mãos dos pesquisadores Niraldo de Farias, da Universidade Federal de Pernambuco, que encontrou o livro numa biblioteca estadunidense, e Antonio Dimas, da USP. A obra é vista pela dupla como "intrigante e controversa", seg. noticia o jornal Folha de São Paulo. O livro foi publicado na Alemanha, em 1934, e aqui, em 1951, sempre em alemão. O prefaciador estrangeiro, Otto Schneider, não tem identidade conhecida. O nome é o mesmo de um agente da SS nazista, mas pode ser um homônimo. Embora o texto refute pensadores racistas então em voga, as ideias eugenistas prevalecem na obra de Lima, que via na miscigenação uma solução para branquear o Brasil. Com estatísticas, ele "prova" a preponderância dos brancos sobre negros e índios no país. "Não devemos antecipar conclusões. Primeiramente, é preciso traduzir o livro para a língua portuguesa e pesquisar o contexto em que ele surgiu, relacionando-o a outras obras da época, para não cairmos em anacronismos apressados", diz Farias, que vê o livro em contradição com a obra literária do escritor.

>>> Brasil: Mais um texto para a coleção "Marginália" que começou a ser editada este ano pela Editora Rocco

O primeiro foi A aventura do estilo. Ensaios e Correspondências de Henry James e Robert Louis Stevenson. O lançamento de agora reúne uma seleção abrangente das cartas do francês Antonin Artaud (1896-1948), um dos mais influentes artistas e pensadores do século XX, escritas em diferentes momentos de sua vida a amigos como Anaïs Nin, André Breton, Jacques Rivière e outros. Organizado pela professora da PUC-Rio Ana Kiffer, A perda de si revela, por meio dessa correspondência rica em reflexões sobre teatro, literatura, marxismo e psicanálise, entre outros temas, a gênese e as transformações do pensamento de Artaud, um dos grandes renovadores da dramaturgia do século XX, que influenciou não só nomes ligados ao teatro, como Peter Brook e José Celso Martinez Corrêa, mas também escritores do movimento beat e intelectuais como Gilles Deleuze e Jacques Derrida. A tradução é de Ana Kiffer e Mariana Patrício Fernandes. A coleção Marginália é dedicada a textos pouco conhecidos de grandes escritores modernos, apresenta pela primeira vez ao leitor brasileiro.

Sexta-feira, 19/05

>>> Brasil: Antonio Candido póstumo. O crítico literário deixou um texto por ser publicado

O ensaio, intitulado "Os caminhos da leitura. Notas para saudar os oitenta anos de um crítico ilustre", de cunho memorialístico, foi escrito em homenagem ao seu aluno Alfredo Bosi e compõem uma edição comemorativa organizada por Augusto Massi, Erwin Torralbo Gimenez, Marcos Mazzari e Murilo Marcondes de Moura. Candido fala sobre suas primeiras leituras de Proust, além de outros escritores.

>>> Brasil: Contos da tartaruga dourada, antologia do século XV considerada o ponto fundador da prosa coreana, ganha edição no Brasil

Conectadas por ideias sobre o amor romântico, a interação entre o mundo dos vivos e o dos mortos e comentários sobre política e religião, as histórias forneceram um modelo de romance que seria usado em séculos por vir. O livro, recheado de referências aos clássicos chineses, combina a prosa às poesias e canções, a literatura fantástica à filosofia, a erudição à sensualidade. A qualidade lírica das frases e a descrição sensível dos eventos rendem ao conjunto a sofisticação de um romance. Outro ponto de interesse no estilo narrativo de Kim Si-seup é o sincretismo entre elementos xamânicos, budistas, taoístas e neoconfucionistas. Em meio às aventuras sobrenaturais, o autor também oferece detalhes da sociedade da época e dos modos de vida considerados louváveis – que os personagens apresentados nunca conseguem atingir e com os quais se chocam na busca pelos seus desejos. O encontro entre o real e o irreal marca um descompasso entre as formas de realização pessoal e a estrutura política e simbólica vigente, conflito comum em épocas de ruptura, como a que os reinos coreanos viviam. A tradução de Yun Jung Im sai pela Editora Estação Liberdade.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Anônimo disse…
Fico imaginando 1912 páginas em um volume só. A companhia não tá batendo bem da cabeça.

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Boletim Letras 360º #268