A mão


Era a mão
tão próxima de mim
à distância de um toque
na noite

E desejei à noite adentrar
por dentro mim
entre mãos
minhas e dele

E por que não toco?
a noite é espessa
e a distância de um toque
um abismo impossível

Deixa ela lá
lá posso abismá-la
a mão

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Günter Grass e seu pior segredo

Boletim Letras 360º #315

O eleito, de Thomas Mann

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet