Literatura e utilidade

Por Pedro Fernandes



"Assim o há de fazer, e faz, quem aspira a alcançar a nomeada de prudente e sofrido, imitando Ulisses, em cuja pessoa e trabalho nos pinta Homero um retrato vivo de prudência e sofrimento, como também nos mostra Virgílio na pessoa de Enéias o valor de um filho piedoso e a sagacidade de um valente e entendido capitão, não pintando-os ou descrevendo-os como eles foram, mas sim como deviam ser, para deixar exemplos de suas vidas aos homens da posteridade".

Miguel de Cervantes, O engenhoso fidalgo D. Quixote de la Mancha


Poderia retomar como epígrafe a este texto a fala do poeta Paulo Leminski em "Inutensílio"; poderia escrever esse início recompondo o parágrafo de desfecho do artigo "Literatura e Necessidade"; entretanto, achei por bem nem dessa forma começar, tampouco repetir Leminski. Epigrafo com esse excerto do clássico universal de Cervantes: uma fala do D. Quixote ao seu escudeiro Sancho Pança, quando o "Cavaleiro da Triste Figura" se preparava para a modo de uma das personagens das muitas dos livros de cavalaria que lera, entrar em penitência amorosa à sua formosa Dulcinéia del Toboso. Por vias, este fragmento, de provavelmente 1605, ano que aparece no frontispício da primeira parte da novela do escritor espanhol, reitera, direta ou indiretamente, o que disse Leminski em "Inutensílio" e o parágrafo de desfecho do referido artigo. Também o excerto recupera que a discussão aqui proposta não é nada nova, ao remontar a outro texto, ainda mais remoto que o clássico de Cervantes, que é A poética, de Aristóteles, tido como voz que deu corda à questão.

Pensar em caráter de utilidade para a literatura parece ser mais um grave pecado daqueles que move o senso comum, que por sua vez, fica aliado àqueles da "prática" e da "funcionalidade", porque, assim como eles, a utilidade encerra em si um valor de troca, moeda corrente ao modelo de espaço social que forjamos. E o caráter da arte em momento algum está atrelado ou se ajusta a essa dimensão. A moeda corrente no universo da literatura reside numa dimensão contrária a essa que estamos virtualmente situados e o caráter de utilidade, portanto, é outro, diferente do que comumente entendemos pelo termo.Pensar em utilidade pelas vias comuns é pensar, por exemplo, que a literatura e arte tenham por propósito de resolver, no sentido de solucionar, ou pelo menos, de apontar caminhos seguros pelos quais possamos palmilhar uma solução para o rol de problemas dos que afligem a humanidade. Pensar em utilidade por tais vias é reduzir o texto literário à categoria de manual de instrução, em que nós, os leitores, portamo-nos ou devamos nos portar como marionetes nesse jogo. Pensar em utilidade assim é enxergar nos escritores a figura de magos portadores das chaves do paraíso.

É possível reduzir Dostoiévski ao papel de psicólogo social quando põe em seu clássico "Crime e castigo" uma personagem 'fracassada' socialmente pelas correntes sócio-históricas da qual fazia parte? É possível reduzir ao mesmo papel Flaubert ao compor Mme. Bovary? É possível reduzir ao papel de psicólogos ou filósofos existenciais Kakfa, Joyce ou Clarice Lispector por povoar seus escritos de seres mergulhados num enjaulamento de si que beiram a um estágio de uma poética do absurdo? É possível reduzir João Cabral de Melo Neto ou Graciliano Ramos à figura de sertanistas por recomporem tão bem o sertão na poesia e na prosa que beira ao real empírico? É possível reduzir ao papel de geógrafo ou antropólogo Euclides da Cunha ao reescrever com maestria o sertão e os vórtices dos movimentos internos de formação do país em Os sertões? Ainda mais: é possível reduzir José Saramago ao papel de historiador ou de filósofo por refazer em sua obra o grande coro de vozes dos debates em torno dos episódios históricos e suas figuras, do eu, da culpa, do pecado, do medo, dos movimentos de alienação obliterados pela atmosfera das ideologias correntes? A resposta a todas as estas indagações é 'Não'. E a lista poderia se perpetuar. Quando muito, o que eles podem fazer é compreender uma realidade fugidia. Todos os grandes escritores se valeram das questões cotidianas a eles e das grandes questões que têm dado corda a breve existência humana, sem que, para isso, tenham sido psicólogos, filósofos, geógrafos, antropólogos, historiadores etc. ao mesmo tempo em que eles foram tudo isso.

O que está em pauta é que a tomada de tais questões como matéria literária não tem nenhum propósito senão o de ser meramente matéria e já aqui é possível vislumbrar onde reside esse caráter outro de 'utilidade' do texto literário: o caráter de utilidade consiste, sem se reduzir a tanto, no engendrar na esfera social, pelas vias do discurso, o diálogo, nem sempre harmônico (eu diria, nunca harmônico), em torno dos diversos problemas inerentes ao nicho humano. Essa parece ser a principal face, senão uma das principais faces, daquela função humanizadora preconizada por Antonio Candido. É que, em meio à excessiva materialidade que aos poucos nos castra a essência de criaturas de carne e osso que somos, em meio à excessiva carga de imagens que põe em falso a nossa própria realidade, já dita fugidia, ao se fazer matéria com questões sócio-históricas humanas, vem eles nos alertar para quem somos, o que fazemos/fizemos/faremos, ou o que buscamos e o que está inerente nesse ser, fazer e buscar. E isso não tem utilidade alguma nessa esfera social que engendramos. Afinal, no que as ideologias sempre têm trabalhado e conseguido em noventa e nove das cem tentativas, no intuito de preservar as coisas tal qual foram forjadas, é o de que cada vez abandonemos a essência de humanos para ocuparmos a essência de 'zumbis teleguiados' por formas que as tais ideologias julgam ser melhor a nós.

Aqui chegando, recupero as vias da 'prática', da 'função' e da 'utilidade'. Elas são uma das formas engendradas por tais ideologias a que a literatura e arte para terem o merecido valor por elas preconizado devem se subordinar ou a elas reduzir-se. Aderindo a elas, a literatura perde o status de anjo rebelde e readquire a categoria que já quase ocupou um dia, a de excepcional documento para uma pedagogização, no sentido de modelagem, do sujeito. A literatura, entretanto, não tem nenhum compromisso do real. (Releia a epígrafe). Parece isso luta com moinhos de vento.

* Este texto foi publicado no Caderno Domingo, Jornal De Fato, em 18 de outubro de 2009, p.14.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Varlam Chalámov, contador de histórias

Boletim Letras 360º #323