Auto da barca do inferno, de Gil Vicente

Por Pedro Fernandes



Gil Vicente pode ser considerado um dos grandes gênios da Literatura Ocidental, de importância paralela a William Shakespeare, para citar outro nome do teatro. O português despontou como um dos maiores dramaturgos populares, seja nos temas, na linguagem, na figura dos atores. Durante sua vida escreveu e representou uma diversidade de peças que, mesmo com seu empenho em vê-las reunidas numa só edição, não chegou a usufruir do largo trabalho. E se hoje conhecemos sua obra, em parte deveu-se ao empenho de seu filho que publicou em 1562 uma compilação daquilo que o pai havia reunido, embora a crítica especule que muita coisa tenha sido omitida propositalmente, bem como tenha feito alterações nos originais.

O auto da barca do inferno é apenas uma das 46 peças, grande parte delas escritas em espanhol. A crítica costumeiramente divide esse colossal conjunto de textos em pelo menos três fases: uma que vai de 1502 a 1514 marcada pela influência de Juan del Encina, outra que vai de 1515 a 1527 conhecida como o auge da carreira do dramaturgo (o texto sobre o qual falamos insere-se nesse período) e a terceira que tem o ano de 1528 como o ano-chave. Esta última fase é a que Gil Vicente instrumentaliza seu teatro de uma verve mais intelectual, de consequência sobretudo clássico-renascentista. Tamanha produção e tamanha importância que, não se pode falar de teatro em Portugal, sem que tenha de mencionar a obra vicentina.

Suas peças são escritas dentro de um padrão de extrema autonomia, onde a galeria de personagens aborda todos os tipos da sociedade de seu tempo. Suas farsas fustigam desde o papa, o rei, o alto clero, até a mais baixa classe social, como a dos agiotas, a das alcoviteiras, a dos artesãos, entre tantos outras da vida. É um teatro, conforme compreende Massaud Moisés "baseado na espontaneidade e tendo em mira divertir a Corte", de passo, portanto, marcado pelo improviso, o qual jamais será captado pela esfera do texto escrito.

Auto da barca do inferno é uma dessas sátiras que pelo poder de afronta à ordem dominante deve ter sido encenada muito à base do limite censório imposto pela ocasião, muito embora o próprio texto deixe denunciar certo trabalho de não-apresentação às claras do real propósito; a linguagem e jogo de cena e as limitações críticas do público para o qual era encenado (não é porque estamos na Corte que tenhamos o melhor dos públicos) tenha deixado escapar muito dessa condição de revelação do encoberto pelo mar de lama da hipocrisia do poder.

O texto é um dos exemplos que atestam um dramaturgo compromissado "que coloca sua poesia e seus predicados a serviço dum espetáculo mais exigente e, por conseguinte, de uma causa: respirando a atmosfera renascentista e dando expansão  às virtualidades pessoais", lembra Moisés. Gil Vicente demonstra ter sido um artista dotado para a intervenção, numa época em que o intuito do criador estava muito mais para o de elaboração de uma sedução catártica capaz de abstrair o público e levá-lo ao universo frívolo do entreter pelo entreter.

O Auto da barca do inferno não poupa ninguém; todos são analisados, digamos, assim, como fazedores de uma trama hipócrita, a realidade; isto é, esta é uma peça ora de acusação, ora de chamamento à moralidade e, em tudo por tudo, de acusação. O que valerá à leitura de um texto dessa natureza para o tempo de hoje? Primeiro, ver de perto essa genialidade do criador português sobre a qual inferimos no começo deste texto. Depois, uma compreensão muito honesta acerca de um lugar da história geralmente vendido como o tempo de perfeição da comunidade humana.

E, por fim, visualizarmos que, entre esse passado sempre visto como tão distante, ainda é mais atual do que imaginamos. Afinal, quando o assunto é poder, parece que sempre estaremos condicionados pela capacidade de sempre alimentarmos a realidade de uma natureza farsesca; além disso, a miséria humana, as prevaricações, o suborno, a corrupção, as glórias prometidas são, desde sempre elementos participativos na história dos homens.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão