Marie Lafarge, a envenenadora que inspirou Madame Bovary

Por Alejandra Mateo Fano

Retrato de Marie Lafarge em L’affaire Lafarge de Marcelle Tinayre, 1935. Arquivo Gallica.


 
Em 1º de outubro de 1856, Gustave Flaubert publicava na Revue de Paris o que mais tarde se tornaria a primeira obra de realismo na França, Madame Bovary. Originalmente intitulado Madame Bovary: mœurs de province (Madame Bovary: costumes de província), antecipou algumas das técnicas narrativas que viriam a ser utilizadas por autores de toda a Europa ao longo do século XX numa história que narrava o caso de Emma, uma jovem casada com Charles Bovary, com quem nunca chegou a se sentir verdadeiramente satisfeita e que a impediu de satisfazer as suas inúmeras ambições e inquietações pessoais.
 
Embora haja quem diga que Flaubert tomou como inspiração para a sua obra a biografia de Veronique Delphine Delamare, uma mulher que pôs fim à vida em 1848 após anos de um casamento infeliz, na realidade a mulher a quem verdadeiramente devemos esta trágica história chama-se Marie Fortunée Capelle, conhecida pelo nome de casada, Marie Lafarge. Capelle foi condenada à prisão perpétua e exposição pública em 1840 por envenenar seu então marido, Charles Lafarge, dando-lhe arsênico. Embora nunca tenha sido provado com certeza que ela cometeu os atos pelos quais foi acusada, uma vez que muitas das provas contra ela eram frágeis, entre outras razões devido à falta de avanços na toxicologia da época, o chamado Caso Lafarge provocou uma onda de debate, que continua até hoje, sobre a crise de credibilidade das mulheres e o eterno questionamento dos seus testemunhos. Mas também mostrou a sobrevivência, no século XIX, de uma mentalidade ainda anquilosada na Idade Média, onde a Inquisição manteve um papel fundamental na criminalização e demonização de todas aquelas mulheres que renunciavam ao seu papel tradicional de esposa obediente e fiel.
 
Na altura em que o caso se tornou público, a França ficou dividida entre os que defendiam a inocência da jovem e os que a chamavam de mulher fria, má e calculista, o que parecia legitimar qualquer tortura e pena injusta que pudesse recair sobre ela. Para que cada leitor possa tirar individualmente uma conclusão sobre quem realmente foi Marie Lafarge, é necessário conhecer a sua biografia e o contexto sociocultural em que viveu, que Flaubert (mas também outros realistas) fez ecoar através dos personagens de sua obra. Quando se investiga a vida de Lafarge, encontra-se a presença de versões muito diferentes sobre determinados episódios. Por exemplo, algumas pesquisas atribuem a causa da sua morte na prisão de Ornolac-Ussat-les-Bains (onde escreveria a sua autobiografia Heures de prison) aos trinta e sete anos à tuberculose, uma doença que assolava todo o país, enquanto outras vozes afirmam que a jovem cometeu suicídio.
 
Sabemos que ela nasceu em Paris em 15 de janeiro de 1816, poucos anos depois de a Inquisição ter sido suprimida como tribunal. Filha de pai coronel de artilharia da Guarda Imperial, falecido quando ela tinha apenas doze anos, e mãe de ascendência nobre, por ser filha de Philippe-Egalité, duque de Orleans, pai do futuro rei Luís Filipe, ela cresceu no interior de uma família aristocrática, o que lhe permitiu receber uma educação requintada, um luxo reservado apenas a poucas privilegiadas da época. Marcada por uma constante curiosidade e sede de adquirir novos conhecimentos, recebeu aulas de literatura e música numa escola para moças abastadas e caracterizou-se como uma jovem muito cultivada intelectualmente.
 
No entanto, as suas intenções de continuar a sua formação e de um futuro em que pudesse aprender novas disciplinas foram logo interrompidas quando, no início de 1839, aos vinte e três anos, conheceu Charles Pouch-Lafarge, mestre ferreiro de Corrèze. e filho de um pequeno magistrado provincial. Sobre o primeiro encontro, que lhe provocou uma paixão imediata, ela escreveria mais tarde nas suas memórias que a sua impressão foi muito mais negativa: “A minha tia havia me vestido com as cores que mais me assentavam [...] Eu era muito bonita quando me apresentaram ao Sr. Lafarge e logo percebi do que ele gostava. Minha primeira impressão não foi tão favorável. O Sr. Lafarge me parecia muito feio”.
 
No entanto, não foi a aparência física do homem que se tornaria seu futuro marido naquele mesmo ano o que mais a decepcionou em relação ao casamento. Segundo vários historiadores, a propriedade em Corrèze, cidade natal de Charles, para onde o casal se mudou após o casamento, estava decrépita, em condições insalubres e as forjas estavam infestadas de ratos, somando-se ao fato de os seus sogros sempre terem tido receios em relação a ela, o que muitas vezes fazia com que fosse tratada com desprezo. Além disso, o marido não tinha qualquer tipo de formação intelectual, o que fez com que a jovem, muito mais inquieta, se sentisse frustrada e entediada, enclausurada entre quatro paredes mofadas e obrigada a agir como esposa praticamente da noite para o dia pela vontade de suas tias, as únicas desejosas de que ela iniciasse a vida de casada, apesar de seus verdadeiros desejos estarem longe disso tudo.
 
Um dia, enquanto Charles estava em viagem de negócios a Paris, ele recebeu alguns bolinhos de sua esposa. Esses doces, segundo dizem, continham altas doses de raticida em seu interior (o tipo de veneno varia dependendo da versão), por isso o homem começou a vomitar depois de comê-los e poucos dias depois adoeceu até morrer entre dores enormes no dia 14 de janeiro de 1840. O cunhado de Marie Lafarge, que nunca teve um bom relacionamento com a jovem, como o resto de sua família, acusou-a de envenenar Charles e enviou uma carta ao promotor acusando-a matar o com arsênico, uma substância química que, no entanto, está presente naturalmente no esqueleto humano.
 
Nesse mesmo ano, e sem provas efetivas de que tivesse colocado veneno nos bolinhos enviados ao marido, Lafarge foi condenada a trabalhos forçados com pena de prisão perpétua e exposição pública. Com o passar do tempo, chegou a se fazer especulações sobre o fato de que seus sogros uma vez a viram colocar alguns “pós suspeitos” na comida do marido e também que ela contatou um médico para comprar veneno para matar animais, embora nenhuma dessas afirmações tenham sido corroboradas. A descoberta, durante a busca na casa que partilhavam, de várias latas de raticida que Lafarge poderia ter utilizado para matar os inúmeros ratos que viviam na casa, serviu para sustentar a tese de que a jovem teria sido responsável pelo envenenamento do seu marido, numa altura em que a ciência forense e a toxicologia ainda estavam numa fase muito inicial.
 
Assim, após dezessete audiências entre 3 e 19 de setembro de 1840 e após ser interrogada por até cento e cinquenta “testemunhas”, o tribunal de primeira instância de Tulle, composto inteiramente por homens, aplicou o Código Penal de 1822, que abrangia o caso de envenenamento criminoso com bebidas ou substâncias nocivas e venenosas “que fossem conscientemente ministradas ao assassinado ou feitas para serem tomadas, de qualquer forma”. Assim, segundo o código, se a vítima morresse, seria imputada diretamente a pena de morte, e se o veneno apenas causasse doença a condenação seria entre quinze e vinte e cinco anos de serviço público.
 
De feiticeiras a envenenadoras: o mito trans-histórico da mulher misândrica
 
Neste ponto, cabe perguntar: Lafarge cometeu os atos pelos quais, quase sem comprovação científica, foi condenada? Se sim, que outras opções uma mulher na França do século XIX poderia ter tido para escapar da prisão do casamento? Ou, dito de outra forma, será possível, de alguma forma, sentir empatia por ela se for verdade que ela envenenou Charles Lafarge? Durante este século, muitos foram os casos em que mulheres com desejo de independência foram suspeitas de envenenamento. A professora de História Moderna e Contemporânea da Universidade de Valladolid, Sofía Rodríguez Segador, desenvolve no artigo “¿Mujeres envenenadoras? Violencias femeninas en el siglo XIX”, o extraordinário interesse que se desenvolveu ao longo deste século pelo crime de envenenamento, coincidindo, por um lado, com o aumento dos avanços na toxicologia e na criminologia, e por outro, com a proliferação de publicações científicas especializadas, o que produziu um fascínio social sem precedentes pelos crimes relacionados com a ministração de substâncias químicas tóxicas.
 
Fundamental neste progresso científico que tanto cativou a população francesa em meados do século XIX foi o trabalho do eminente médico e químico Mateu Orfila Rotger, cujas manipulações químicas, como o seu famoso teste de Marsh, foram utilizadas no julgamento para condenar Lafarge. Orfila introduziu a toxicologia forense no campo judicial e publicou tratados considerados reveladores para o mundo da ciência, como o seu Traité des poisons: tirés des règnes minéral, végétal et animal.
 
O interesse excessivo na detecção de envenenamentos no âmbito deste progresso científico fez com que a sociedade francesa tivesse uma noção desproporcional do número de casos ligados a crimes devido ao fornecimento de substâncias tóxicas, fato que posteriormente gerou um alarme social desnecessário: na realidade estes casos eram marginais e, portanto, não representativos da realidade, embora servissem para consolidar e perpetuar descaradamente o mito da mulher misândrica. As mulheres, desta forma, continuariam, talvez agora com mais fervor, a ser as “eternas suspeitas” de uma sociedade que já as via como inerentemente vingativas, calculistas e malfeitoras.
 
Como refere Laure Adler (que, embora simpatize com a história de Lafarge, defende a possível veracidade da condenação) em L'amour à l'arsenic. Histoire de Marie Lafarge, publicado em 1985, os meios de comunicação foram os melhores aliados do sistema e durante este século realizaram toda uma campanha para divulgar esta imagem demoníaca da mulher através de notícias que reviviam o estigma histórico da mulher como ser maligno. Entre as muitas coberturas jornalísticas sobre alegados casos de envenenamento na França figurou o caso de Marie Lafarge, que se revelou um tema muito proveitoso para os cronistas do país, que cobriram o processo judicial. A transmissão informativa de uma história sempre incriminatória e criminal das mulheres “rebeldes” contribuiu, sem dúvida, para estabelecer no imaginário público estas ideias infestadas de misoginia.
 
A história de Lafarge não é tão diferente de todas aquelas bruxas, conforme descreve Silvia Federici em Calibã e bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva, que foram condenadas a morrer na fogueira acusadas de feitiçaria durante a era medieval. Lafarge não foi julgada pela Inquisição, uma vez que tinha sido definitivamente suprimida no início do século, mas o fantasma desta corte juntamente com a opressiva moralidade cristã continuava a permear a sociedade francesa da mesma forma. Os juízes do Santo Ofício transformaram-se progressivamente em outras instâncias com nomes diferentes, aparentemente mais modernas, mas no final igualmente opressivas para as mulheres. Elas continuariam a ser vistas com desconfiança e severidade porque, como acontecera com Sor Juana Inés de la Cruz dois séculos antes, desafiar os fundamentos do sistema em busca da sua liberdade e autonomia, incluindo a sua inquietação intelectual, frente à sentença de morte que era nesse sentido a vida conjugal. Como evidencia o estudo realizado por María José Collantes de Terán de la Hera, “La mujer en el proceso inquisitorial: hechicería, bigamia y solicitación”, uma acusação frequente contra as mulheres consideradas hereges na Idade Média era o envenenamento, ou mesmo a fabricação de poções e a elaboração de encantamentos ou feitiços para resolver os problemas do casamento e da coabitação.
 
Esta caça infundada funcionou como uma forma trans-histórica de punir as associações entre mulheres e a transmissão coletiva de conhecimentos, precisamente porque ambas as coisas envolviam puras estratégias de resistência feminina. Um século mais tarde, estas mulheres transgressoras já não seriam chamadas de hereges ou feiticeiras (em qualquer caso, o termo derivou de alguma forma de “envenenadoras”), embora continuassem a ser consideradas como tal aos olhos da sociedade. Adler chega ao cerne da questão quando afirma que “o caso Lafarge foi muito além das notícias, pois envolve a análise do funcionamento do sistema judicial, do papel da medicina forense, do papel da imprensa e da infelicidade de ser uma mulher bonita, culta, atraente e inteligente em 1840!”
 
Uma fundação francesa procura, dois séculos depois, provar a sua inocência
 
Embora o Caso Lafarge tenha transcendido historicamente como se ela fosse uma espécie de Circe moderna (esta personagem homérica parece ser o antecedente mais distante do mito da mulher malévola que tanto fascinou ao longo da história), o tempo parece ter concedido o lugar devido. Mesmo aqueles que não afirmam acreditar com certeza na sua inocência admitem que Lafarge foi uma das muitas mulheres necessitadas da engenhosidade para sobreviver a um sistema que a estava matando em vida e que a impedia de simplesmente ser.
 
Entre os leitores e coletivos que, depois de lerem a biografia de Lafarge, viram claramente a ausência de provas sólidas contra ela, está a Associação Marie Cappelle-Lafarge, localizada no departamento de Ariège. Esta associação pede atualmente que a sua inocência seja provada, mesmo algum tempo após a sua morte. Em 2011, com a ajuda de um escritório de advocacia parisiense, o grupo conseguiu compilar um arquivo exaustivo que apontava os erros e inconsistências científicas cometidos durante o julgamento da jovem em 1840. Essas investigações foram apresentadas ao Ministério da Justiça francês e, embora se a sua certeza se confirmasse não conseguiriam trazer Lafarge de volta à vida, reabilitariam socialmente a jovem, tão injustamente tachada de assassina no seu tempo. 


* Este texto é a tradução livre de “Marie Lagarge, la envenenadora que inspiró Madame Bovary”, publicado aqui, em Jot Down.

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #592

O visitante, de Osman Lins

Jon Fosse

A casa de barcos, de Jon Fosse

Boletim Letras 360º #591

Boletim Letras 360º #586