Os melhores de 2017

Por Pedro Fernandes




2017 não foi um ano fácil. Não sei se motivado pelos rumos negativos que este país tomou e por uma descrença mortal de acentuação institucionalizada do horror ou se pelo espírito fatalista que, em parte motivado pela primeira possibilidade, se tornou mais presente entre nós, estudei de diversas maneiras dar fim ao Letras. Também é este um trabalho que suga boa parte de minha energia e no ano que agora chega ao fim apareceram mil e uma outras atividades que me colocam distante da manutenção deste projeto. Parte desse estágio melancólico ficou expresso no texto de abertura do Boletim Letras 360º #246 que marcava a passagem da primeira década deste blog online.

Mas, a energia dos que fazem este espaço existir – os que aqui escrevem e os que acompanham nas redes sociais – pareceu mais forte. As vontades negativas, se não desapareceram, amainaram. E agora que paro para um recesso encontrarei outras possibilidades para as trilhas que aqui se mantêm.

Para o Letras, apesar de ser o ano de primeira década, este foi um ano sem planos. Isto se deve, possivelmente, ao contínuo fracasso de 2016; então, indiretamente, a escolha foi não estabelecer metas ou interesses e, se muito, continuar a tentar no que foi não possível realizar. Em parte, isso deu certo porque algumas coisas se concretizaram.  

O espaço online foi integralmente remodelado – é um blog com o espírito avantajado de um site, embora nunca seja interesse deixar de ser blog, pelo caráter experimental que se apresenta. Chegou uma nova colunista: a poeta Fernanda Fatureto. E em 2018, outros já estão a postos para seguir caminhada. Também se ampliou significativamente a quantidade de acessos diários desde quando virou a casa de 1 milhão de cliques. Esses resultados positivos somam-se às energias das várias boas almas que, pouco ou muito, contribuem para este projeto. Quiçá ele alcance seus próprios passos.

Vou seguir 2016, e construir uma lista que se divide em cinco – com atenção para os melhores títulos com os quais mantive contato durante o ano, o que implica não necessariamente em trabalhos executados ou apresentados durante 2017. Não há critérios de maior para menor ou melhor para pior que ordenem a lista. Todos estão alinhados num mesmo propósito: são criações que me tocaram, seja pela qualidade estética, seja porque me responderam a inquietações particulares e propuseram outras de maior significância. Como todas as listas, o gosto é um critério determinante, subjetivo e variável – portanto, estas não são e nem se propõem ser listas definitivas e redutíveis.

O motivo para as listas – para mim – continuam a ser o de oferecer aos leitores novas possibilidades de conhecer. Particularmente, guardo fascínio por isso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Companheiros de viagem: J.R.R. Tolkien e C.S. Lewis: "O dom da amizade", de Colin Duriez

Os últimos dias de Thomas Mann

Boletim Letras 360º #287

“Andávamos sem nos procurar”, o filme de “O jogo da amarelinha”, de Julio Cortázar

Sete pontos da filosofia da composição de Edgar Allan Poe

Boletim Letras 360º #285

Não escrever: breve ensaio sobre a impossibilidade

O conto inédito de Ernest Hemingway que narra a libertação de Paris do nazismo

Boletim Letras 360º #286