O horror sem adjetivos de um testemunho inédito de Primo Levi


Por Guillermo Altares



Como acontece com outros grandes escritores que relatam sua experiência como sobreviventes do Holocausto, como Elie Wiesel ou Imre Kertèsz, o valor da obra do italiano Primo Levi vai muito além do literário (embora neste terreno seja imenso). A era dos testemunhos da Shoah está a ponto de acabar; os últimos sobreviventes e também os últimos verdugos vão se apagando pouco a pouco e a memória desaparece com eles. Por isso, obras com a trilogia de Auschwitz* são mais importantes que nunca: só através da leitura dos relatos dos que estiveram aí é possível entender, ainda que remotamente, o horror incompressível do nazismo e do Holocausto.

Primo Levi (1919-1987) escreveu também uma série de informes para diferentes instituições ou para prestar testemunho em processos penais contra crimes de guerra nos quais descreve sua passagem pelos campos de concentração; esses textos foram resgatados no volume Assim foi Auschwitz (Companhia das Letras, Federico Carotti). Objetivos, sem adjetivações, carregados de horror, esses textos são uma leitura que resulta difícil de esquecer.

Químico de formação, o escritor nascido em Turim chegou a integrar a resistência italiana. Num obscuro episódio resgatado recentemente por Sergio Luzzato em seu livro Partisans, o grupo de Levi executou dois homens tidos como saqueadores; tudo indica que o escritor italiano não tenha participado diretamente. Em setembro de 1943 foi detido pela polícia fascista e, mesmo se declarando judeu, ao invés de ser executado imediatamente com aconteceu a outros do grupo de partisans foi deportado para o campo de concentração de Auschwitz. Sobreviveu graças ao seu trabalho como químico e a grandes doses de força de vontade e alguma sorte no campo satélite de Monowitz (uma extensão de Auschwitz). Para aí iam todos aqueles que, como relata o próprio Levi, estavam condenados a ser exterminados ao longo de vários meses com o trabalho escravo, não imediatamente nas câmaras de gás.

No seu retorno dos campos de concentração escreveu É isto um homem?, um dos livros mais importantes do século XX que, mesmo assim, tardou muito tempo em encontrar editor – talvez porque fosse muito cedo para que a sociedade enfrentasse a magnitude dos horrores acontecidos do dia para a noite vida com a subida da névoa do terror nazista. A trilogia de Auschwitz se completa com A trégua e os afogados e os sobreviventes, mas Levi também escreveu livros muito diferentes como A tabela periódica e Se não agora, quando? sobre um grupo de partisans. Em 11 de abril de 1987 suicidou-se jogando-se pela escada do prédio onde vivia em Turim. 



A obra de Levi alcançou um gigantesco impacto e é possível dizer que forma parte da memória negra da humanidade. Nunca deixou de ser traduzido, reeditado e, principalmente, lido. Suas obras completas foram publicadas em inglês muito recentemente com um ensaio introdutório da escritora Prêmio Nobel de Literatura Toni Morrison. Numa das resenhas publicadas pelo The New York Review of Books, o tradutor, romancista e especialista em literatura italiana Tim Parks escreve que “Levi sempre quis fazer com que o leitor enfrente o Holocausto com toda crueldade, sem proporcionar-lhe nunca um refúgio numa zona de conforto”. Este princípio se aplica especialmente nos documentos reunidos em Assim foi Auschwitz, vários deles escritos em parceria com seu amigo, o médico Leonardo De Benedetti, com quem conviveu no cativeiro.

“Relatório sobre a organização higiênico-sanitária do campo de concentração para judeus de Monowitz (Auschwitz – Alta Silésia) é o texto principal do volume; foi escrito a pedido do Exército Vermelho e é um dos primeiros relatos que descrevem o sistema de funcionamento de Auschwitz, dos Sonderkommando, os internos obrigados a se ocuparem das câmaras de gás e dos crematórios, personagens centrais no impactante filme O filho de Saul, até a anulação da vontade dos deportados que se convertiam em zumbis à espera apenas da morte, da fome e dos castigos. Também é arrepiante quando descreve a procedência dos presos com os quais partilhou aquele campo satélite de Auschwitz: judeus de todas as partes da Europa, de todas as profissões e classes sociais arrastados pelos nazistas até os confins da Polônia para serem assassinados.

Resultam ainda muito interessantes seus testemunhos sobre diferentes processos, entre eles o de Adolf Eichmann, sobre o qual Hannah Arendt escreveu sua famosa teoria sobre a banalidade do mal. Nesses textos, alguns muito precoces, tanto De Benedetti como Levi já consideravam que a responsabilidade do horror “recai de forma coletiva sobre todos os soldados, suboficiais e oficiais das SS para aí destinados”. Nos últimos anos têm sido processados na Alemanha vários membros da guarda de Auschwitz baseando-se nesse mesmo princípio: o fato de haver trabalhado num campo de extermínio, não importa a posição nem a missão, é já um crime em si.

Levi também denuncia um assunto crucial: o papel da indústria alemã no trabalho escravo. “Os campos, portanto, não eram um fenômeno marginal: a indústria alemã se fundava sobre eles; eram uma instituição fundamental da Europa fascistizada, e do lado nazista não se fazia mistério que o sistema seria mantido, aliás, ampliado e aperfeiçoado, caso o Eixo vencesse. Teria sido a realização plena do fascismo: a consagração do privilégio, da não igualdade e da não liberdade.” Estes são textos que carecem da intensidade literária de É isto um homem?, mas que colocam o leitor ante o horror, sem concessões nem filtros, apenas com a memória de um testemunho.

Notas:

* Designa-se assim o conjunto de textos formado por É isto um homem?, A trégua, Os afogados e os sobreviventes. A estes é possível acrescentar ainda, o que constituiria uma tetralogia. Bom, em língua espanhola, os três primeiros livros foram publicados numa só edição em 2016 com tradução de Pilar Gómez Bedate.


Este texto é uma tradução livre de “El horror sin adjetivos de un testemonio inédito de Primo Levi” publicdo aqui, no jornal El País. As traduções de passagens de Assim foi Auschwitz são as de Federico Carotti (Companhia das Letras, 2015). 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão