A bibliofilia e o gênero

Por Yolanda Morató

Ilustração: Edouard John Mentha Lesendes


 
Nos últimos anos surgiu interesse em publicar artigos, livros e entradas para blogs sobre bibliofilia e livrarias (alguns deles até premiados) e agora o leitor dispõe de várias propostas para se documentar sobre o tema sem sair do sofá. Certamente se falo de textos que reúnem informações de livrarias como a Strand em Nova York, a Shakespeare and Company em Paris, La Gran Pulpería na Venezuela, Faulkner House Books em Nova Orleans ou qualquer uma das que adornam ou adornaram Cecil Court em Londres, alguns já terão na cabeça este ou aquele volume sobre o lugar que as livrarias ocupam no imaginário coletivo. Mas provavelmente não estamos pensando nos mesmos referentes. No meu caso, é fundamental falar de Un mundo de libros, uma antologia de ensaios publicada pela Associação de Amigos do Livro Antigo de Sevilha e pela Secretaria de Publicações da Universidade de Sevilha em 2010. Talvez por ser um dos primeiros livros deste século a aprofundar o assunto, ficou soterrado por outros interesses e iniciativas que muitas vezes se esquecem de mencioná-lo. Mas há várias razões pelas quais vale a pena falar sobre este livro. Entre elas, para não dizer a primeira, porque reúne os ensaios — treze, especificamente — daqueles que “exerceram” a bibliofilia antes das modas.
 
A bibliofilia é, se me permitem o símile, como a religião judaica: uma crença no livro com letra maiúscula, mas, sobretudo, uma opção de vida que não aspira a capturar quem ainda não esteja dentro. O teste do algodão é simples: um bibliófilo superficial vai te falar sobre livrarias e te aconselhar a visitá-las pelos motivos que ele achar convenientes; um verdadeiro bibliófilo lhe contará sobre os livros que nelas encontrou sem outra intenção senão a de contar a história de uma façanha que provavelmente jamais esquecerá. A segunda razão está na foto que esses textos mostram: na verdade, muitos bibliófilos não têm bibliotecas como as que aparecem nas revistas ou naqueles belos volumes em que alguns escritores mostram seus escritórios e bibliotecas como a alta sociedade mostra sua sala de estar. A bibliofilia é, custa-nos mais ou menos admiti-lo, um vício e, como qualquer um deles, alimenta-se de um desejo acumulativo. Talvez por isso os ingleses façam distinção entre bibliófilos e bibliomaníacos. Eu conheci bibliófilos com estantes bonitas, arrumadas, quase de museu e imediatamente perguntei se sabia que o hobby de seu proprietário se encaixava mais no segundo tipo, onde estavam os demais. Também é verdade que a bibliofilia há muito é vilipendiada como um passatempo semelhante ao dos colecionadores de selos ou moedas: acumuladores de um passado que não existe nem se espera.
 
Onde está a atração?, alguns se perguntarão. Até que um livro chegue às prateleiras de um colecionador, ele vive mil vidas tão reais quanto imaginárias: seu encontro inesperado entre uma pilha de páginas que serão comidas por chamas, mofo ou os peixinhos prateados; a chamada ou mensagem do livreiro avisando que ele tem aquele título que você falou com tanto entusiasmo há algum tempo; a aquisição daquela peça num leilão de madrugada em que se mede cada euro que pode garantir a compra. Em 1927, quando A. S. W. Rosenbach publicou Books and Bidders: The Adventures of a Bibliophile (Boston: Little, Brown, and Co.), fez uma comparação interessante: um paciente matemático pode ser capaz de contar as facetas do diamante Koh-I-Inoor, mas ninguém poderá jamais contar os reflexos da emoção que desabrocha durante um leilão nas mentes e corações dos homens e mulheres que estão apaixonados pelos livros.
 
