A mão


Era a mão
tão próxima de mim
à distância de um toque
na noite

E desejei à noite adentrar
por dentro mim
entre mãos
minhas e dele

E por que não toco?
a noite é espessa
e a distância de um toque
um abismo impossível

Deixa ela lá
lá posso abismá-la
a mão

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #376

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Clarice Lispector e Susan Sontag: furtos e abusos

Os corvos, a noite e o sol nos punhos fechados

Dossiê James Joyce: um guia para entender "Ulysses"

Boletim Letras 360º #375