Saramago, 1950

Por Pedro Fernandes

José Saramago em Azinhaga


A Fundação José Saramago divulgou junto com esse momento de semifechamento de uma obra magna fotos colecionáveis para os que o têm, além da admiração pela obra, um apreço pela figura do autor de Ensaio sobre a cegueira. Os registros estão datados da década de 1950, apresentam o escritor muito antes de ser quem o conhecemos, na época quando José Saramago ainda trilhava os primeiros gestos de escrita.

Ao todo são dezesseis registros da época de quando escreveu o recém-lançado Claraboia, romance só agora publicado e ocasião que leva a FJS divulgá-los. O livro escrito foi escrito poucos anos depois de Terra do pecado, o título que passou desconhecido pelo seu tempo de publicação e que poderá ter levado ao engavetamento da obra agora trazida a lume.

Saramago foi um escritor com uma vida marcada por golpes de sorte, como alguma vez terá ele próprio discorrido a respeito. Daqui, pensamos em alguns desses momentos e tudo deve começar quando na Azinhaga, seu pai vai ao cartório o tabelião meio bêbado redige a certidão de nascimento com o nome de José Saramago, um sobrenome que era uma espécie de alcunha da família; afinal como pensar noutro nome mais literário que este?

Depois, o insucesso de Terra do pecado deve ter favorecido ao rapaz pobre maior aplicação aos estudos de autônomo da escrita, a desenvolver temas, formas narrativas, tornar tudo isso em obsessão até compor obras-primas como Memorial do convento ou O ano da morte de Ricardo Reis.

Nesse curso de tentativas, escreveu Claraboia. E a editora não fez caso do livro recebido. Datilografado, encadernado à francesa, engavetou o texto; e Saramago acreditando que texto não valia grande coisa e havia sido recusado também não foi buscá-lo. E ingenuamente só havia preparado esta cópia que, depois de já um escritor feito, reaparece junto com o interesse de que fosse editado.

Ou seja, o texto de Claraboia poderia ter sido perdido e nunca os leitores saberiam quais feições teria o texto. O escritor foi ao escritório da editora, trouxe o datiloscrito que sempre lhe pertenceu e se recusou que a obra fosse publicada enquanto vivesse. Por isso, que só agora, um ano depois da sua morte que o texto vem a lume. Deixemos de conversa e olhemos as fotografias.


José Saramago, anos 1950

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325