A questão dos gêneros é igualmente curiosa, não só pelos diferentes significados da própria palavra, mas também pelos inúmeros equívocos que ela causa. O primeiro é considerar que o gênero da bibliofilia, como mercadoria, mas também como classificação editorial, deve ser de natureza intelectual. Por se tratar de um hobby que parece ter começado no século XVII, muitos imaginarão vários volumes encadernados em couro, obras antigas que viajaram desde então até chegar às nossas mãos hoje, senhores de antiquários que sacam o talão de cheques para levar para casa uma raridade náutica, um tratado filosófico ou um manuscrito botânico. Nada poderia estar mais longe da realidade: há bibliófilos de romances de banca, capas de vanguarda, edições censuradas. Todos eles, embora não queiramos ou não saibamos reconhecê-lo tanto quanto seria desejável, estão construindo e documentando cuidadosamente um campo de estudo. A bibliofilia, bem compreendida, é um estudo da cultura e, por extensão, da história da humanidade: que interesses ou temas proliferaram em determinado período; que formas de edição, manipulação ou supressão a indústria experimentou; que livros desapareceram e quais permaneceram, como se fosse um processo de seleção natural e cultural.
 
Quanto a outro gênero, o feminino, ou seja, se nos detivermos no papel que a mulher teve —ou deixou de ter — entre os bibliófilos, a questão não é isenta de migalhas. Porque a História, em letras maiúsculas, mostra que as mulheres sempre estiveram presentes neste grupo de colecionadores inveterados, ainda que tenham proliferado algumas lendas em que as mulheres agem como uma Santa Inquisição daqueles pobres maridos bibliófilos, que esgueiram para dentro de casa os tesouros que encontraram no Rastro, na encosta Moyano ou em qualquer livraria que ainda se encontre no nosso país. E estas histórias têm-se espalhado muito ao longo do tempo e em diferentes âmbitos culturais, porque já me aconteceu que, ao ir pagar por um daqueles livros considerados “raros”, o livreiro me perguntou se era “para o meu marido”, sem saber quem era o meu marido, nem porque é que aquele livro me interessava.
 
Parte dessa crença ou estereótipo tem sido tradicionalmente baseado no contexto em que esse nobre passatempo foi discutido: clubes, como o Roxburghe, reuniões acadêmicas e todos aqueles fóruns públicos e privados nos quais geralmente não havia mulheres. Porque, para ser bibliófila, era preciso ter solvência econômica, social e intelectual. Ou, nas palavras de Mary Hyde Eccles, a primeira mulher a fazer parte do prestigioso clube New York Grolier: recursos, educação e liberdade. A criação da Universidade de Harvard em 1636 surgiu de uma doação de alguém que tinha esses atributos (o germe foram os trezentos livros da biblioteca pessoal de John Harvard), mas não se deve esquecer que a primeira universidade do mundo (localizada em Fez) foi fundada por Fatima al-Fihri, uma mulher com as mesmas condições acima mencionadas. No entanto, ainda hoje é raro ouvir falar de mulheres no domínio do colecionismo e na criação de iniciativas que deixem uma marca cultural. Mesmo naqueles trabalhos atuais que tentam abarcar a contribuição das mulheres ao longo do tempo, as ausências são notáveis.
 
Ao longo da história há casos notáveis ​​de bibliófilas que acumularam grandes bibliotecas, entre as quais a rainha Elizabeth I é talvez o exemplo mais conhecido. No século XX, uma das que mais chamou a atenção foi a também britânica Frances Mary Richardson Currer. Em 1906, o Times a considerou “a maior colecionadora de livros”. Mecenas do colégio em Yorkshire frequentado pelas irmãs Brontë, acredita-se que Charlotte tenha assinado seus primeiros trabalhos como Currer Brontë em homenagem a sua benfeitora. Currer permaneceu voluntariamente ausente das listas de bibliófilos da época, como os famosos almanaques do britânico de origem indiana Thomas Frognall Dibdin. A causa certamente parecia justificada para ele; uma das obras pioneiras do século XX sobre esse hobby, Anatomy of Bibliomania (1930), de Holbrook Jackson, continha uma sentença que foi repetida inúmeras vezes: “O amor pelos livros é tão masculino (embora não tão comum) quanto deixar crescer a barba”.
 
