Carlos Fuentes



Jorge Luis Borges, Roberto Bolaño, Mario Vargas Llosa, Isabel Allende, Adolfo Bioy Casares, Gabriel García Márquez e muitos outros são nomes por demais significativos à literatura latino-americana. A essa lista indispensável é o nome do escritor mexicano Carlos Fuentes. Filho de pais diplomáticos, nascido em 1928, no Panamá, Fuentes morreu ontem, 15 de maio de 2012.

É um dos mais proeminentes escritores do México. A condição e o meio em que nasceu deram-lhe oportunidades que contribuíram à sua formação: Fuentes estudou na Suiça e nos Estados Unidos. E foi filho dos muitos lugares onde viveu – Quito, Montividéu, Washington, Santigo, Buenos Aires, Rio de Janeiro... Mas, foi o tempo que passou no México, onde se radicou desde 1965, o que mais lhe serviu de matéria na composição de uma obra imersa no debate intelectual sobre a filosofia do mexicano. Seu primeiro livro, Los días enmascarados, ainda sem tradução para o Brasil, publicado em 1954, já apontava para essa questão identitária e, de então, foi sendo tema no processo de sedimentação de sua obra.

Em 1955, junto com Emmanuel Carballo e Octavio Paz, Fuentes fundou a Revista Mexicana de Literatura como um espaço intelectual necessário para se pensar determinadas questões concernentes ao seu país a partir da literatura, tida esta para o escritor como forma de se responder à perguntas do tipo o que e como fomos e no que e como seremos e o lugar proeminente para conhecimento do mundo livro da racionalidade: “Nem a ciência, nem a lógica, nem a política nos darão uma resposta. O romance também não nos dará, mas coloca a pergunta de uma maneira equivocada, de uma maneira cômica, transgressiva que outras disciplinas não permitem” – disse certa vez.

Depois de publicado La región más transparente, em 1959 e A morte de Artemio Cruz, em 1962, Fuentes adquire o reconhecimento pela crítica internacional que lhe atribui até o hoje o status de uma das figuras centrais do boom do romance latino-americano. Obra fortemente direcionada por um compromisso político e social com foi, é também um lugar importante para se ler o intelectual engajado que foi: “O que um escritor pode fazer politicamente, deve fazer também como cidadão. Num pais como o nosso o escritor, o intelectual não pode ser alheio à luta pela transformação política que, em última instância, supõe também uma transformação cultural” – disse num ensaio para a revista Tiempo Mexicano, em 1972.

Fuentes foi graduado em Direito na Universidad Autónoma de México e no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra, Suiça. Entre os títulos mais importantes de sua obra se destacam: A região mais transparente (1959), Zona sagrada (1967), Mudança de pele (1967), Terra nostra (1975), Cristóbal Nonato (1987) e Os anos com Laura Díaz.

Fonte: Página oficial do escritor.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325