Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

As melhores leituras de 2017 na opinião dos leitores do Letras



O som e a fúria, de William Faulkner.
Foi uma experiência de leitura inexplicável. É tudo forte, intenso. (Hugo Trajano, Fortaleza – CE)

A cabra vadia, de Nelson Rodrigues.
Um livro que, desde a elaboração dos personagens até as tramas de enredo, desconcerta clichês da brasilidade... Nelson merece ser lido, pelo menos de duas formas: como um exímio contador de histórias sobre o homem “civilizado” e como um pensador conservador, no sentido de que não temos no Brasil tantos pensadores assim, que nos apresentam uma contrapartida ao que predomina em nossa cultura a fim de estabelecermos um diálogo... Merece a leitura de todos, mas sem as reservas de quem é muito politicamente correto. Ainda que torça o nariz, leia até o fim! Afinal, o Brasil vislumbrado por Nelson existe! Não consigo negar isso. (Luiz Eduardo Mendes, Brasília – DF)

A sombra do vento, de Carlos Ruiz Zafón.
Um livro que fala sobre o amor aos livros. Todo o ambiente literário do livro é um convite ao deleite a história, li tão vorazmente que nem me dei conta quando sem querer já estava no final. Bem escrito, sagaz e espetacular. Zafón me conquistou. (Daiane Souza, Senhor do Bonfim – BA).

Dicionário do Diabo, de Ambrose Bierce
Numa edição endiabrada da Carambaia com tradução assombrosa do Rogério W. Galindo. Uma compilação de definições irônicas, de A a Z, várias delas dignas de gargalhadas, uma das obras mais inusitadas da literatura. Não minto, vejam por exemplo o conceito de ISCA: "Preparação que torna o anzol mais palatável. O melhor tipo é a beleza." (Rogério Oliveira, Rio Verde – GO)

As fúrias invisíveis do coração, de John Boyne
Editado pela Companhia das Letras. Um belo retrato da Irlanda dos anos 40, num romance arrebatador, sobre autodescoberta e aceitação num mundo por vezes cruel e hostil. De uma atualidade assustadora! (Edvan Melo, São Luís – MA)

A mulher dos pés descalços, de Scholastique Mukasonga.
Merece estar na lista de melhores do ano pela delicadeza crua com que trata do tema pesado e difícil do genocídio. Por ser uma espécie de autoficção despretenciosa que não é menos violenta quando é mais singela. Adjetivos à parte, mostra a força da literatura como autoelaboração e curativo. (Juliane Bianchi, Rio de Janeiro – RJ)


O diário de Helène Berr
É um livro tocante, profundo, doloroso, transformador. Possibilita aos leitores entrarem em contato de forma mais íntima com a história dessa jovem judia de 21 anos, estudante de literatura inglesa da Sorbonne que lutou bravamente para enfrentar os horrores do Colaboracionismo francês e da terrível perseguição aos judeus. (Rita Lisbôa, Porto Alegre – RS)

O tempo redescoberto, de Marcel Proust (de Em busca do tempo perdido)
Ótima descrição do amargor que a passagem e destruição ocasionada pelo tempo. Mas pode ser transcendido pela Arte. (Raphael R. Almeida, Vila Velha – ES)

Com o mar por meio. Uma amizade em cartas, de Jorge Amado e José Saramago.
O livro contém as cartas maravilhosas trocadas entre os dois escritores. É simplesmente perfeito! (Luciene Azevedo, Teresópolis – RJ)

As vinhas da ira, de John Steinbeck.
Livro magnífico, intenso e proporciona uma experiência de leitura inesquecível. (Marcelo Rocha, Manaus – AM)

Quase Diário, de Affonso Romano de Sant'Anna.
Um livro maravilhoso onde o autor conta de maneira simples sua vida no Rio de Janeiro, seu trabalho, suas amizades com os escritores como Carlos Drummond de Andrade e conta alguns casos que achei um tanto pitoresco. (Jô Palha, Belém – PA)

Menino do mato, de Manoel de Barros.
Livro maravilhoso para quem curte poesia repleta de símbolos, silêncios e o convite para lermos nas entrelinhas. (Gersonita Elpídio dos Santos, Paranvaí – PR)

Sobre falar merda, de Harry G. Frankfurt.
No topo da minha lista de 2017. Em um ano marcado pelos absurdos esparramados nas redes sociais e pela imprensa cada vez mais porca deste país, me parece um livro necessário. (Renata Sbr, São Paulo – SP) 

Ligações a esta post:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

A necessidade humana de expressão artística – parte I

Os melhores de 2018: prosa