A arte de fazer livros




Sem propagandas, mas sabemos nós leitores que os livros produzidos pela editora Cosac Naify têm algo além dos preços assombrosos para suas publicações: o esmerado zelo em oferecer quase livros-arte. O que chegou ao mercado agora, Museu do romance da eterna (imagem), do escritor argentino Macedonio Fernández é um exemplo disso que acabei de dizer.

A obra que foi escrita ao longo de 48 anos e está entre as que influenciou nomes como o do escritor Julio Cortázar e Jorge Luis Borges ganhou enfim uma versão brasileira. O trabalho de tradução é de Gênese Andrade e o livro traz uma apresentação de Damián Tabarosvky - isto é, o zelo se repete ainda quando o assunto é construir um bom conteúdo, ou que chamaria, de livro de referência.

Mas, há outras peculiaridades: a identidade visual com que foi pensada sua própria forma. Está dividido em duas partes - uma, a do romance propriamente dito e, outra, uma série de prólogos e dedicatórias, que formam uma coleção de reflexões fragmentárias. Para um livro inusitado um projeto gráfico também inusitado.



"Partindo de um conteúdo tão específico e excêntrico, o projeto gráfico desta edição se propôs a interpretar algumas das digressões do autor sobre seu próprio livro. O volume, portanto, tem um aspecto inacabado: sem o refile lateral as páginas são sutilmente irregulares, lembrando uma pilha de papéis soltos e dificultando o folhear do leitor apressado. Logo na capa estão estampadas frases espirituosas em que Macedonio homenageia o Leitor de Capa, e sentencia que “capas-livros” são “a única esperança de um grande raio de ação da brilhante Literatura”.

Dela, completamente preenchida por texto, passa-se à guarda e ao miolo sem qualquer respiro, sem as convencionais páginas de rosto, falso rosto, sumário etc: “Espero que o meu Editor não me exponha ao ridículo inserindo [no livro] folhas em branco [...]. Se há Crítica para o escrito, faço a do em branco [...]. Repudio como falsas todas as páginas brancas que se publiquem aqui como originais de minha assinatura [...]“, escreve Macedonio."

E quem explica todo esse processo é a diretora de arte da Cosac Naify, Elaine Ramos, que numa post para o blog da editora fala como o livro foi produzido e o porquê desse estilo que faz dele artefato de brincar. No mesmo blog também é possível ler um texto-resenha para a obra composto pelo escritor argentino Damián Tabarovsky.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão