Escrever para...



Situações opostas no universo da escrita: Mario Lago e Vera Fischer: um, conseguiu ir bem e produziu trabalhos medianos  na literatura;  já a atriz, tem sido um fiasco.

Recentemente no Brasil tivemos algumas experiências de atores que foram do dia para outro (modo de dizer) aparecendo como autores. Não é fato novo, é verdade, cá já tivemos casos à parte, como Mario Lago. Mas quando digo dos recentes estou é pensando em fiascos como o da Vera Fischer romancista; depois dela veio (pelo que acompanhamos de maior badalação na imprensa) os versos de Juliano Cazarré, versos 'bem ditos', por sinal. Tivemos acesso à caprichada edição de Pelas janelas, editado pela Dublinense e tem muita coisa ali que vale uma leitura.

Agora, outros versos vêm a lume: os do hollywoodiano James Franco. De lá saiu coisas recentes da Marilyn Monroe, coletânea que só tem destaque para o bom acabamento editorial; pode se salvar o símbolo sexual leitor como dizem por aí que era (quem não terá visto já variadas vezes a pose da atriz lendo James Joyce ou com outro livro qualquer em mãos? Talvez se tivesse viva, lendo Joyce, não tivesse cérebro para ler Paulo Coelho, o queridinho dos astros na biblioteca de muitos astros de Hollywood). Mas, o caso aqui é James Franco. E como ele poderá ser diferente. Poderá. O ator já tem publicado trabalhos do gênero prosa e também poesia: Palo Alto, coletânea de contos publicada em 2011 e o opúsculo de poesia Strongest of the litter, neste 2012. Sabe-se que, além de mestre em Belas Artes, Franco tem uma especialização em poesia. Pela vivência, pode ser uma promessa, não?

James Franco. Depois de publicar uma coletânea de contos e um opúsculo de poemas, o ator reaparece autor em 2014 com uma coletânea de poemas intitulada Directing Herbert White.

O que está por vir é uma coletânea de poesia já batizada por Directing Herbert White e será publicada por uma pequena editora estadunidense em abril de 2014. O título é uma referência ao poema "Herbert White", de Frank Bidart; a personagem é um assassino de crianças e a obra de White um “retrato” perturbador sobre a psicopatia. O poema já foi encenado por Franco num curta-metragem.

Frank Bidart é um poeta e acadêmico estadunidense; suas primeiras obras foram publicadas ainda na década de 1970 e têm foco no temário da culpa. O autor ficou conhecido a partir de The Sacrifice, publicado em 1983. Directing Herbert White inclui não só trabalhos sobre a relação do autor com poema de Bidart, mas poemas que misturaram cinema e poesia, performance e persona.

Antes que venha 2014, o ano vindoura principia cheio de novidades envolvendo o nome de Franco. Em janeiro estreia no Festival Sundance que se realiza em Salt Lake City o filme que dirigiu, Interior. Leather Bar. O enredo dessa produção se guia a partir de material que William Friedkin teve de retirar da versão final de Cruising, filme polêmico da década de 1980, que faz uma visita à cena underground gay de Nova Iorque.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas