Uma poética do simples: “Eu, desenganado”, de Eduardo Duarte

Por Wesley Sousa




Os poemas de Eu, desenganado de Eduardo Duarte, jovem poeta e musicista baiano, se interligam desde a unidade existencial de uma época até um aspecto cultural delimitado. Podemos dizer que o pequeno livro é estruturado em três linhas temáticas específicas, tal como está dividido: “Do ser”, “Do amor” e “Do lutar”. Cada parte contém dez poemas.
 
Os títulos das divisórias do livro, por sua vez, apontam para um fio condutor mais amplo: a existência em três âmbitos. O primeiro se refere àquilo que somos, ou melhor, ao que estamos a ser. No devir da vida, nas condições de existência nas quais as nossas condições de ser se efetivam. Em “Do amor”, a companhia e o arrebatamento de um sentimento se notam presentes, apontando como o eu-lírico fala de si ao exprimir amores perdidos ou não-realizados, como se apresenta no poema “Sufocado”.
 
Mas, no “plano existencial” em que as poesias se constroem, destacaria um poema que, de algum modo, esclarece a tônica do sentido filosófico do eu-lírico. No poema “O mistério do existir”, o jogo retórico se volta à dúvida mais genuína:
 
Entre o verbo, a carne e o pó
para onde vai essa força
que conduz a fragilidade da vida?
(Duarte, 2024, p. 20)
 
O questionamento do eu-lírico se apresenta não na eterna dúvida, mas no finito da existência — já que no finito o imprevisível pode ser único —, isto é, naquilo que fenece no tempo, se tornando novamente em “pó”, também deixando de ser unicamente; a existência breve, mas somente ela nos dá a oportunidade de desfrutar a vida, e que é colocada no plano filosófico do “quem somos?”, bem como nas vicissitudes que nos acometem. No poema “Incongruência”, o poeta questiona:
 
Se, em um mundo de luz e sombra,
nos resta a reles condição
de, em meio a tempestades
assegurar-se na conformação?
(Duarte, 2024, p. 19)
 
***
 
Um ponto de destaque na construção poética de Duarte é o modelo econômico das palavras. E isso não quer dizer pouco. Seus versos curtos não significam recuos. Sabendo disso, o autor “limpa” seus versos, dando ritmo necessário para que não se perca no formalismo métrico.
 
Tomando parte disso, para mencionar um relevante estudo sobre o assunto, em “O estudo analítico do poema”, Antonio Candido explica a questão da composição poética entre a rítmica e a métrica do verso:
 
“A rima apareceu nas literaturas latinas como consequência da decadência da métrica quantitativa, isto é, baseada na alternância e combinação de sílabas longas e sílabas breves. O afrouxamento da métrica quantitativa deu lugar ao aparecimento da métrica rítmica, baseada na sucessão das sílabas, com acentos tônicos distribuídos em algumas delas” (Candido, 1996, p. 39).
 
Duarte não usa do recurso da rima como fundamento da sua poesia — o ritmo é o principal. Largando de uma métrica parnasiana do verso, resta, como desde há muito, o modernismo do verso; ao contrário da linearidade e proporção, o cume é a ritmização. Conforme aponta, por sua vez, Antonio Candido: “a função principal da rima é criar a recorrência do som de modo marcante, estabelecendo uma sonoridade contínua e nitidamente perceptível no poema” (Candido, 1996, p. 40). É, pois, o plano poético de Duarte ao longo do seu Eu, desenganado, se não usando da rima como propositura central, usa do ritmo como tendência apoiada na sonorização intencional.
 
Pois bem, passando à parte intitulada “Do amor”, o que está presente não é simplesmente um amor passivo, desejante, mas um amor que ultrapassa o fluxo dos fatos imediatos. No poema intitulado “Olhar”, temos:
 
O fulgor da alma
de quem ama
para além da vida
(Duarte, 2024, p. 38)
 
Faz parte da poética moderna o seguinte: o amor é a poesia da alma. Isso quer dizer que, com o advento da individualidade burguesa, o elemento central é o indivíduo solitário que luta contra um destino sem destinação. Desde o romantismo, a poesia e a filosofia se entrelaçam para a compreensão de um novo aspecto da subjetividade nascente, fragmentada e isolada no mundo.
 
Mas, no que se refere ao encontro de um jovem poeta com as letras, que se atravessa via musicalidade, não é algo fortuito. A poesia de Duarte demonstra trabalho, no sentido lato do termo: labor. Um criador do sentido na palavra. Em tempos em que a construção poética tem se tornado cada vez mais efêmera, tanto na letra quanto no espírito rasteiro da digitalização dos sentimentos, o que sobra são arremedos de uma tonelada de lixo virtual, ou de papeis que em pouco tempo se tornam recicláveis.
 
Além disso, não se trata de um fazer poético destituído da práxis. Eduardo Duarte demonstra, então, que a palavra ajuda a descortinar a normalidade absurda da vida. É aqui que o eu-lírico revolve à poesia “Mais um”: o incômodo da existência e suas nuanças, que une “o ser” e a “luta”. Duarte demonstra também que a poesia não é um deleite desinteressado. No poema “Clamor”, da parte “Do lutar”, lemos:
 
Palavra,
cuja agressividade é assolada violentamente
no rasgar dos papeis
e na censura das línguas feito uma pá de cal
num sepulcro social.
(Duarte, 2024, p. 44)

O renomado crítico literário pernambucano Álvaro Lins (1943) em certa vez argumentou que devido o apogeu e o êxito da ciência formal, chegamos a um ponto com que a ciência pudesse abarcar tudo, mesmo a arte (literatura e poesia), no paradoxal seguimento de estabelecer uma separação total entre o âmbito da arte e o da política; ou o inverso, de submeter a arte à política. Duas tendências refratárias da mercantilização da arte: se por um lado, um “salvamento” da pureza da poesia, haveria por outro lado uma submissão dilacerante dela na politização maneirista.
 
No caso do nosso jovem poeta, por sua vez, tentando esquivar-se de ambas as tendências, sua poesia traz os dilemas do mundo contemporâneo da seguinte forma:
 
No caminho que leva
e nos caminhos que trilha,
há muita liberdade à sua frente,
mas pouca escolha ao seu destino
(Duarte, 2024, p. 50)
 
***
 
Por outro lado, arriscaria afirmar que falta a Duarte explorar uma poesia que dissolva o sujeito da posição contemplativa ou imersa nas condições construídas. Em outros termos, a tensão entre a temporalidade, ação e a negação. Elementos que, embora pouco ausentes, não inviabilizam a construção de poemas em que os sentidos e dilemas humanos aparecem nestes termos. Não a temporalidade da escrita, mas a atemporalidade do poetizar que, no poema, se particulariza; não a ação da luta, mas o reconhecimento da luta como pressuposto da ação; não a assimilação, e sim a recusa, o dizer “não”, em cuja afirmação se individualiza no mundo. Se não presentes, tais elementos da poética (pós-)modernista (como alguns poderiam alegar), malgradas algumas inquietações, acompanhariam no engendramento da escrita de Duarte em nível mais elevado.
 
Enfim, cabe aqui uma rápida nota quase pessoal e conclusiva: não é sempre que um poeta e um aspirante à crítica literária se encontram (em geração e nas trocas intelectuais, nos diversos segmentos das artes — música, teatro, poesia e literatura). Acompanhar a escritura de um livro, de um poema ou de um conto, enquanto teoriza-se sobre a produção poética; ou, quando se vê na letra de uma canção aspectos formais e suas relações entre o material estético e o conteúdo social que são a forma concreta de uma produção, a meu ver, é algo que merece registro.
 
Na leitura do pequeno livro senti que a concretização do esforço da poesia de Duarte — ainda em construção — se mostrou na percepção de que a constituição poética revela tal dispêndio: o fazer poético que não cede ao fluxo dos fatos, mas dá aos fatos certos fluxos. Antes de ser uma “autobiografia” poética, se trata de uma poesia do desengano. Muitos poemas tentam se encontrar na imediaticidade, mas Duarte não se ilude: estar acomodado na palavra pode levar ao engano novamente imediato. Nem sempre elas (isto é, as palavras) dizem tudo.
 
Referências
 
Candido, Antonio. O estudo analítico do poema. 3 ed. São Paulo: Humanitas, 1996.
Duarte, Eduardo. Eu, desenganado. Itabuna: Mondrongo, 2024.
Lins, Álvaro. Jornal de crítica (2ª série). Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.


* Wesley Sousa é graduado em Filosofia pela Universidade Federal de São João del-Rei, mestre na mesma área pela Universidade Federal de Santa Catarina e aluno do doutorado em Filosofia na Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisa sobre estética, ontologia, marxismo e filosofia contemporânea.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #578

Boletim Letras 360º #584

Sete poemas de Miguel Torga

Palmeiras selvagens, de William Faulkner

Boletim Letras 360º #583

A melancolia política em O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira