Dadaísmo: da falta de lógica como crítica social à resistência a um mundo chocante

Por Maria Vaz

Candy Candy, Joana Vasconcelos.


O dadaísmo, enquanto movimento artístico vanguardista, nasceu em Zurique por altura da Primeira Guerra Mundial. A cidade servia de cenário à vida quotidiana de inúmeros artistas que imigraram ou se refugiaram na Suíça, sobretudo por motivos de discordância com os posicionamentos dos seus países no que toca à guerra. Nesse sentido, com pontos de vista, educações e tradições diferentes, apresentavam uma frustração comum: não entendiam o facto de o ser humano não conseguir evitar a guerra, apesar de toda a evolução científica, filosófica e artística. Foi a partir da ausência de sentido, do caos total, de vocação universalista, que designaram a palavra ‘dada’ a mote revolucionário.

Segundo consta, ‘dada’ foi uma palavra encontrada aleatoriamente no dicionário. Hugo Ball – no primeiro manifesto dada – afirma que a palavra é “bestialmente simples”, uma palavra “internacional”. Naquele manifesto, Ball parecia consciente de que isso lhe traria complicações, confusões. Todavia, às contrariedades e indignações – na certeza de não conseguir mudar ninguém –, a palavra assumia a expressão de “até à próxima”, ou de “tem toda a razão”. Este movimento descredibiliza a razão e a própria linguagem edificante do romantismo alemão de Goethe ou das palavras religiosas – seja qual for a religião – desprovidas de prática: não evitam a guerra entre os homens nem entre os países. O dadaísmo fez da falta de lógica um grito de liberdade ante o sufoco dos falsos moralismos – como escreveu Ball, “quero a minha própria asneira, e as vogais e consoantes que lhe correspondem”. Combatiam as estruturas, os institucionalismos, as regras artísticas, ao mesmo tempo que valorizavam a espontaneidade e sinceridade que pode haver na arte – esta pode nascer em pequenas coisas do quotidiano.

Fonte, Duchamp


Toda esta inovação foi ‘dada’ à luz na maior cidade do país, onde a diferença e a heterogeneidade das atrações a erigem a cidade democrática – para todos os gostos. A reunião da diferença – pelo universalismo a que se vocacionava o ‘dada’ – deu-se em um local muito peculiar da cidade, que hoje serve de mote para uma visita cultural, o famoso Cabaret Voltaire. Nasceu assim na noite, no laser, da necessidade de fuga, do caos como crítica a uma ordem hipócrita, do convívio com todas as diferenças, da eleição da liberdade, da ausência de exclusão. Nessa linha, o dadaísmo rapidamente conquistou outras formas de arte além da literatura, como a escultura, a pintura ou, ainda, a fotografia. Se tudo nasceu com Ball (em 14 de julho de 1916 – data da publicação do primeiro Manifesto Dada), não podemos dizer que o movimento morreu rápido ou que teve curta existência. Pelo contrário. A vocação da filosofia universalista do movimento levou-o à expansão em várias línguas e expressões, chegando rapidamente a cidades como Nova Iorque, Paris, Colónia, Berlim e Barcelona. Dos seus pioneiros e expoentes máximos constam nomes como Tzara, Duchamp, Man Ray, Francis Picabia, Hugo Ball ou Emmy Hennings.

Com o passar do tempo deu-se um declínio das ideias ‘dada’, o Cabaret Voltaire fechou e novas tendências de vanguarda emergiram pelo mundo. Não obstante, na década de 80, uma banda britânica com o nome do célebre clube noturno de Zurique propôs-se a levar as tendências do dadaísmo para a música.

No Brasil, podemos encontrar traços do dadaísmo na pintura de Flávio de Carvalho, nos poemas-piada de Manuel Bandeira ou na poesia de Mário de Andrade (maxime no seu poema ‘Ode ao Burguês’, de 1922).



Pela proximidade do movimento em análise com o modernismo, afirma-se que, em Portugal, Almada Negreiros apresentou traços dadaístas. Atualmente, a artista plástica portugesa Joana Vasconcelos – segundo a crítica – apresenta nuances dadaístas pelo facto de tornar arte pequenos objetos do quotidiano, de uma forma espontânea. Todavia afasta-se do movimento na medida em que não abraça a proposta do choque como forma de crítica social. A aproximação desta artista ao dadaísmo, pela crítica, prende-se, ainda, pelo facto de uma obra sua – ‘Candy, Candy’ – apresentar uma semelhança com a obra, ‘A fonte’ de Duchamp: ambas se tratam de um urinol, sendo que o elaborado por Joana Vasconcelos apresenta outras nuances estéticas, na medida em que se encontra adornado por croché, trocando o choque dadaísta de Duchamp por uma elevada dose de barroco, nesta hipermodernidade.

Destarte, não podemos dizer que o ‘dada’ morreu – está mais vivo do que aquilo que possamos pensar. Em 2002, a cidade de Zurique viu um edifício abandonado, vazio e que passava ao lado das atenções ganhar nova vida: o ‘Cabaret Voltaire’ foi ocupado por um grupo de artistas neodadaístas com a intenção de se fazerem ouvir. A comuna de Zurique arrendou o espaço e, ante administrações conservadoras e totalmente desprovidas do espírito ‘dada’ dos inícios do século XX, criou-se um plebiscito, em 2008, em que 65% dos eleitores optaram pelo apoio àquele espaço cultural. O diretor do espaço, Adrian Notz,  afirma que o mais importante nos dias que correm não é já o choque, mas a resistência ao que nos choca, “o mundo é já muito chocante”. O Cabaret Voltaire continua a exalar vanguarda. Passado mais de um século, o dada resiste.


***


Maria Vaz nasceu em Mirandela a 19 de Setembro de 1990, muito embora tenha vivido toda a infância e início da adolescência em Vila Flor. Aos 11 anos, apaixonou-se pela poesia ao encontrar, por mero acaso, um livro de Alberto Caeiro. A par da poesia e da literatura, é uma apaixonada pelas artes em geral, de entre as quais ressalta a música, dado que tocou clarinete entre os 11 e os 21 anos. Publicou o seu primeiro poema em Março de 2015, numa antologia de poetas portugueses contemporâneos e escreve regularmente no seu blog (“The philosophy of little nothings”). É agora colunista do ‘Letras in.verso re.verso”. Além da escrita, é doutoranda em ciências jurídico-criminais, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, desde finais de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Sophia de Mello Breyner Andresen, “um tumulto de clarão e sombra”

Um tesouro chamado Yasunari Kawabata

Machos nus: Walt Whitman, José Martí e Thomas Eakins

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Manual de instruções para ler Lolita

Boletim Letras 360º #272

O fracasso de escrever

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Elena Ferrante, a leitora