Pelo Dia do Desassossego, reler este "Memorial"

Caderno de notas para a concepção de Memorial do convento.


Ler o Memorial do convento, este monumento literário de José Saramago, escritor que chega aos 90 anos hoje, 16 de novembro, é ler a sua própria figura – assim me expressei hoje a tarde na minha página pessoal.

A afirmativa não é vazia. Enquanto ia fazendo minha releitura do romance que fecha exatos 30 anos agora em 2012, e um dos mais célebres do Prêmio Nobel de Literatura (deixem que eu faça este breve parêntesis para dizer por aqui o que disse numa fala minha noutra ocasião, era uma comunicação no II Seminário Internacional de Artes e Literatura Barrocas, que se fosse elencar os principais romances de José Saramago, colocaria este Memorial, O ano da morte de Ricardo Reis, O evangelho segundo Jesus Cristo e Ensaio sobre a cegueira como os quatro momentos epifânicos de sua obra) vi notando pelas frases colhidas, aquelas de maior impacto à sensibilidade leitora, aqueles em que ficamos algum tempo parados pensando em como isso é possível ser dito por uma pessoa comum, muito embora ainda tenha comigo que um escritor não é tão comum assim.



E foram essas frases que recortei durante o largo dia de hoje. Estão emolduradas em imagens desnecessárias, porque elas sozinha dizem por mil imagens, mas entendam como um recurso atrativo para atentar a acuidade visual solapada pelo excesso de informações a descer segundo a segundo na tela do computador. Vou reproduzi-las abaixo pela necessidade de provar o que disse e também de trazer de um espaço tão evanescente como são as linhas do tempo nas redes sociais para uma linha que ainda dura alguns dias à vista dos transeuntes.

“maneta é Deus, e fez o universo”

“faltando os homens, o mundo pára”

“Porque, enfim, podemos fugir de tudo, não de nós próprios.”

“Todo o homem sabe o que tem, mas não sabe o que isso vale”

“Deveria isto bastar, dizer de alguém como se chama e esperar o resto da vida para saber quem é, se alguma vez o sabemos, pois ser não é ter sido, ter sido não é será, mas outro é o costume, quem foram os seus pais, onde nasceu, que idade tens e com isto se julga ficar  saber mais, e às vezes tudo”



“um homem tem de saber, por si próprio quando as mentiras já nascem absolvidas”

“os sonhos são como as pessoas, acaso parecidos, mas nunca iguais”

“os homens são anjos nascidos sem asas, é o que há de mais bonito, nascer sem asas e fazê-las crescer”

“que seria de nós se não sonhássemos”

“um homem deve ser capaz de ganhar seu pão de qualquer maneira e em qualquer lugar”

“a água é o espelho que passa e está parado, e nós que estamos parados é que vamos passando”



“Jamais se diga aconteça o que acontecer, porque sempre podem primeiro acontecer coisas com que não contávamos quando dissemos aconteça o que acontecer”

“É quando somos velhos que as coisas que estão para vir começam a acontecer, e uma razão de ser assim é que já somos capazes de acreditar naquilo de que duvidávamos, e mesmo não podendo acreditar que tenha sido, acreditamos que será”

“o mundo de cada um, é os olhos que tem”



Estão aí a sua dúvida numa superioridade divina, a crença na capacidade do homem em fazer um mundo diferente pela mesma razão de tê-lo construído ao longo de sua existência na terra, sua capacidade de acreditar nos sonhos como pulsão e sentido para a vida, sua aposta de que é na maturidade onde parece residir a capacidade do homem em orientar-se e orientar melhor os outros, enfim, o substancial do que pensou e disse Saramago fora de seus livros, demarcando que a tênue linha que separa a pessoa que escreve e a pessoa que intervém sempre foi, na sua obra, ainda mais tênue que o comum. Tenho, por vezes dito, que isto faz uma grande diferença na sua produção literária. Saramago soube que a literatura não tem capacidade de mudar o mundo, e por vezes externou esse pensamento, mas sabe que a literatura deve é espaço para se revisitar esse mundo, ela é elemento inerente à nossa existência e não pode nunca esquecer-se disso. Se não tem nenhuma missão para arte capaz de relocar as coisas como estão porque para isso se carece de outras forças, a arte não pode está cega ou de costas viradas para o papel de nos desassossegar.


Ligações a este post:
No Tumblr do Letras fizemos uma seleção de capas do romance Memorial do convento em várias versões na língua mãe e nas traduções. Os vários rostos para um livro.


Fontes:
As citações estão na 33ª edição de Memorial do convento publicada no Brasil pela Bertrand Brasil; as fotos de José Saramago foram feitas por Inácio Ludgero numa visita de José Saramago ao Palácio de Mafra, quando o escritor estava produzindo o romance de 1982.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

História da menina perdida, de Elena Ferrante

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter