Seis poemas de Adam Zagajewski

Por Pedro Belo Clara


Adam Zagajewski. Foto:  Tomasz Wiech


 

NÃO DEIXES QUE O LÚCIDO MOMENTO SE DISSOLVA
 
Não deixes que o lúcido momento se dissolva
Que o radiante pensamento perdure na quietude
embora a página esteja quase cheia e a chama trémula
Não atingimos ainda o nível de nós próprios
O conhecimento cresce lentamente como um dente do siso
A estatura de um homem tem ainda uma incisura
lá no alto numa porta branca
De longe chega a voz alegre de um trompete
e uma canção enrolada como um gato
O que passa não cai no vazio
Um fogueiro alimenta com carvão o fogo
Não deixes que o lúcido momento se dissolva
numa substância dura e seca
Tens a obrigação de gravar a verdade
 
 
 
NA BELEZA CRIADA PELOS OUTROS
 
Só na beleza criada pelos outros
existe consolação, na música
e nos poemas dos outros
Só os outros nos podem salvar,
mesmo que a solidão tenha o sabor
do ópio. Não são o inferno, os outros,
se os espreitarmos de manhã, quando
têm a testa limpa, lavada pelos sonhos.
Por isso cismo muito sobre a palavra
que hei-de usar, «ele» ou «tu». Cada «ele»
é uma traição a qualquer «tu», mas,
em troca, um poema de alguém fielmente
oferece uma fresca, moderada conversa.
 
 
 
EM MAIO
 
Enquanto passeava pelo bosque, ao alvorecer, em Maio,
perguntava onde é que estais, almas dos mortos, vós jovens
desaparecidos, onde estais, vós completamente
transformados?
Um grande silêncio reinava no bosque
e ouvia as folhas verdes a sonharem,
ouvia os sonhos da casca das árvores, das quais hão-de surgir
barcos, navios e velas.
A seguir, devagarinho, começaram a falar para fora
os pássaros, os pintassilgos, os tordos e os melros escondidos
nas varandas dos ramos; cada um deles falava à sua maneira,
com a sua própria voz, não pedindo nada, sem
amargura e sem arrependimento.
E percebi que estais no canto,
inapreensíveis como a música, indiferentes como
notas musicais, tão distantes
como nós de nós próprios.
 
 
 
O EU
 
É pequeno e invisível como os grilos
em Agosto. Gosta de fantasiar e mascarar,
como todos os anões. Mora entre
blocos de granito, entre verdades
prestáveis. Cabe até sob um
penso, sob uma venda. Não o encontrarão
os funcionários da alfândega nem os seus belos cães. Entre
hinos, entre alianças, esconde-se o eu.
Acampa nas Montanhas Rochosas do crânio.
Eterno fugitivo. Ele é eu próprio e eu
estou nele com a temerosa esperança de que finalmente
tenha encontrado um verdadeiro amigo. Mas ele
é solitário, tão desconfiado, não
aceita ninguém, nem a mim.
Adere aos acontecimentos históricos
como a água ao copo.
Poder-se-ia encher com ele uma jarra do neolítico.
É insaciável, quer fluir
por aquedutos, tem sede de vasos cada vez mais novos.
Quer saborear um espaço sem paredes,
difundir-se, difundir. Depois desaparece,
como o desejo, e no silêncio duma noite
de Agosto a única coisa que se consegue ouvir é a paciente
conversa dos grilos com as estrelas.
 
 
 
ANTIGAMENTE
 
Antigamente conseguíamos acreditar nas coisas
invisíveis, nas sombras e nas sombras delas,
numa luz escura e rósea como uma pálpebra.
Ah, as mandíbulas da máquina fotográfica
mordem as imagens. Conseguimos acreditar agora
só no antigamente, exactamente como o pobre
antigamente acreditava em nós, netos e bisnetos,
sonhando que um dia viríamos a sair da armadilha que
em cada geração encenam Danton
e Robespierre, Beria e outros ambiciosos
discípulos. Uma vez que não há refúgio,
há refúgio. Porque as coisas invisíveis
também existem, com sons
que ninguém ouve. Não há
consolação e há consolação, sob o
cotovelo do desejo, lá onde cresceriam
pérolas, se as lágrimas fossem dotadas de memória.
E contudo o patinador não perde o equilíbrio,
saindo às arrecuas do precipício. Contudo
tanto a alvorada como o leiteiro se levantam cedo
e correm na neve, deixando brancas pegadas,
que se enchem de água. Um pequeno pássaro bebe essa água
e canta e mais uma vez
salva a desordem das coisas e a ti e a mim
e ao próprio canto.
 
 
CONVERSA COM FRIEDRICH NIETZSCHE
 
Excelentíssimo Senhor Friedrich
tenho a impressão de estar a ver agora o senhor,
no terraço do sanatório, ao amanhecer,
com o nevoeiro a cair e o canto a rebentar
nas gargantas dos pássaros.
 
Não muito alto, a cabeça como um projétil,
o senhor está a escrever um novo livro
e uma estranha energia flui de si:
parece que vejo os seus pensamentos como se fossem
grandes exércitos em parada.
 
O senhor sabe que morreu a morena Anne Frank
e os seus colegas de escola e amigos, rapazes e raparigas,
os coetâneos, e as amigas dos seus amigos
e os seus primos.
 
Quero perguntar-lhe o que é que são as palavras, o que é
a claridade, porque é que as palavras continuam a queimar
passados cem anos, embora a terra
seja tão pesada.
 
É óbvio que não existe nexo entre a iluminação
e a obscura dor da crueldade.
Existem pelo menos dois reinos,
mas é possível que haja ainda mais.
 
No caso, porém, de não haver Deus e de nenhuma força
estabelecer conexões entre elementos antagónicos,
o que é que são então as palavras e qual é a origem
da sua luz interior?
 
E qual a origem da alegria? E qual o destino do nada?
Qual a morada do perdão?
Porque é que os sonhos pequenos se dissipam ao chegar o dia
enquanto os grandes continuam a crescer?
 
 
Ligações a esta post:
>>> Pedro Belo Clara apresentou uma primeira seleção de poemas Adam Zagajewski e nota biográfica 
 

* Traduções de Marco Bruno, com revisão de Jorge Sousa Braga, em Sombras de Sombras (Edições Tinta da China, Novembro de 2017.)

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

“O cortiço” como expositor das mazelas e injustiças sociais

Boletim Letras 360º #588

O vermelho e o negro, de Stendhal

Sobre um retrato de Machado de Assis

Boletim Letras 360º #587

Boletim Letras 360º #583