Rachel Chanter reflete uma realidade um tanto diferente em um artigo publicado no blog do conhecido livreiro Peter Harrington. No século VI, a Condessa Judite de Flandres foi a responsável por muitos dos manuscritos iluminados que foram encomendados e preservados (e que ela doou à Abadia de Weingarten). “Marguerite de Navarra, Madame du Barry, Maria Antonieta, Maria Stuart e Catarina de Medici — enfatiza Chanter — eram apaixonadas colecionadoras de livros e manuscritos, embora esse fato seja pouco lembrado em suas notas biográficas”, e lembra que Belle da Costa Greene foi talvez um dos casos mais marcantes. Por quarenta e três anos, Greene foi a bibliotecária do economista J. P. Morgan; quando o estado de Nova York incorporou as propriedades privadas de Morgan ao sistema público, Greene ocupou o cargo de primeira diretora da Biblioteca Pierpont Morgan. Seu pai, Richard Theodore Greener (o primeiro advogado negro a se formar na Universidade de Harvard), havia abandonado Belle e suas irmãs. Em seu habilidoso salto para o futuro, Belle removeu o r final do sobrenome do pai e construiu um passado talhado à medida da sociedade em que vivia: passou a maior parte de sua vida como branca e inventou uma ascendência portuguesa com a qual abriu caminho no mundo do bibliofilia nova-iorquino.
 
O início do século XX e o papel das editoras e intelectuais nas principais capitais e centros urbanos mudaram muito de cenário. Em Paris, e não apenas graças à chegada de modernistas como Nancy Cunard ou Sylvia Beach, a bibliofilia já começava a se espalhar entre as mulheres desde o final do século XIX. Desde a sua constituição como grupo em 1926, Les Cent Une, Société de Femmes Bibliophiles, começaram a publicar uma obra ilustrada a cada dois anos e não faltavam candidatos. A princesa Shakhovskoy capitaneou essas mulheres bibliófilas em seu primeiro momento; a condição mais estrita consistia em não exceder o número com o qual a associação havia sido batizada. Em 16 de maio de 1943, Paul Valéry escreveu uma carta a Victoria Ocampo, a partir da capital francesa, na qual lhe dizia que havia “dado às Cent Une (mulheres bibliófilas) dois atos e dois atos [sic] de duas peças (que nunca serão concluídas)”. Marguerite Yourcenar escreveu o prólogo de Cynégétique de Opiano, traduzido por Florent Chrestien e ilustrado por Pierre-Yves Trémois em 1955. No entanto, a associação, composta exclusivamente por mulheres, ainda carregava preconceitos herdados. Em uma declaração que talvez aspirasse a separar as torcidas que as uniam das lutas sociais das mulheres da época, elas se definiam como uma associação “feminina, não feminista. Não escolhemos necessariamente autoras ou ilustradoras do sexo feminino.” Na revista Atlantic Monthly, ao contrário, parece que a incorporação da mulher à cultura e aos livros já era explicitamente incentivada; em seu Anatomy of Bibliomania (1930), Jackson repetiu um texto de fevereiro de 1927 no qual deixou claro para seus leitores que mulheres que soubessem algo sobre ciência e literatura, viagens e biografias, se sentiriam cada vez mais atraentes.
 
Agora, quase um século depois, a livraria nova-iorquina Honey & Wax organiza um concurso anual, dotado de um prêmio de mil dólares, para mulheres com menos de trinta anos que apresentem formalmente os resultados da sua book hunting ou caça ao livro. Em sua última chamada, foram distinguidas mulheres como Nora Benedict, que, aos 29 anos, é pós-doutoranda na Universidade de Princeton e apresentou sua coleção intitulada “O desenvolvimento da indústria editorial modernista em Buenos Aires”. Suas primeiras edições incluem, como esperado, as obras que Borges publicou em diferentes editoras argentinas, embora esteja se concentrando em compilar todo o catálogo da Editorial Sur. De sua parte, Jessica Kahan, de 29 anos, uma bibliotecária de Ohio que ganhou o prêmio, apresentou sua coleção sob o nome de “Novelas românticas da era do jazz e da Depressão”. As trezentas peças que ela colecionou em tão tenra idade incluem obras das décadas de 1920 e 1930 com impressionantes sobrecapas. Não há idade ou sexo de qualquer tipo para bibliofilia; e, tendo em vista a depreciação do mercado de livros antigos, entre todos os atributos que uma mulher deve ter para cultivar um hobby tão nobre, talvez ela só precise ser curiosa e livre. 


* Este texto é a tradução livre para “La bibliofia y el género”, publicado aqui, em Jot Down.

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #593

Boletim Letras 360º #592

O visitante, de Osman Lins

Boletim Letras 360º #586

Boletim Letras 360º #587

Ut pictura poesis