Quem é Judas?*



O beijo de Judas. Caravaggio


Nunca um beijo significou tanto para a humanidade. O de uma espécie de anjo caído cuja traição forja a glória de outro. Esse é Judas Iscariotes, personagem bíblico, para mal e para bem do cristianismo. Porque sua traição a Jesus por 30 moedas de prata, lhe converteu desde esse instante, num dos seres mais vilipendiados e amaldiçoados e logo numa das personagens mais interessantes, enigmáticas e novelescas da Bíblia, esse livro de leituras dispersas e fascinantes com grandes vozes narradoras ao serviço de sedutoras leituras literárias. Judas é uma personagem e uma peça essencial sem a qual não existiria a religião Católica, e cuja misteriosa vida tem sido explorada e recriada por alguns escritores ao longo de dois milênios.

Em O evangelho segundo Jesus Cristo, de José Saramago, Judas não foge à figura da predestinação megalomaníaca de Deus e é, se não totalmente inocentado, elevado da sua categoria existencial de má pessoa. Olhando por esse ângulo não duvidamos da leitura empreendida pelo narrador saramaguiano. Afinal, a morte de Jesus não foi algo também predestinado? Logo, tudo aquilo que conspirasse para o desfecho do caso, deve ter suas parcelas de totalidade reduzidas. 

Também o escritor Jorge Luis Borges em “Tres versiones de Judas” busca como numa investigação decifrar a personagem Judas, encerrada como “um mistério central da teologia”. Assim, o narrador borgiano apresenta-nos De Quincey que especula sobre o fato de Judas entregar Jesus Cristo “para forçá-lo a declarar sua divindade e acender uma grande rebelião contra o jugo de Roma”. Daí, então, apresenta-se a mesma especulação sugerida em Saramago: “A traição de Judas não foi casual; foi sim algo preestabelecido que tem seu lugar misterioso no trajetória da redenção.” “El verbo, cuando fue hecho carne, pasó de la ubicuidad al espacio, de la eternidad a la historia, de la dicha sin limites a la mutacón y a la muerte; para corresponder a tal sacrificio, era necesario que un hombre, en represetación de todos los hombres, hiciera un sacrificio condigno. . Judas Iscariote fue ese hombre. Judas, único entre los apóstole, intuyó la secreta divinidad y el terrible propósito. El Verbo se había rebajado a mortal; Judas, discípulo del Verbo, podía rebajarse a delator y a ser huésped del fuego que no se apaga”.

As teorias e explicações que buscam decifrar o mistério continuam até encontrar uma como: “Imputar seu crime à cobiça está resignado ao sentido mais torpe. Nils Runeberg propõe um sentido contrário: um hiperbólico e até ilimitado ascetismo. O asceta, para maior glória de Deus, torna-se vil e mortifica a carne; Judas fez o mesmo com o espírito. Renunciou à honra, ao bem, à paz, ao reino dos céus, como outros, menos heroicamente, ao prazer. Premediou com lucidez suas terríveis culpas.”

O grande momento da leitura borgiana chega quando escreve: “O argumento geral é complexo, se bem que a conclusão é monstruosa. Deus, argue Nils Runeberg, se rebaixou a ser homem para a redenção do gênero humano.” As discussões seguem até que diz: “Deus se fez totalmente homem, mas homem para a infâmia, homem para a reprovação e o abismo. Para salvarmos, podia eleger qualquer dos destinos que tramam a complexa rede da história; podia ser Alejandro ou Pitágoras ou Rurik ou Jesus; elegeu um ínfimo destino: foi Judas.”

Já pelo desfecho do conto, quando os teólogos desdenharam essa versão de Judas-Deus, o narrador borgiano diz: “Runeber intuiu nesse indiferença ecumênica quase uma milagrosa confirmação. Deus ordenava essa indiferença; Deus não queria que se propagasse pela terra seu terrível segredo”.

Eis aí o poder da Literatura: o de questionar o estabelecido como verdade absoluta e propor novas leituras do mundo. Leituras, diga-se, mais condizentes com o mundo.


_____________
* O blog Papeles Perdidos está com uma série magistral sobre o Novo Testamento e Literatura. É daí que parte essa postagem. Boa parte do texto que aqui se apresenta é vertido, diretamente, por conta própria, de "La deuda con Judas", de Winston Marique Sabogal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira