Boletim Letras 360º #318


Durante a semana conhecemos mais dois novos colunista que integram agora as publicações aqui em nossa página. As boas vindas vão para Gabriel Stroka Ceballos e Tiago D. Oliveira. Nas próximas semanas, estejam atentos, continuaremos a mostrar nossas novas faces. Neste dia 13 de abril, acontece o sorteio de um exemplar de  Sagarana, de Guimarães Rosa, já no novo projeto editorial da Global Editora. A ação é uma parceria entre o blog e a casa editorial da literatura brasileira no Brasil. Eis então as notícias que fizeram a semana em nossa página no Facebook.

J. D. Salinger. O escritor estadunidense tem nova casa editorial no Brasil. A largada da reedição de sua obra completa começa por O apanhador no campo de centeio.


Segunda-feira, 8 de abril.

O aguardado novo livro da autora de Canção de ninar.

Adèle tem a vida perfeita: é uma jornalista de sucesso em Paris, onde vive com seu marido cirurgião e seu filho pequeno em um lindo apartamento. Mas, debaixo da superfície, ela está entediada com seu trabalho e seu casamento – e consumida por uma necessidade insaciável de sexo a qualquer custo. Movida menos pelo prazer que pela compulsão, ela organiza seu dia em torno de casos extraconjugais, chegando atrasada ao trabalho e mentindo para o marido, até se enredar definitivamente em sua própria armadilha. No jardim do ogro, de Leïla Slimani é um romance visceral sobre um corpo escravizado por seus impulsos, o vício sexual e suas consequências implacáveis. A tradução é Gisella Bergonzini e sai pelo Selo Tusquets.

Nova edição de A pena e a lei, de Ariano Suassuna.

Depois de reapresentada na edição com o teatro completo do escritor, a peça A pena e a lei ganha reedição individual. O trabalho é parte no âmbito do projeto de reapresentação da obra de Ariano Suassuna. Na peça, Ariano se mostra mais do que nunca um crítico severo das instituições que transformaram o "Brasil oficial" no país das elites, em detrimento do povo pobre do "Brasil real". A peça, baseada na tradição popular nordestina dos cordéis e teatro de bonecos, vai do profano ao sagrado, do trágico ao cômico, misturando temas e linguagens na medida certa. Como boa farsa, expõe verdades dolorosas incitando o riso, ao passo que estimula a reflexão sobre a imperfeita justiça dos homens frente à infalível justiça divina. A edição é da Editora Nova Fronteira.

Obra fundamental da teoria do teatro e livro mais conhecido de Augusto Boal ganha reedição.

Traduzido para mais de quinze línguas, Teatro do oprimido foi publicado originalmente na Argentina, em 1974, onde o dramaturgo se exilou após ser preso pelo regime militar brasileiro. Em seus textos, o autor analisa momentos-chave da poética teatral do Ocidente, de Aristóteles a Brecht, passando por Maquiavel, além de explicar os fundamentos técnicos e teóricos do trabalho do ator desenvolvidos por ele no Teatro de Arena, do qual foi um dos fundadores, nos anos 50 e 60, e em sua experiência de teatro popular no Peru, em 1973. A nova edição da Editora 34 tem posfácio de Julián Boal; a edição mais recente da obra havia sido publicada pela extinta Cosac Naify.

Terça-feira, 9 de abril.

Gabriel García Márquez em digital no Brasil e outras edições especiais em língua espanhola.

A obra do escritor colombiano vencedor do prêmio Nobel de Literatura já está disponível, pela primeira vez no Brasil, em formato eletrônico. Ao todo, ficarão disponíveis 23 títulos, entre eles a obra jornalística e infanto-juvenil. A editora Record, que publica o autor há mais de 40 anos por aqui, é a responsável pelo feito. Enquanto isso, uma nova edição especial é publicada para os leitores de língua espanhola. Seguindo o mesmo padrão da edição comemorativa para o cinquentenário de Cem anos de solidão (sobre a qual falamos aqui na ocasião de pré-lançamento), a Random House apresenta em novo projeto editorial O amor nos tempos do cólera. A edição inclui as ilustrações exclusivas de Luisa Rivera e tipografia elaborada pelo filho do escritor, Gonzalo García Bacha.

Escrito em 1923 pelo russo Vladímir Zazúbrin, Lasca só veio a público em 1989. Esta é a primeira edição brasileira.

O romance revela o aparato de terror e extermínio das forças de segurança soviéticas já nos primeiros anos após a Revolução Comunista de 1917. Com o recrudescimento do regime, o próprio Zazúbrin viria a ser fuzilado no auge da repressão stalinista. Lasca descreve um breve período da vida de Andrei Srúbov, o burocrata-chefe da Tcheká provincial da Sibéria, que divide seu tempo entre um gabinete atulhado de papéis e um porão onde se praticam os rituais de fuzilamento. Ainda que mal remunerado, é seu dever zelar pelo funcionamento da máquina alimentada pelo sangue de homens e mulheres considerados pequenos-burgueses, espiões ou contrarrevolucionários, e mesmo bolcheviques caídos em desgraça. Disciplinado e ambicioso, à frente de uma rede de informantes e agentes secretos, Srúbov procura, e em geral consegue, não se deixar levar por sentimentalismo ou compaixão. A todo momento, encontra suas justificativas na existência de uma entidade acima do bem e do mal, um objetivo maior que ele chama apenas de Ela – a revolução. Mesmo se sentindo blindado pelo ódio, como admite numa conversa com seu pai, a quem "acusa" de se mover por ideologia, Srúbov não deixa de experimentar no corpo as consequências de seu ofício sangrento. Sem perceber, mergulha num abismo psicológico. Apesar de toda a dedicação, vê-se à deriva, como alguém agarrado a uma lasca que se desprende de uma jangada. No século do terror totalitário, Lasca guarda semelhança com distopias literárias, em particular Na colônia penal, de Franz Kafka, e antecipa, em Srúbov, a figura do burocrata nazista e a banalidade do mal descritas por Hannah Arendt em Eichmann em Jerusalém. A edição da Editora Carambaia tem tradução e posfácio de Irineu Franco Perpetuo. O projeto gráfico, assinado por Elisa Von Randow, traz páginas infiltradas de tinta vermelha, evocando seu cenário sangrento. A capa se inspira no artista Kazimir Malevich e alude ao esmaecimento da figura do revolucionário russo diante do avanço do totalitarismo.

Quarta-feira, 10 de abril.

Eis a nova edição de O jogo da amarelinha.

A obra mais emblemática de Julio Cortázar foi uma verdadeira revolução no romance em língua espanhola: pela primeira vez um escritor levava às últimas consequências a ideia de transgredir a ordem tradicional de uma história e a linguagem para contá-la. A edição apresentada Companhia das Letras abre no Brasil a renovação integral da obra do escritor argentino. O jogo da amarelinha ganhou nova tradução de Eric Nepomuceno, novo projeto gráfico de Richard McGuire e traz uma seleção de cartas de Cortázar sobre a escrita do livro, textos de Haroldo de Campos, Mario Vargas Llosa e Julio Ortega e apresentação de Davi Arrigucci Jr.

A obra de J. D. Salinger ganha nova casa editorial

Disponível agora pela editora todavia. O primeiro título a ser publicado é O apanhador no campo de centeio, romance emblemático do escritor estadunidense e que marcou toda uma geração. O livro sai em junho em comemoração a seu centenário de nascimento de Salinger. Trata-se de uma nova tradução de Caetano W. Galindo e com a famosa capa criada por E. Michael Mitchell para a primeira edição (1951). Além do romance que acompanha o adolescente Holden Caulfield em seus três dias de aventuras em Nova York, a casa anuncia para os próximos anos a publicação de Nove histórias, Franny & Zooey; Pra cima com a viga, carpinteiros & Seymor - uma introdução

O segundo livro do catálogo de clássicos da Antofágica é Memórias póstumas de Brás Cubas.

Brás Cubas está morto. Mas isso não o impede de relatar em seu livro os acontecimentos de sua existência e de sua grande ideia fixa: lançar o Emplasto Brás Cubas. Deus te livre, leitor, de uma ideia fixa. O medicamento anti-hipocondríaco torna-se o estopim de uma série de lembranças, reminiscências e digressões da vida do defunto autor. Publicado em 1881, escrito com a pena da galhofa e a tinta da melancolia, Memórias póstumas de Brás Cubas é, possivelmente, o mais importante romance brasileiro de todos os tempos. Inovador, irônico, rebelde, toca no que há de mais profundo no ser humano. Mas vale avisar: há na alma desse livro, por mais risonho que pareça, um sentimento amargo e áspero. A edição da Antofágica conta com 88 ilustrações de um dos expoentes da arte no Brasil, Candido Portinari, que chegam pela primeira vez ao grande público e dão uma nova camada de interpretação ao clássico. O livro traz ainda com notas inéditas e posfácio de Rogério Fernandes dos Santos, especialista na obra machadiana, um perfil do autor escrito por Ale Santos, além de uma introdução de Isabela Lubrano. O primeiro título da editora é A metamorfose, de Franza Kafka ilustrado por Lourenço Mutarelli.

Quinta-feira, 11 de abril

Um romance impossível de largar, que antecipa de maneira perturbadora os conflitos éticos que podem nascer da relação entre humanos e androides. 

Londres, 1982. A Grã-Bretanha perdeu a Guerra das Malvinas. A primeira-ministra Margareth Thatcher tem seu poder desestabilizado ao ser desafiada pelo esquerdista Tony Benn. O matemático Alan Turing vive sua homossexualidade plenamente e suas contribuições para o avanço da tecnologia permitiram não só a disseminação da internet e dos smartphones como a criação dos primeiros humanos sintéticos, com aparência e inteligência altamente fidedignas. É nesse mundo que Charlie, Miranda e Adão ― o robô que divide a vida com o casal ― devem encontrar saída para seus sonhos e ambições, seus dramas morais e amorosos. Máquinas como eu, o novo romance de Ian McEwan, desafia nosso entendimento sobre humanos e não humanos e trata do perigo de criar coisas que estão além de nosso controle. A tradução de Jorio Dauster sai pela Companhia das Letras.

As emoções, as fantasias e as trapalhadas de um menino na conquista do primeiro amor. Sumchi, de Amós Oz.

Sumchi é um menino de 11 anos, crescendo na Jerusalém ocupada pelos ingleses e tentando escapar das provocações dos meninos da vizinhança e se aproximar da garota por quem é apaixonado, Esti. Ao ganhar uma bicicleta de seu tio Zemach, tem início uma aventura de fantasia e desilusão, medo e amadurecimento. Nesta adorável novela, que condensa acontecimentos de um dia de verão, em 1947, Amós Oz retrata com enorme sensibilidade a leveza e a intensidade do primeiro amor. A tradução de Paulo Geiger sai pela Companhia das Letras.

Um dos livros mais emblemáticos do escritor estadunidense Eliot Weinberger

As estrelas mescla ensaio, ficção e poesia ao reunir uma verdadeira cosmologia de definições, das mais diversas fontes, culturas e épocas, para responder ao verso inicial da obra: "As estrelas, o que são?". Esses diferentes testemunhos da imaginação humana, provenientes de textos filosóficos, manuais de física, mitologias próximas ou distantes, tradições anônimas e relatos de viagem, foram ordenados pelo autor não por hierarquias prévias, mas por um sutil trabalho de composição que beira a música e que é a marca da grande poesia. A tradução de Samuel Titan Jr. sai pela Editora 34.

Sexta-feira, 12 de abril.

Ao justapor análises sobre El Greco e Oswaldo Goeldi, o historiador da arte Rodrigo Naves propõe um diálogo único e surpreendente sobre duas figuras que fizeram da opacidade do mundo sua matéria-prima.

Quase três séculos separam a pintura de El Greco (1541-1614) das xilogravuras do brasileiro Oswaldo Goeldi (1895-1961). Em Dois artistas da sombra, livro ricamente ilustrado, com cronologia dos artistas e indicações de leitura, Rodrigo Naves mergulha no universo de ambiguidades desses dois mestres. O autor narra a infância e adolescência de Goeldi na Suíça, sua admiração por Alfred Kubin, seus primeiros contatos com a xilogravura, seu olhar para a periferia do mundo. E comenta os anos de El Greco em Veneza, a influência de Tiziano e Tintoretto, as aproximações e os distanciamentos com o Maneirismo. Se, em El Greco, "a luz é tinta, que, em vez de purificar, coagula-se", em Goeldi, "nas áreas penumbrosas dos desenhos a carvão, as coisas mais se ocultam do que se mostram". Aqui, o mundo das sombras é a única realidade, e isso faz que sejamos levados pelas obsessões de Naves, seu olhar sobre a arte e o mundo.

Edição bilíngue reúne o material produzido pelo poeta chinês Ai Quing durante sua viagem pela América do Sul durante a comemoração do cinquentenário de Pablo Neruda.

Ai Qing nasceu em Jinhua, 1910 e morreu em Pequim, 1996; é um dos maiores poetas da literatura moderna na China. Escreveu dezenas de livros e foi traduzido em idiomas ocidentais e orientais. Em língua portuguesa, saiu uma primeira antologia de sua Poesia escolhida, em Macau, em 1987. Em 1991, a editora da Literatura e Arte Huashan reuniu suas Obras completas em cinco grandes volumes. Entretanto, os poemas de sua memorável viagem nunca haviam sido reunidos em um único volume. Viagem à América do Sul é seu primeiro livro traduzido e editado no Brasil. Durante dois meses Ai Qing atravessou quatro continentes, dois oceanos e passou por uma dezena e meia de cidades rumo à América do Sul para o cinquentenário do poeta Pablo Neruda, de quem era amigo. Essa rica produção de poemas gerada a partir da travessia do extremo Oriente ao extremo Ocidente foi reunida pela primeira vez em português pela Editora Unesp numa edição bilíngue traduzida direto dos originais chineses. O responsável pelo projeto é Francisco Foot Hardman. Ao todo são 21 poemas copiados de uma vasta pesquisa e checagem documental que não se restringiu apenas ao seu Diário de viagem, mas alcança diversos periódicos, coletâneas e outras obras. Contempla, ainda, a passagem do poeta chinês pelo Brasil. Ele esteve no Rio de Janeiro, onde compôs belos exemplares de sua visão da capital carioca e do país, em três poemas bem-acabados, e Recife, de onde lança saudações a toda a América do Sul. As traduções são de Fan Xing.

DICAS DE LEITURA

1. Ninguém nada nunca, de José Juan Saer. A obra do escritor argentino teve um ponto alto aqui no Brasil; tanto que é possível encontrar com alguma facilidade alguns de seus principais títulos ainda em livrarias e sebos. Mas, parece que, como é de praxe por aqui, passou para o limbo. Até agora, dele, nada mais traduziu, nem se reeditou algumas obras que começam a ficar escassas no mercado livreiro. Um dos mestres do romance do século XX, a obra de Saer chegou a incorporar traços do chamado noveau roman. O livro aqui recomendado foi traduzido pelo Bernardo Carvalho e é uma espécie de romance policial e mistério que nos apresenta uma reflexão contundente sobre o mal-estar do homem no mundo. Segundo a sinopse então divulgada pela Companhia das Letras, a narrativa de Ninguém nada nunca se passa no meio dos pampas argentinos, sob o calor sufocante de fevereiro e a pressão implícita do regime militar; nessa atmosfera, vários cavalos começam a ser assassinados. Sem razão ou explicações, os corpos dos animais são encontrados nas manhãs seguintes, vítimas impotentes de tiros à queima-roupa. A tensão e o mistério se impõem entre os moradores da região, assombrados pela violência e pela iminência de um novo crime cruel e inexplicado.

2. O mar, o mar, de Iris Murdoch. Alguém já reclamou o fato de no ano do centenário da escritora irlandesa as editoras brasileiras não atentaram para sua obra há muito em falta por aqui. De toda maneira, recomendamos este que é o seu melhor e principal romance que foi editado por aqui na década de 1980 pela Nova Fronteira. É a história de Charles Arrowby, ex-diretor de teatro, em Londres, que abandona tudo para viver sozinho, numa casa no litoral da Inglaterra. Trata-se de um homem que, aos sessenta anos, no auge da fama e da fortuna, ainda está à procura de um sentido para a vida. Entre paixões, reminiscências de erros e culpas, orgulho ferido, velhas obsessões recalcadas, Iris Murdoch recria o drama dessa personagem num estilo em que conjugam elegância, sofisticação, simplicidade e fluência, qualidades destacadas pela crítica inglesa que lhe conferiu, em 1978, o prêmio de Melhor Romance do ano.

3. Sagarana, de João Guimarães Rosa. Todo o movimento no mercado editorial brasileiro em 2019 é favorável a re-visitar a obra de um dos maiores romancistas do século XX. Este é um livro de contos e excelente dica para os temerosos de investirem-se numa leitura de Grande sertão: veredas; isto é, o livro pode funcionar como uma entrada amigável no universo de Rosa, já que os textos aí reunidos são marados pela linguagem inovadora e seus temas atrelados à vida rural de Minas Gerais. Publicado em 1946, a primeira vez que se soube da existência da obra foi em 1938 num concurso literário promovido pela Livraria José Olympio; na época Contos era assinado por um tal de Viator. O livro é o primeiro a ser reeditado pela nova casa editorial do escritor, a Global Editora e, além do novo projeto gráfico reúne textos de Antonio Candido e Walnice Nogueira Galvão mais uma carta do próprio Guimarães Rosa sobre alguns segredos da obra.

VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS

1. O projeto parceiro Leia Poesia Brasileira, que funciona no Twitter como @LeiaPoesiaBr (acompanhe aqui) tem relembrado por esses dias a obra do grande poeta brasileiro Lêdo Ivo. Daí recomendamos esses poemas apresentados no blog de outro projeto parceiro, a revista 7faces.

2. A grande maioria dos leitores conheceu Boris Vian depois da falência da Cosac Naify; é que A espuma dos dias começou a virar produto de cobiça, vendido a preços estonteantes no mercado negro livreiro. Tudo exagero, é verdade. Mas, pouca gente sabe que além de ter escrito prosa, o francês também escreveu poesia e era músico digníssimo e figura que flertou muito de perto com o jazz estadunidense. Neste vídeo, um dos raros, certamente, têm uma ideia disso, quer dizer, do talento para a música e do flerte com os Estados Unidos, já que gravado para uma televisão estadunidense.

BAÚ DE LETRAS

1. No último dia 10 de abril passaram-se 34 anos da morte de Cora Coralina. Recordamos esta que deve ser uma de suas últimas entrevistas publicadas em vida.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #325