Aproximações a Wisława Szymborska

Por Pedro Fernandes



Produz-se incessantemente muitos filmes biográficos sobre grandes estudiosos e grandes artistas. A tarefa dos diretores ambiciosos é representar de maneira crível o processo criativo, que como resultado teve importantes descobertas científicas ou a criação das mais poderosas obras de arte. É possível mostrar com algum sucesso o trabalho de alguns cientistas: um laboratório, diversos instrumentos, mecanismos postos em movimento são certamente capazes de manter tensa a atenção da plateia. Além disso, existem os frequentes momentos de incerteza, será que o experimento repetido pela milésima vez apenas com mínimas modificações irá chegar ao resultado esperado? Também podem ser espetaculares filmes sobre pintores, nos quais pode-se reconstruir todas as fases envolvidas no nascimento de uma obra, dos primeiros traços às últimas pinceladas. Filmes sobre compositores enchem-se com os primeiros compassos, audíveis para seus criadores, até a forma madura do trabalho que espalha-se pelos instrumentos. Tudo isso é uma sequência de esboços ingênuos e não fala nada sobre o estranho estado espiritual popularmente conhecido como inspiração, mas ao menos é algo para se assistir e mesmo ouvir. 

O pior é com os poetas. Seu trabalho é desesperadoramente não fotogênico. A pessoa senta-se à mesa ou deita-se no sofá olhando fixamente para a parede ou para o teto, de tempos em tempos escreve sete versos, riscando um dali a quinze minutos, e passa-se mais uma hora durante a qual nada acontece… Qual espectador aguentaria ver algo assim?

Falei sobre inspiração. Quando lhes perguntam “o que ela é” ou se “ela é”, os poetas quase sempre respondem evasivamente. Não é por nunca terem sentido a benesse desse impulso interior. A causa é outra.  Não é fácil explicar aquilo que nós mesmos não entendemos.

(Wisława Szymborska, fragmento do Discurso perante a Real Academia Sueca quando da recepção do Prêmio Nobel de Literatura)¹

 ***

A primeira vez que ouvi falar sobre a poeta polonesa foi por ocasião de um desses eventos acadêmicos dos quais sempre participo anualmente. Era 2008 ou 2009. E sua voz me veio através de um poema sobre as torres gêmeas lido por um dos congressistas.² Seu nome ficou anotado erradamente num caderno e, desde então, sendo para mim o melhor texto que conheço sobre o dia quando o século XXI começou para todos os devidos efeitos, como bem definiu o poeta português João Ricardo Lopes numa de suas entradas para o seu blog pessoal.

Hoje, retorno à poesia de Wisława Szymborska para compor esta brevíssima crônica depois de passar por alguns dos poemas recentemente publicados no Brasil em livro e algumas leituras dos vários perfis ou apreciações da sua, para redizer algumas palavras informativas mas ainda em sinal de alguma homenagem para uma das grandes poetas do século XX que veio à morte no início do último fevereiro. De uma geração bastante prolífica na literatura da Polônia, a poeta foi a quarta no se país a vencer o Nobel de Literatura, em 1996.³ 

Filha de políticos do centro-oeste da Polônia, Szymborska foi, por mudança da família, para Torún, em 1924 e depois, cinco anos mais tarde, para Cracóvia, cidade situada às margens do Vístula, no sul polonês, onde viveu toda sua vida. Ter vivido todo esse tempo num lugar tacanho aos olhos do mundo não fez da sua poesia uma obra tímida e reservada. Ainda que não  houvesse ganhado o Prêmio Nobel, sua obra certamente correria o mundo devido sua maneira de tocar o cotidiano de maneira despretensiosa mas invulgar, livre mas rigorosa na linguagem. 

Wisława Szymborska também não foi escritora de uma obra grandes proporções; os números orbitam entre 250 a 330 poemas, Muitos circularam pelo Brasil desde 1996 em jornais e revistas até a publicação pela Companhia das Letras da antologia Poemas traduzida e organizada por Regina Przybycien, em 2011. Desde então, sua obra parece que fixou um lugar seguro entre os leitores brasileiros, um feito curioso se pensarmos dois fatores negativos preponderantes: o grupo de interessados por literatura e o ainda mais restrito que guardam predileção pela poesia.

Regina Przybycien aponta alguma resposta no prefácio que compôs para a antologia referida. “Embora os seus temas sejam sérios, até sombrios, o tom dos poemas não é. A seriedade das questões colocadas pelos poemas é contrabalançada pelo humor e pela ironia, que colocam o eu lírico na posição de observador distanciado. Neste aspecto, o poeta brasileiro que mais se lhe assemelha é, parece-me, Carlos Drummond de Andrade. Também nele o recurso à ironia é uma forma de conter a densidade dramática dos poemas. A ironia desempenha um papel fundamental para solapar a importância que se dá ao mundo e, sobretudo, a si mesmo.” Seria esse o motivo do interesse brasileiro por sua poesia, sendo o poeta mineiro um dos nomes mais conhecidos e quistos entre nós? Vai saber.

Uma visita à biografia de Szymborska ainda por escrever, por mais que tenha repetido que sua vida estava na obra que compôs, mesmo não sendo sua poética incrustada no vício da autoconfissão, descobrimos que a ainda jovem ia bem nos estudos primários até a eclosão da Segunda Guerra Mundial. No período, não abandonou as atividades de estudante, mas era coisa que se fazia só e em segredo; em 1943, para evitar de ser deportada para a Alemanha nazista, foi trabalhar nas estradas de ferro. É por essa época que começou a escrever seus primeiros poemas. 

Bastou dois anos para continuar seus estudos, agora em Língua e Literatura polonesa na Universidade Jagellonica, mais tarde mudaria para Sociologia e não concluiria o curso por dificuldades financeiras. Da pequena vida universitária, ela começou a se envolver com artistas do grupo de vanguarda Inaczej, conhecendo Czesław Miłosz, que muito a influenciaria. Nesse mesmo ano, publica seu primeiro poema “Szukam słowa”, traduzido para o português como “Eu procuro a palavra”.

Em 1949, teria seu primeiro livro publicado, mas foi impedida pela censura. Durante esse período, a poeta trabalhava como secretaria de um revista bissemanal e como ilustradora no mesmo periódico. Notadamente, percebemos que sua obra se constrói como uma árdua peleja, característica inerentemente (por destino ou causa circunstancial) do próprio gênero poético. 

Seu primeiro livro só será publicado, então em 1952. Dois anos mais tarde, lançou o segundo volume de poesia. Esses primeiros livros vieram bastante influenciados pela ideologia oficial do regime socialista, o qual Szymborska apoiou até 1966, ainda que não tenha sido uma militante pública. Nem poderia ser diferente: na ditadura, qualquer posição pode significar a vida ou a morte de um cidadão. E a poeta precisou, antes, estabelecer uma sólida rede de apoios para os passos seguintes que se afirmava com o progressivo afastamento do epicentro do partido; por exemplo, em 1957, a convite de Jerzy Giedroyc colabora para o Kultura, um jornal dissidente. E esses dois primeiros livros foram os que a poeta chegou a renegá-los desde o período em que passou a lutar abertamente pela liberdade dos países que viviam sob o regime da União Soviética.

Depois de Por isso vivemos (1952) e Perguntas feitas a mim mesma (1954), vieram Chamando por Yeti (1957), Sól (1962), Muito divertido (1967), Todo caso (1972), Um grande número (1976), Gente na ponte (1987), Fim e começo (1993), Instante (2002), Dois pontos (2005) e Aqui (2009). E além dos livros de poesia, outros vieram a partir dos textos que figurou com frequência na imprensa em seu país, como a crônica e a crítica literária. Entre 1953 e 1981, por exemplo, atuou na Życie Literackie comentando livros ou colaborando como conselheira respondendo jovens escritores que buscavam um lugar ao sol nesta revista.

“A prática dos poemas de Wisława Szymborska está na perfeição da palavra-objeto, na palavra-imagem primorosamente esculpida – allegro ma non troppo, como um de seus poemas se chama. Mas uma escuridão que nunca é diretamente tocada se faz perceptível, como o sangue que circula sob a pele. Para Szymborska, como muitos poetas poloneses contemporâneos, o ponto de partida é a experiência de uma catástrofe, o chão desmoronando sobre ela, o completo colapso de uma crença. No lugar dela as condições humanas irrompem com sua brilhante agitação inacessível, com suas rotinas e sua mesquinhez, com suas lágrimas e seus gracejos, com sua ternura. Essas condições exigem uma linguagem particular, uma linguagem que ponha as coisas em relação, uma linguagem que começa metodicamente do zero. O caminho da linguagem passa pela negação – o pré-requisito para poder construir o novo é construir do nada. Nesse ponto um jogo de interpretação começa, a maravilhosa dramaturgia do mundo.” – assim se pronunciava o discurso que a anunciou a poeta como vencedora do Prêmio Nobel de Literatura.

É uma figura de obra notável, que encontrou fora da política, que lia como a condenação da humanidade, uma maneira autêntica de ser e estar no mundo, fazendo da compreensão dessa condição matéria essencial da sua poesia.

Notas:
1. No site Meia Palavra é possível ler na íntegra o discurso de Wisława Szymborska. Foi de lá que recolhi as notas para escrita desse post. Luciano R. M. fez um belíssimo trabalho de tradução de todo material para aquele site.

2. No blog do caderno-revista 7faces é possível ler o poema que mencionei no início da post e outros poemas de Wisława Szymborska.

3. Os outros três foram Henryk Sienkiewicz (1905), Władysław Reymont (1924) e Czesław Miłosz (1980).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #579

Boletim Letras 360º #573

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #576

Boletim Letras 360º #574

Boletim Letras 360º #575